5 passos para o Diagnóstico dos Transtornos de Aprendizagem - 1ª Jornada NeuroSaber

5 passos para o Diagnóstico dos Transtornos de Aprendizagem

cpl2

Como sequência da 1ª Jornada NeuroSaber, o segundo vídeo trata a fundo sobre o diagnóstico dos Transtornos de Aprendizagem. Você sabe que quanto mais cedo for a descoberta do TA (Transtorno de Aprendizagem) nas crianças, mais elas podem ter uma intervenção eficaz? É isso mesmo, pessoal. Dr. Clay Brites e eu, Luciana Brites, vamos esmiuçar os principais pontos que devem ser levados em conta na identificação e posteriores procedimentos do TA.

Entendendo o Transtorno de Aprendizagem

Na primeira aula, falamos sobre o TA para que vocês – profissionais, pais e educadores – tivessem total conhecimento acerca deste distúrbio, que está mais presente do que se pode imaginar.

Para quem não assistiu ao primeiro vídeo, recomendamos que assista, pois é o complemento inicial do conteúdo a ser mostrado aqui hoje. De qualquer forma, vale lembrar que o Transtorno de Aprendizagem é um distúrbio que está interligado a alguns déficits que incidem sobre a capacidade pedagógica da criança.

[+] Acesse aqui para participar da 1ª Jornada NeuroSaber

Discalculia e disgrafia são algumas das dificuldades que podem ser sentidas pelas crianças desde o começo da alfabetização. Por isso, é muito importante saber como diagnosticar essas características e não confundir com a Dificuldade de Aprendizagem (que pode ser causada por fatores externos, como a metodologia de ensino, por exemplo).

5 passos importantes para o diagnóstico

– Avaliação multidisciplinar com o acompanhamento de profissionais especialistas, como psicopedagogos, fonoaudiólogos, neurologistas infantis e psicólogos.

– Saber quais testes devem ser utilizados para avaliar a criança. Reunir a equipe multidisciplinar a fim de chegar ao diagnóstico com precisão.

– Os professores da criança devem analisar o rendimento escolar e as dificuldades encontradas. A partir disso, modificar a proposta didática e observar o quadro apresentado pelo aluno. Logo após, enviar relatório que descreve a situação do pequeno à equipe multidisciplinar.

– Conhecer profundamente os transtornos baseando-se em discussões com os profissionais que entendem e tratam do assunto.

Jornada já começou!– Encaminhamento para fechamento do diagnóstico. O quinto e último passo é fundamental por servir de parâmetro aos procedimentos que estabelecerão os passos futuros do tratamento. Lembrando sempre que o quadro global da criança deve ser comparado e associado aos critérios do DSM-5 (manual de transtornos mentais e referência internacional a fim de alinhar o padrão clínico na população com os parâmetros deste instrumento).

5 sinais eficazes para identificar o TA

Primeiro sinal: é importante frisar que o diagnóstico é puro e simplesmente clínico e observacional. Isto significa que não há exames que identifiquem o TA. A criança que apresentar algum traço do TA vai mostrar em pequenos detalhes, principalmente no ambiente escolar. Nesse caso, o pequeno pode mostrar inteligência, habilidades e atividades gerais de sua vida, mas ela demonstra dificuldade em desempenhar algumas funções acadêmicas. Dificuldades cognitivas.

Segundo sinal: quando a criança apresenta dificuldade de memorização de atividades que envolvam linguagem, leituras, formas gráficas e números. 

Terceiro sinal: percepção de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor em áreas motoras ou em outras (linguagem, adaptabilidade de interação e autorregulação social).

[+] Acesse aqui para participar da 1ª Jornada NeuroSaber

Quarto sinal: hereditariedade pode ser um fator para a ocorrência de TA na criança. Isto porque há a possibilidade de algum parente do pequeno ter apresentado as mesmas características na vida escolar. Pais, tios, primos, avós; o que pode ter levado a algum deles ter abandonado os estudos.

Quinto sinal: a prematuridade, o baixo peso ao nascer, complicações ocorridas durante o parto, meningites, crises convulsivas, traumas cranianos com complicações também são fatores identificados em crianças com TA.

Bom, pessoal. Por meio de nossos vídeos, vocês podem ter acesso a essas informações de forma detalhada. Dr. Clay e eu estamos esperando por vocês. Acesse os vídeos da 1ª Jornada NeuroSaber e ótimos estudos. Até a próxima aula!

6 Comentários
  1. ADEANE 2 meses atrás

    Amo suas dicas

  2. Maria de Fátima Nunes de Carvalho 2 meses atrás

    Estou assistindo as aulas dessa jornada.e gostaria de saber como fazer para despertar a vontade no autista escrever pois eu tenho um aluno q não gosta da escrita nem fazer as tarefas da escola.

    • Angela Gonçalves 2 meses atrás

      Maria de Fátima , trabalho com autista ha três anos e para que meu aluno tomasse prazer pela escrita, comecei a introduzir historias que fizessem algum sentido para ele, sempre com material concreto onde ele pudesse pegar e depois de algum tempo lhe apresentava a atividade escrita dentro das atividades lúdica que fizemos na prática. Sempre valorizando o trabalho executado por ele . Hoje é um aluno alfabetizado. Surtiu efeito

  3. Rosimere da Silva Catapan 2 meses atrás

    Boa tarde meu filho tem Tdha e toma ritalina gostaria de saber mais sobre o assunto

  4. AUXILIADORA DE JESUS SANTOS 2 meses atrás

    OI GENTE , EU GOSTARIA MUITO DE SABER INFORMAÇÕES DETALHADAS SOBRE DISLEXIA E COMO PODE SER FEITO UM DIAGNÓSTICO E QUAIS OS DIREITOS DOS DISLEXOS????

  5. Valeska 2 meses atrás

    Investigar os sinais que a criança apresenta desde bem pequena, tais como em aspectos sociais, na linguagem expressiva e em condições importantes tais como a prematuridade, entre outros, pode trazer grande ajuda, possibilitando a intervenção mais adequada o quanto antes.

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

©2016 NeuroSaber todos os direitos reservados.

Desenvolvido por:  Agência Primage

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?