Entenda o que é o Transtorno Opositivo-Desafiador (TOD) - Artigos | NeuroSaber

Entenda o que é o Transtorno Opositivo-Desafiador (TOD)

TOD

Quem de nós nunca se deparou com uma criança extremamente opositiva, desafiadora, que discute por qualquer coisa, que não assume seus erros ou responsabilidades por falhas e que costuma sempre se indispor com os demais de seu grupo ou de sua família de maneira a demonstrar que a cada situação será sempre difícil convencê-lo, mesmo que a lógica mostre que suas opções estão evidentemente equivocadas? Se você conhece uma criança assim, provavelmente ela tem Transtorno Opositivo-Desafiador.

[+] Inscreva-se para o aula online gratuita: Entendendo Transtorno Opositivo-Desafiador

Tal quadro leva a severas dificuldades de tempo e de avaliação para analisar regras e opiniões alheias e intolerância às frustrações, levando a reações agressivas, intempestivas, sem qualquer diplomacia ou controle emocional. Essas crianças costumam ser discriminadas, perdem oportunidades e desfazem círculos de amizades. Não raro, sofrem bullying e são retiradas de eventos sociais e de programações da escola por causa de seu comportamento difícil. Os pais evitam sair ou passear com elas e muitas vezes as deixam com parentes ou em casa. Entre os irmãos, são preteridos, mal falados e considerados como “ovelhas negras” tratados, assim, diferentes e mais criticados pelos pais.

Os sintomas podem aparecer em qualquer momento da vida, mas é mais comum entre os 6 e 12 anos. A associação com TDAH é frequente (50% dos casos), deve ser observada e investigada em todas estas crianças para que sejam tomadas as medidas necessárias, a fim de prevenir problemas de aprendizagem e baixo rendimento escolar. O ambiente doméstico costuma ser conturbado, com pais divergentes quanto ao modo de educar e conduzir o (a) filho (a) e de como estabelecer parâmetros, mas evidências mostram que existem fatores genéticos e neurofisiológicos predispondo o seu desenvolvimento.

[+] Inscreva-se para o aula online gratuita: Entendendo Transtorno Opositivo-Desafiador

O tratamento desta condição é multidisciplinar e depende de três eixos: medicação, psicoterapia comportamental e suporte escolar. A medicação auxilia em boa parte dos pacientes e melhora a auto-regulação de humor frente às frustrações; a psicoterapia deve centrar em mudanças comportamentais na família com medidas de manejo educacional (dar bons exemplos, dialogar com a criança, ter paciência ao falar, explicar o motivo das ordens dadas, etc.); e, em relação ao suporte escolar, deve-se oferecer apoio, reforço e abertura para um bom diálogo, pois esta abertura melhora o engajamento do aluno opositor às regras escolares e a se distanciar de maus elementos.

22 Comentários
  1. Milene 4 meses atrás

    Boa tarde!
    Consta que o TOD pode ter uma relação com aspectos neurofisiológicos! Em que áreas cerebrais estaria mais ativadas ou menos ativadas nestas crianças? O neurotransmissor responsável seria o aumento dos níveis de cortisol?

    • Luciana Brites 4 meses atrás

      Milene receptor Serotoninérgico pós sináptico, poderia ser hipersensível, os índices de cortisol são mais baixos. Abraços

  2. Rosangela Oliveira 4 meses atrás

    Meu nome é Rosangela. Tenho um filho de 16 anos diagnóstico de TDHA + deficit de atenção e bipolar. Já trato dele desde os 4 anos. Mas com o tempo só vem piorando, me desafia, as dificuldades com a escola só aumentou. Diz que estuda por que é obrigado. Esconde resultados de notas baixa, mente muito, não aceita o não tem dixuldades com as matérias de exatas. Ele é acompanhado pelo neurologista e uma psicopedagoga toma dois remédios Venvance de 50 mg e Queropaz de 25mg. Já tomou outros como conserta ,ritalina e riss mas não estava adiantando. Agora com o Venvance comeu a emagrecer muito e a escola relata que continua disperso e ansioso e as notas uma montanha russa. Já não sei mais o que fazer e pensar. Ele fez um teste neuropsicológico que acusou o TDHA com Deficit de atenção e bipolar e transtorno de comorbidade e muitos prejuízos.na área cognitiva. Ele estuda em uma escola regular. Por favor me dêem uma opinião será que estou com a medicação correta? Será que falta algo?

    • Luciana Brites 4 meses atrás

      Rosangela, penso que se não está havendo evolução satisfatória o tratamento deve ser revisto, converse com seu médico se esta medicação é a mais indicada e também com a Psicopedagoga, para ver onde estão os maiores prejuízos, se estão no âmbito acadêmico ou comportamental! Abraço e Obrigado!!

  3. Ana 4 meses atrás

    É possível que esse transtorno seja uma comorbidade do TEA?

  4. Alessandra de Azevedo Pereira 4 meses atrás

    Tenho um filho de 4 anos com essas mesmas características. E ele tem sofrido na escola e o pior não é com os colegas é com a professora e com a direção da escola. Até suspensão ele já ganhou.O que faço??

    • Luciana Brites 4 meses atrás

      Primeiramente procure um médico para fechamento de Diagnóstico. Abraços

  5. Gislane 4 meses atrás

    Gostaria de saber se TOD tem cura.

  6. marta 4 meses atrás

    Meu filho tem 19anos teve dificuldades desde os 3 anos já fez tratamento com psicológica psicopedagógico neurologista psiquiatra tomou vários medicamentos mas nenhum médico fez um exame mais preciso.sofreu bule na escola foi roubado várias vezes .E tem muita dificuldade. social. sem as pessoas entender usam a inocência dele.para prejudicar. Esta preso foi usado por uma mulher. E já apresentei todos os laudos para a juíza e ela não absolve ele para o tratamento.

  7. Sylvia Camargo Margarido 4 meses atrás

    Lendo sobre o assunto, tive a certeza que meu marido sofre de TOD, pelo que seus pais disseram ele começou a ficar nervoso, dono da razão e todos os sintomas descritos acima, acabou que não tem amigos e nem a família gosta dele, irmãos país filhos… Eu já não aguento mais, acabamos por ficar isolados, ninguém nos visita, é muito triste mas ele
    Não se acha com
    Problema. Ainda dá pra reverter este quadro?!

  8. Odileuza 3 meses atrás

    Bom dia,tenho um filho de sete anos, que de uns tempos pra cá v apresentando após uma crise de ansiedade comportamento desafiador,agressividade acha que estamos contra ele quando tentamos conversar,ele mudou como da água para o vinho,ja era uma criança agitada mas agora está difícil de lidar pois não é apenas birra já que ele não fazia antes.Que profissional devemos procurar para fazer um diagnóstico?

  9. Taísa 3 meses atrás

    Boa tarde!
    Tenho um filho de 3 anos e 9 meses e a pouco mais de 1 mês foi diagnosticado TOD, por uma psiquiatra muito renomada da cidade onde moramos. Estou buscando uma terapia pois meu psicologo advertiu que enquanto eu e meu marido não falarmos a mesma língua, de nada vai adiantar os tratamentos. Gostaria de saber mais a respeito desse transtorno, preciso de mais conhecimento para aprender a lidar com meu filho e meu marido.

  10. Beatriz Almeida 2 meses atrás

    Meu filho de 12 anos é autista e passou a ter esse tipo de comportamento agora, depois de grande. Está tendo crises de irritabilidade e agressividade. Precisou mudar de escola por conta de sua impulsivo da de e com frequência me agride física e verbalmente quando é contrariado ou sem qualquer outro motivo. Ele pode estar apresentando o TOD ou essa é uma das características do TEA? Pois ele não era assim, sempre foi muito calmo e tranquilo.

  11. almerinda cristina da luz dias 2 meses atrás

    olá, sou pedagoga com especialização em educação especial, trabalho em uma escola para autistas AMA de Criciúma Santa Catarina, tenho um aluno que foi diagnosticado com TOD, porém ele é autista e não verbal, todas as dicas acima são ótimas mas para uma criança tipica agora com o transtorno a abordagem teria que ser diferenciada, por tanto gostaria de saber qual seria a abordagem mais corretas, obs: o educando é agressivo e se auto agride.

  12. Monica 1 mês atrás

    Preciso de ajuda,tenho um filho de 4 anos que foi diagnosticado com TDH comorbidade TOD,toma Ritalina,e faz tratamento com Psicólogo,mas continua agressivo com colegas de escola primos amigos.Não sei mas o que faço!

  13. Priscila 3 semanas atrás

    Olá, meu filho tem 8 anos é muito agrecivo comigo e o pai desde os 5 anos, achei q era uma fase e com o tempo ía passar, mas só piorou, nunca tive reclamações da escola q ele frequenta desde os três anos, ele é bem sociável, a professora diz q ele conversa bastante apesar de ser tímido. Recentemente estou levando ao psicologo q diz q ele pode ter TOD, e pediu uma avaliação tbm de um neuro.. Sofro muito com isso…não sei o q fazer…

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

©2016 NeuroSaber todos os direitos reservados.

Desenvolvido por:  Agência Primage

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?