Desenvolvimento Cognitivo Infantil: percepções, reações e competências - NeuroSaber

Desenvolvimento Cognitivo Infantil: percepções, reações e competências

Desenvolvimento Infantil

Desenvolvimento infantil e desenvolvimento cognitivo

O desenvolvimento de uma criança pode e deve ser medido e acompanhado normalmente como uma das estratégias de prevenção de saúde, tanto na infância quanto na adolescência.  Podemos verificá-lo em vários eixos: motor, linguagem, social, afetivo, adaptativo e também cognitivo. A divergência entre eles ou atrasos observados em um ou mais destes eixos, devem chamar a atenção e direcionar a criança para medidas de intervenção precoce.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) tem, de forma reiterada, alertado a comunidade internacional no sentido de vigiar precocemente atrasos e distúrbios de desenvolvimento infantil.  Tais anormalidades estão associadas ao risco elevado da criança evoluir para transtornos psiquiátricos, transtornos de desenvolvimento e problemas de aprendizagem infantil, podendo desaguar futuramente em contextos que podem desestabilizar relações familiares, reduzir engajamento escolar, expor a criança a riscos sociais e fracassos individuais nos mais diversos momentos de sua vida.

A identificação precoce de sinais que podem sugerir problemas no desenvolvimento da criança abre espaço para remediações e correções interventivas, as quais vão induzir a construção de competências que outrora não se cristalizariam sem a devida estimulação. Neste contexto, o desenvolvimento cognitivo tem importante destaque.

Cognição significa processar informações com a finalidade de perceber, integrar, compreender e responder adequadamente aos estímulos do ambiente, levando o indivíduo a pensar e avaliar como cumprir uma tarefa ou uma atividade social.  Para processar, é necessário o envolvimento de várias regiões cerebrais, as quais são sede de determinadas funções que, em conjunto, expressam uma habilidade específica. Estas regiões devem estar íntegras, maduras de acordo com a idade e se interconectarem adequadamente para que haja uma boa resposta do cérebro aos estímulos do ambiente e, por extensão, a concretização da aprendizagem e evolução adaptativa para novas aprendizagens.

Assim, é muito importante que se propicie à criança a devida oportunidade de desenvolver todos os requisitos importantes para sua cognição, prevenindo fatores médicos e ambientais que venham a alterar a estrutura ou o funcionamento cerebral.  O desenvolvimento cognitivo depende do envolvimento de várias outras funções e a boa desenvoltura de outras funções que o alicerçam como a linguagem, a coordenação motora e suporte afetivo-emocional. Viver em um ambiente saudável tanto do ponto de vista biológico quanto afetivo é muito importante. Disponibilizar materiais e espaços para fazer com que a criança se aproprie de estímulos que proporcionem avanços cognitivos, é primordial.  Observar como a criança reage e como ela vem adquirindo ou não habilidades ao ser estimulada, permite avaliar com vão suas competências e, ao mesmo tempo, se pode ter ou não algum transtorno que vem impedindo seu pleno desenvolvimento.

Em caso de atrasos ou de sinais de lesão neurológica ou de disfunção comportamental, pode-se, muito cedo, intervir e observar a resposta.  Estas medidas permitem vencer obstáculos antes que a criança chegue à escola onde se espera que tudo esteja em ordem no seu desenvolvimento cognitivo, onde será muito mais exigida a maturação de suas competências.

A leitura e a escrita, por exemplo, são competências que começam a ser formadas no cérebro desde muito cedo ao serem estimulados pré-requisitos cognitivos primordiais, como a espacialidade e a consciência fonológica. Durante a infância, eles precisam ser observados e promovidos na criança e a maturação dos mesmos deve atingir o que se espera para a idade da criança, antes de iniciar sua alfabetização.

113 Comentários
  1. Luana Rodrigues Gold Marques Bonfim 3 meses atrás

    A aprendizagem é uma mudança de comportamento, assimilações e informações nas quais o sentido de aprender não é impor barreiras e limites para a criatividade e disponibilidade de cada ser. O desenvolvimento de uma boa aprendizagem é a integração de aspectos: afetivo, físico, emocional, social e intelectual do aprendiz, ocasionando uma motivação interna e construindo o conhecimento a todo o momento.

  2. Denise Teixeira Marçal 3 meses atrás

    Adorei o texto q li muito bem explicado com linguagem fácil e simplificada.

  3. Carla Raychstock 3 meses atrás

    Muito bom. Todas os fóruns e matérias excelentes.

  4. Jocelia machado de Paula 3 meses atrás

    Ótima matéria para ser aplicada com as crianças, muitas vezes não sabemos como lidar com elas.

  5. Denise Teixeira Marçal 3 meses atrás

    Texto esclarecedor,com linguagem simples de fácil intendimento e muito próprio para professores que estão exercendo a função.

  6. Adelia Azevedo 3 meses atrás

    Flávia, boa noite!
    Agradeço o material recebido. Excelente material, linguagem clara eobjetiva!
    Saudações…

  7. Adelia Azevedo 3 meses atrás

    Luciana Brites, boa noite! Agradeço. o material recebido, excelente material… Linguagem clara e objetiva! Parabéns!! Saudações!!

    • Cileda da Costa 3 meses atrás

      Texto claro e objetivo. Parabéns!

  8. Tânia Sbervelieri 3 meses atrás

    Olá Luciana

    Muito claro seu texto. O caráter de intervenção preventiva é primordial para estimular as lacunas no desenvolvimento infantil.

    Abraço

    Tânia Sbervelieri
    Fonoaudióloga

  9. Michael Costa 3 meses atrás

    Realmente identificar dificuldades, transtornos possíveis lesões..penso ser muito importante. É interessante que dentro do aspecto de desenvolvimento cognitivo, o que está também ligado ao desenvolvimento emocional, os traumas ocorridos na infância podem causar lesões no encéfalo que repercutem na própria infância indo até a fase jovem e mesmo a fase adulta. Incrível.

  10. Bruna 3 meses atrás

    Muito bom!!!! Conhecer mais nos ajuda a ajudar aqueles que precisam!!!!

  11. Luanda 3 meses atrás

    Obrigada pelo texto. Adorei.

  12. Ana Paula Costa Teuxeira de Paiva 3 meses atrás

    Um artigo esclarecedor com informações relevantes porém compreensíveis sobre a importância de, desde cedo, pais e demais responsáveis atentarem ao desenvolvimento integral das criancas e as possíveis limitações que possam ser “superadas”

  13. Maria Rosa Novello 3 meses atrás

    É muito bom receber informações sobre esse assunto. Precisamos saber como lidar com situações cada vez mais comum entre os alunos.

  14. Katia 3 meses atrás

    Toda vez que leio a respeito visualizo meus alunos em classe e o quanto posso ser mais assertiva quando tenho o conhecimento!

  15. Emília 3 meses atrás

    Boa noite. Quando será a jornada?
    O artigo é bem claro nas colocações acerca do desenvolvimento infantil. Como vc já disse o tema é extenso e bastante interessante para os profissionais da infância.

  16. Bianca Fernandes 3 meses atrás

    Como sempre a Luciana, nos auxiliando, esclarecendo dúvidas e acrescentando conhecimento às nossas atividades profissionais. Muito Obrigada pelo compartilhar saberes Luciana.

  17. Vanusa Albuquerque de Sousa 3 meses atrás

    PARA MIN SAO OOS DOIS POIS UM PUXA O OUTRO, A CRIANCA QUE TEM HIPERATIVIDADE ACABA CAUSANDO A DESATENCAO.

  18. sonia 3 meses atrás

    A criança precisa de um ambiente acolhedor, harmonioso e rico em experiências , por meio dos cuidados com a mãe e seu ambiente,e continuar a ser promovido na escola e além. Também são essenciais para o bom desenvolvimento nesta fase o envolvimento e participação da família, da rede social de apoio e das políticas públicas que organizam serviços para apoiar as necessidades de famílias e crianças .

  19. Cátia Regina Borges Ebert 3 meses atrás

    Boa noite Luciana!
    parabéns pela iniciativa, vai me ajudar muito na faculdade de pscicologia.

    Grata

    abraço

  20. Eliane 3 meses atrás

    Eu sou mãe de um menino de nove anos tem dislexia e distúrbio do processamento auditivo, tenho estudado muito sobre o assunto mas ainda não entendo a questão do processamento auditivo

  21. Célia 3 meses atrás

    O Déficit de atenção…

  22. Marilda 3 meses atrás

    Estou cada dia mais curiosa para saber sobre as matérias publicadas…. tem acrescentado muito.

  23. Maria Aparecida Sanches 3 meses atrás

    Boa noite.
    Em resposta ao seu artigo, achei muito bom e concordo que a identificação de sinais precoce no desenvolvimento da criança seja essencial para as intervenções e estimulações que ajudam a construir as competências necessárias para a entrada desta criança na escola. Porém, as dificuldades presentes no processo escolar só são observadas a partir da escola pela professora, e deve ser por isso que tudo fica mais complexo para ajudar o aluno com tal necessidade.
    A ignorância dos pais, o “achismo” que “é de família” e a dificuldade de mais parcerias com a saúde, também desfavorecem esse processo de construção do saber.

  24. Evileide 3 meses atrás

    Informacoes valiosas para mim que sou professora de apoio em classe comun em Campo Grande MS.

  25. Cybelle 3 meses atrás

    Lidamos com a cognição de forma contínua . As crianças com atraso de fala apresentam dificuldades em processar as informações que são ressacas em terapia. Ótimo material de estudo

  26. Ana Paula Cavalcanti Vilanova 3 meses atrás

    Estou abertas para tudo que corresponde ao desenvolvimento infantil e todos os transtornos da infância. Muito obrigada por todos os conhecimentos que adquiri com a neurosaber.

  27. Rachel Verçosa da Silva Oliveira 3 meses atrás

    Me chamo Rachel, meu primeiro filho teve pré autismo, DDA e síndrome de Tourret, numa época que tais dificuldades não tinha nome aqui no Brasil, tudo era muito recente, mas posso dizer que a minha vontade de querer enxergar o problema precocemente foi fundamental para o pleno desenvolvimento dele, até a idade de 1ano e 3meses era uma criança normal, já falava, papai, mamãe, vovô, a rua, ele nos olhava nos olhos, porém quando fez 1ano e 4 meses, parou completamente de interagir, não olhava mais nós olhos, quando ia brincar com qualquer brinquedo era de forma individual, exemplo um carrinho virava de cabeça para baixo e ficava rodando a roda com ollhar fixo, na pracinha com outras crianças se isolava, quando eu chamava não atendia , era como não escutasse , levei ao otorrino e fez o exame de audiometria quando estava com 1 ano e 5 meses, nesse período já não falava mais e para aprender uma palavra parecia algo impossível, por recomendação o coloquei na escola maternal, foi ótima, porém quando estava com 1 ano e 10 meses, ao chegar da escola, foi direto para uma parede começou a bater a cabeça fortemente nela, chorava incessantemente, fazia o mesmo no chão, foi então que liguei para o pediatra e pedi ajuda de um neurologista, foi então que o mesmo me disse que eu não levasse num neuro pois ele havia feito o Apgar do Abel é o nome dele, e havia sido normal e que ele não tomasse medicamento neuro, mas que eu poderia leva-lo a uma psicóloga, e foi o que fiz, por sinal. maravilhosa e extremamente capacitada, fui reprovada na época devido a pouca idade dele, por muitos ao tratamento, eu tinha apenas 21 anos de idade, mas posso afirmar que o sucesso do tratamento foi o fato de eu como mãe querer ver que meu filho estava com uma dificuldade, hoje ele possui 33 anos de idade, um homem normal, onde ele próprio pode contar sua experiência, a síndrome de Tourret só foi aparecer nele com a idade de 6 anos e se manifestava em latidos, mas também conseguiu controlar, se desejarem posso contar o relato com mais detalhes, atualmente ele mora só, fez faculdade, intercâmbio de trabalho nos EUA, ele também pode contar sem o menor constrangimento

  28. MÁRIA RUTZATZ 3 meses atrás

    Excelente! Muito bom ! Gosto da maneira como vocês transmitem as orientações, de forma prazerosa.

  29. Francisca Maria Moreira Moiola 3 meses atrás

    Muito bom o seu artigo, esclarecedor e fundamental para práxis.

  30. marilene torres oliveira 3 meses atrás

    eu sou cuidadora de uma criança ela tem 4 anos e 8 meses e não saber de nada eu gostaria de saber se ela tem algum problema ou é a escola que ela não gosta

  31. Helena 3 meses atrás

    Boa noite!!!
    Meu filho tem 9 anos e autista. Ainda não fala nada e tem um atrazo no desenvolvimento.
    Estou tentando encontrar algum centro terapêutico onde ele possa desenvolver um pouco mais a sua independência e sua faĺa.

  32. claudinei sanches rodrigues 3 meses atrás

    Olá equipe da Neuro Saber, quero agradecer pelo artigo enviado. Tenho um filho de 4 anos (Isaque), e no decorrer da leitura do artigo identifiquei, o que eu acredito que possa ser um problema no desenvolvimento de meu filho. Ele é um menino muito ativo tanto na escola quanto em casa, mas percebemos, eu e minha esposa, que no entanto, o Isaque tem uma certa dificuldade em se socializar em com outras pessoas e crianças. Não sei se é próprio da idade. Pergunto; é motivo de preocupação ou não?
    FRATERNALMENTE;
    Claudinei

  33. Gilvana 3 meses atrás

    Muito bom
    Parabéns

  34. O q mais me chama a atenção é a preocupação da equipe neuro saber se importar com seus leitores. Obrigado pelas informações são de grande valia.

  35. Norma S Doneda Montejane 3 meses atrás

    Tenho percebido na escola a diferença no aluno qdo se detecta algum transtorno aos 6, 7 anos, o ideal seria antes ainda, como diz o texto. Mas ainda q seja nesta idade os resultados são bem melhores do que qdo se apoderam do valor moral e se percebem diferentes. Gostaria de saber sobre o uso de medicação. Obrigada.

  36. Cristina Tavares 3 meses atrás

    Gostei muito da explicação,simples e de fácil entendimento.Estou muito intetessada no assunto.Tenho uma filha com déficit de atenção.

  37. Isaurina Oliveira de Sousa 3 meses atrás

    Luciana, boa noite!
    Para fazer um trabalho de conclusão do curso de Licenciatura em Pedagogia eu estou pesquisando sobre A importância da Psicomotricidade na Educação Infantil e através das pesquisas conheci o Site Neuro Saber e venho lendo e assistindo algumas aulas suas no YOUTUBE os quais têm me ajudado muito. Recebo seus email sempre. Obrigada. Gostaria de saber como posso citar você como referencia no meu trabalho , porque cito algumas falas sua ou partes de texto escrito por você no meu trabalho. Obrigada pela atenção.

  38. alice 3 meses atrás

    Parabéns

  39. Fabiana 3 meses atrás

    Esses artigos realmente esta nos orientando com relação a dificuldade que temos em avaliar uma criança e observar o que esta pode apresentar que esta dificultando seu desenvolvimento de aprendizagem nos varios eixos. obrigada pela oportunidade de esta tendo acesso a esse conhecimento e com isso me qualificando para minha pratica pedagogica.

  40. Cleone L S Guimaraes 3 meses atrás

    Fiz uma primeira leitura rápida e fiquei empolgada. Vou reler com calma ponto a ponto é refletir. O artigo chegou às minhas mãos num momento oportuno. Estou com necessidade de compreender melhor o TDAH. Estou com mais disposição para iniciar a pesquisa. Obrigada!

  41. Bernadete Bussolaro 3 meses atrás

    Bom dia!!

    Gostei muito do texto!!

  42. viviane 3 meses atrás

    Parabéns, ótimo texto! Conciso e objetivo.

  43. Veluzia Ferreira da Silva Araújo 3 meses atrás

    Eu quero aprender como deve agir com meu filho que tem Autismo leve com Síndrome de Asperger. Ele não consegue interpretar os texto da histórias do livro do terceiro ciclo. Eu releio para ele mas não sabe falar a história os fatos ocorrido o que o personagem esta fazendo. No mento da prova em sala de aula ele não responde e sempre espera que a auxiliar venha ensinar como fazer. Por isso eu procuro conhecimentos sobre este assunto para eu saber ensinar ao meu filho no aprendizado dele nos estudos e na vida.

  44. Teresinha do Carmo Fumagalli Malafronte 3 meses atrás

    Bom dia! Excelente texto, porém às vezes encontramos dificuldade de aceitação dos pais, eles acabam achando que é uma mera exigência da escola, infelizmente e acabam por tirar o aluno da escola e levar para outra que não tem esse olhar investigativo.

  45. Ana Paula Silva Ribeiro 3 meses atrás

    Olá Lu, bom dia!

    Obrigada pelo artigo enviado, esta leitura foi muito significativa para o aprimoramento dos meus conhecimentos em relação ao meu trabalho como psicopedagoga.
    É muito prazeroso e gratificante participar dos estudos da NeuroSaber.
    Tenho aprendido muito e sanado muitas dúvidas com os vídeos.
    sou aluna do curso de Neuropsicologia da UNICAMP, me senti feliz em estar com o Dr. Clay pessoal em sala de aula.
    Muito Obrigada!!!!
    Parabéns pela iniciativa e desprendimento.
    Beijo carinhoso
    Ana Paula

  46. Aline Ferreira da Silva 3 meses atrás

    Muito bom artigo, gostei, parabéns!

  47. Rosimere 3 meses atrás

    Bom dia Lucina, ótimos os conteúdos, de fácil compreensão, estou gostando muito, e tenho certeza que esses conhecimentos irá enriquecer o meu trabalho pedagógico.
    Atenciosamente,
    Rosimere

  48. Maira 3 meses atrás

    Luciana, gostei bastante do artigo publicado. Ajudou-me a elaborar estratégias que estimulem o desenvolvimento cognitivo de alguns alunos. Obrigada!

  49. silvana 3 meses atrás

    o artigo esta ótimo,pois esclarece pontos que dedemos observar em nossos alunos e crianças nessa fase do desenvolvimento.

  50. MARCIA SIQUEIRA 3 meses atrás

    parabens, seu texto é bem esclarecedor, meu filho autista moderado a severo ja está bem melhor devido ao empenho de profissionais especializados para o ajudar no desenvolvimento cognitivo. A luta é grande ainda não atingiu a alfabetização aos quatorze anos, mas ja conquistou muitas habilidades e melhora em seu comportamento. Continue nos instruindo bjs.

  51. Simone Ribeiro 3 meses atrás

    Adorei a matéria, meu filho foi diagnosticado como Asperger e está num quadro de alucinações que o médico diz parecer com TOC, não sei mais o que fazer, ele não quer ir para escola fala que é crismado. Entra várias vezes ao dia no banheiro para se masturbar, onde ele fica muito transtornado tem muitas alucinações, ele toma Tegretol, Quetiapina e Clomipramina, mas não vejo nenhuma melhora. O médico diz que não tem remédio milagroso, mas não é possível q não tenha como deixar ele mais controlado. Obrigada bjsss

  52. Andrea Carbone 3 meses atrás

    Muito interessante o artigo. Obrigada pelas informações.

  53. Aparecida luzia da silva 3 meses atrás

    Bom fazer parte deste saber. Abrange meus conhecimentos 3xclarec3ndo dúvidas.

  54. Gleisse 3 meses atrás

    Muito enriquecedor eu como mãe estou aprendendo muito com vcs .Obrigada por dividir seus conhecimentos🎓🎓📖

  55. Iara Lima 3 meses atrás

    O TDAH,juntamente com o DPAC causam esse atraso ao desenvolvimento cognito? E se SIM,em que sentido?

  56. Gleisse 3 meses atrás

    😀

  57. Simone 3 meses atrás

    Adoro estar tendo acesso à estas informações ,pois trabalho na área da educação e elas são muito valiosas, pois a cada dia surgem novas descobertas.

  58. Grace Santos 3 meses atrás

    Infelizmente a maioria das crianças que apresentam sinais de disfunção comportamental nos primeiros anos não recebem a devida atenção dos pais, que muito provavelmente não detem de conhecimento suficiente para identifica-lo, e de educadores das escolas infantis e creches. Acredito que quanto antes identificado tal comportamento, melhor e mais eficiente serão os métodos pedagógicos e tratamentos médicos (quando for a indicação) que podem obter um resultado mais eficiente para o sucesso da leitura e escrita, por exemplo, nos anos seguintes de alfabetização. Neste sentido, é muito importante que pais e professeores estejam atentos aos sinais que caracterizam este comportamento.

  59. Adelina 3 meses atrás

    Tenho lido e assistido os vídeos de vocês. Estão me ajudando muito em minha prática.

  60. Rosana Botari 3 meses atrás

    Muito interessante e informativo esse artigo, acrescenta mais conhecimento sobre o tema que é de vital importancia para trabalhar com crianças, parabéns.

  61. Oracelia Da Silveira Lamberty 3 meses atrás

    O artigo esta o ótimo, pois mostra a importância de perceber a criança em toda sua plenitude. A criança o adolescente, ou seja, os aluno precisa ser percebido e observado nos seus mínimos detalhes, para assim evitar futuros transtornos, prevenindo a família e principalmente oportunizando uma melhora de vida para esse aluno, com isso mostrando que tem tratamento e que algo ainda dá para ser feito. A tempo para tudo é só observar e encaminhar para os profissionais adequados.

  62. Maria Lucia Pasqualetto Bueno 3 meses atrás

    Parabéns Luciana, pelo seu artigo. Escrito de forma acessível e compacta, mas que vem ao encontro dos educadores, clareando muitas dúvidas.

  63. Rosymar Fernandes 3 meses atrás

    Muito interessante o texto,. Tenho observado constantemente em sala de aula a importância de estimulação das crianças na educação infantil, e como algumas têm chegado ao fundamental sem terem trabalhado algumas questões importantes.

  64. Lorena Camargo Carneiro 3 meses atrás

    Parabéns!!!!

  65. Tatiana D.O.Mello 3 meses atrás

    Gostei muito do conteúdo acho muito importante a intervenção precoce através da estimulação adequada conseguimos avanços importantes e um prognóstico positivo no tratamento dos pacientes.

  66. Genilza Maria da Silva 3 meses atrás

    Amei a informação,ajudou bastante a tirar minhas dúvidas,obrigada a equipe da neurosaber.bjs

  67. Estela 3 meses atrás

    Mt bom o texto.
    Meu aluno no 1°ano( alfabetização) n identifica letras, sons, números, n tem coordenação. Só risca.

  68. Luzia 3 meses atrás

    O que mais me preocupa, são as pessoas que estão em sala de aula com nossas crianças. Tenho percebido qua a maioria das crianças chegam ao quinto ano sem saber ler, escrever, interpretar… sem saber as quatro operações. Isso [e preocupante, pois são pessoas despreparadas tendo como único objetivo o salário no final do mês, Enquanto nossas crianças e adolescentes caminham rumo a porta da evasão escolar.
    Encontrei pais desesperados achando que seu filho não queria saber de estudar, era preguiçoso… Após acompanhamento com o mesmo, chegamos a conclusão que o mesmo estava devendo uma visita ao oftalmologista. Estaria tudo resolvido se não o despreparo por parte de alguns colégios.
    OBS: Muito cuidado com o diagnóstico, profissionais e família tem que caminhar juntos. Educação não é profissão e sim um dom.

  69. Adenilson dos Reis 3 meses atrás

    Boa noite,
    As informações transmitidas por vocês através de videos conferências, artigos, palestras e outras tantas informações passada para nós tem sido muito úteis. Muito Bom. O maior problema atualmente são os pais, em não aceitar algumas intervenções ou cobrar algo fora do alcance cognitivo da criança.

  70. Soraya 3 meses atrás

    Luciana muito obrigada por compartilhar este artigo, pois sou professora de educação infantil e este seu artigos só veio reforçar o que eu venho alertando alguns pais.Muito obrigada mesmo

  71. Jescilda 3 meses atrás

    Olá. este artigo sobre o desenvolvimento infantil fortalece a minha convicção em observar atentamente todos os aspectos relacionados ao desenvolvimento das crianças, considero todos esses aspectos igualmente, importantes, visto que o não funcionamento de um interfere diretamente no desempenho dos outros. Costumo observar e estimular meus alunos nas rodas de atividades, a fala, a argumentação, a forma de pensar das crianças, bem como nas brincadeiras, em diversas atividades que exigem das crianças a capacidade de falar, se movimentar, se adaptar/integrar ao meio, avançar constantemente nas habilidades e competências que se espera de cada faixa etária/ grupo. Acredito que só conseguimos ter êxito em nossas ações enquanto professor quando conseguimos aliar conhecimentos pedagógicos a conhecimentos científicos, e assim, intervir adequadamente quando necessário.

  72. Cíntia regina 3 meses atrás

    Amei o assunto sobre o desenvolvimento cognitivo infantil.Sou professora é trabalho com a turma do G4 e me deixou alerta sobre muitas atitudes das crianças.

  73. linda gloria monteiro soyza 3 meses atrás

    PARABÉNS PELOS CONTEÚDOS.

  74. Joana 3 meses atrás

    Achei que esse trecho resume todo o assunto abordado, pois um diagnóstico precoce permite ao educador, pais ou outros profissionais da área, uma tomada de atitude que venha auxiliar no desenvolvimento cognitivo e também físico da criança! “A identificação precoce de sinais que podem sugerir problemas no desenvolvimento da criança abre espaço para remediações e correções interventivas, as quais vão induzir a construção de competências que outrora não se cristalizariam sem a devida estimulação.”

    • MariaElisa 3 meses atrás

      Muito bom seu artigo.Obrigada !

    • Maria Elisa 3 meses atrás

      Muito bom seu artigo.Obrigada !!

  75. Isabel Cristina 3 meses atrás

    Gostei muito das informações, pois é muito importante ter um olhar mais apurado com os nossos alunos e assim conseguir identificar algo errado para um possível diálogo com os pais e intervenção.

  76. Carina Cruz 3 meses atrás

    Texto didático e de fácil entendimento. Parabéns!!!!

  77. Wania 3 meses atrás

    Estou adorando os textos todos muito bem explicativo.

  78. magda furtado 3 meses atrás

    achei ótimo o curso

  79. Maria LIns 3 meses atrás

    Ola meu nome e Maria Lins, sou professora sou formada em pedagogia, historia e geografia estou concluindo outra especialização em psicopedagogia clinica, instrucional e hospitalar. Estou trabalhando numa creche nas turmas de infantil quatro e cinco. Onde me depara todo dia com crianças com comportamentos estranhos, ja na educação infantil. mediante essa fadiga de incapacidade para acompanhar ou compreender esse pequenos revolvi estudar e fazer mais essa especialização. porem tenho um caso que estar me tirando o sono. na turma do infantil cinco tem uma aluno, que e bastante inteligente pega todas as explicações de uma só vez, faz todas as tarefas, já reconhece todo alfabeto, as famílias alfabética; ba..fa.. ra… . conhece os números e palavras nomossíilabas. mas tem um comportamento agresivo. em nenhum momento pode deixa-lo na roda porque ele ta sempre batendo, agredindo alguem. E notório que sua mãe não consegue lhe por limites. ela justificar o fato de não ter marido, de trocar sempre de namorado, em fim eles tem uma vida desestruturada. ele quer
    que faço um relatorio que justifique um consulta com um neurologista. E agora me gente como faço ?isso?

  80. Regina Célia 3 meses atrás

    Gostei muito do artigo. Muito sintético, mas esclarecedor.

  81. Alexandra Regina da Costa 3 meses atrás

    Muito boa a matéria! Leitura clara e direta. Muito obrigada por esses esclarecimentos.

  82. Priscila Pereira 3 meses atrás

    Muito bom o texto de fácil compreensão, precisamos cada vez mais nos informarmos a respeito desses distúrbios para que possamos saber lidar com essas crianças nos diversos espaços da sociedade.

  83. Hermínia Medrado 3 meses atrás

    Gostei muito do texto. Ele é direto e claro, traz consigo um alerta para os profissionais mas principalmente para os pais. um grande abraço e muito obrigada pela colaboração. que Deus abençoe vocês.

  84. Cristiane 3 meses atrás

    Obrigada pelo texto. Realmente muito esclarecedor e objetivo.

  85. Maristela Viegas 3 meses atrás

    OS TEMAS ABORDADOS SÃO MUITO IMPORTANTES PARA NÓS PROFESSORES , POIS NOS FAZ APRENDER CADA VEZ MAIS SOBRE VÁRIOS TEMAS , QUE DIFICILMENTE SÃO ABORDADOS NA GRADUAÇÃO . E QUE SÃO MUITO IMPORTANTES PARA O NOSSO CRESCIMENTO .

  86. Luzia Neves 3 meses atrás

    Excelente abordagem.

  87. MARIA RAIMUNDA SILVA SANTOS 3 meses atrás

    Conteúdo bem explicado,adorei.

  88. MARIA RAIMUNDA SILVA SANTOS 3 meses atrás

    Adorei o conteúdo,muito bem explicado.

  89. Tatiane 3 meses atrás

    Gostei muito da abordagem do artigo. Leitura clara e muito proveitosa. Obrigada por compartilhar!!!

  90. Suzi 3 meses atrás

    Excelente texto, com palavras claras e objetivas de fácil compreensão , vai me ajudar bastante no dia a dia a observar algumas dificuldades em determinados alunos.

  91. Elaine dias 3 meses atrás

    Muito bom todos os textos que recebi até agora é só tenho a agradecer, isto td vai me ajudar muito na monografia da minha pós graduação em neuropedagogia e psicanálise infantil.

  92. Regina maura 3 meses atrás

    bom dia Luciana adorei o texto ,acredito que é muito importante as intervenções pontuais no desenvolvimento da criança especialmente na parte cognitiva .

  93. Joraya Salvador 3 meses atrás

    Olá Lú, muito bom o texto. Adoro textos em formato de hipertexto, possibilita mais conhecimento com maior facilidade. Parabéns, quero mais. Bjs

  94. GERALDO DONIZETTI CATTAI 3 meses atrás

    Excelente artigo!!

  95. Lilian 3 meses atrás

    Excelente artigo. Trabalho como professora de sala de AEE e temos orientado os pais a necessidade de uma avaliação, diagnostico e atendimento precoce. Tanto os pais, como a escola deveriam se atentar para isso. E este é um assunto que deveria ser mais divulgado.

  96. Andreia Magalhães 3 meses atrás

    Olá Luciana,
    A palavra da vez, segundo o seu texto é atenção a todos os sinais que a criança apresentar. Eu concordo com isso, muitas vezes um atraso motor ou na fala vai passando despercebido e esperasse que seja superado com o tempo. Sendo que a identificação precoce ajudaria muito no diagnostico e tratamento correto.
    Parabéns pelo texto!
    Até mais

  97. Rosiani Mara Soares Machado 3 meses atrás

    Olá Luciana.
    Muito bom o artigo, parabéns pelo trabalho que está nos ajudando nessa longa caminhada!
    Nós que convivemos diariamente com crianças com transtornos e dificuldades nos deparamos com um outro problema, o reconhecimento da escola em relação ao aluno.
    Muitas insistem que aquele aluno não tem transtornos e/ou dificuldades nenhuma e que deve ser dado o mesmo tratamento e atenção que os outros. Mas, só quem convive diariamente e bem perto como o professor sabe que aquele indivíduo necessita de algo a mais. E, como fazer com a escola nestes casos? as vezes, por não ter uma assistência especial o aluno não desenvolve e a escola culpa o professor. Por isso, vejo bons professores desmotivados e pensando em desistir, pois a escola não assume que deveria dar um atendimento diferenciado aquele aluno e joga as responsabilidades para o docente?!

    grata

    Rosiani Machado

  98. Jusiana Vitali Forgiarini - Psicopedagoga 3 meses atrás

    Bom texto!
    Ansiosa pra aprender sempre mais!

  99. Maria Cristina Quaresma e Silva 3 meses atrás

    Texto acessível e de fácil compreensão. Gostei muito da leitura. É importante nós termos conhecimentos sobre o desenvolvimento infantil e como intervir, caso seja necessário.

  100. Roseli dos Passos Bento (Rose) 3 meses atrás

    Li e gostei muito ,você Luciana é muito competente e clara nas suas colocações,para mim foi mais um aprendizado ,a necessidade de nós educadores estarmos mais informados sobre o assunto, e poder identificar precocemente esses sinais,pode auxiliar nossas ações quanto ao aprendizado dos nossos alunos.

  101. Rosita H S pereira 3 meses atrás

    Como se sabe quanto mais estimulação desde cedo a criança tem oportunidades de um grande desenvolvimento. Infelizmente agora que é lei a criança frequentar a escolinha. O nosso país está muito atrasado em relação a educação.Não pelos profissionais mas devido a desvalorização no geral quanto a essa área tão significativa para o ser humano. Abração.

  102. Ana Luisa 3 meses atrás

    Muito bom texto.Muito esclarecedor com ótimos conteúdos.

  103. Clarice dos Santos Silva 3 meses atrás

    Realmente um texto muito claro onde exemplifica e facilita muito nossa interação tanto como profissional quanto como mãe. Eu mesma já tive essa fase com meus filhos de grande observação e de abranger bastante a interação deles c todo o Universo de curiosidades e acho muito importante sempre utilizar coisas adequadas a cada fase (idade) contribui melhor…

  104. Jihane 3 meses atrás

    Excelente texto, próprio para compreender o desenvolvimento cognitivo infantil.

  105. Lourdes sotero 3 meses atrás

    Quero parabenizar e agradecer, pelo conteúdo esclarecedor que nos possibilitam adquirir conhecimentos. Como estudante de psicologia, estes textos tem sido de grande relevância. Obrigada.

  106. Iara Amaral 3 meses atrás

    Ótimo conteúdo! Com certeza vai me ajudar na prova no dia 24/09.
    Fala exatamente da matéria que estou estudando de uma maneira simples e objetiva.
    Obrigada.

  107. SOLANGE 3 meses atrás

    Adorei , trabalhar com este tema , além de auxiliar o professor, proporciona vir a tona o real direito de qualquer pessoa.No seculo XXI, faz se necessário quebrar todos os obstáculos, a fim de contribuir com uma conscientização ao direito de todos.

  108. Júlia Alcídia 2 meses atrás

    Obrigada, gostei muito do artigo.

    • Delma Honorio da Silva Lopes 2 meses atrás

      Excelente!!!

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

©2016 NeuroSaber todos os direitos reservados.

Desenvolvido por:  Agência Primage

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?