Mitos e Verdades Sobre o TDAH - Artigos | NeuroSaber

Mitos e Verdades Sobre o TDAH

TDAH

Em tempos de discussões acerca do desenvolvimento da criança, muitas pessoas procuram se informar sobre o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). No entanto, é preciso esclarecer algumas informações que acabam por elaborar impressões equivocadas em torno de um quadro que merece total atenção. Com os esclarecimentos que daremos a seguir, o tratamento de uma pessoa vai ser bastante eficaz, além de quebrar preconceitos de quem convive com uma criança diagnosticada com o TDAH.

Vale ressaltar que o TDAH é um transtorno neurobiológico e tem uma grande incidência em meninos. Estes, por sua vez, são caracterizados pela hiperatividade e impulsividade. Quando o TDAH é diagnosticado em meninas, as pacientes apresentam um quadro diferente, pois elas ficam desatentas e não agitadas como os meninos. Veja mais informações aqui.

[+] Baixe o E-book: Mitos e Verdades Sobre o TDAH

– O TDAH impossibilita a criança de ter uma vida normal?

Mito. É preciso destruir a barreira do preconceito. A informação é o melhor caminho. Uma criança que é diagnosticada com o transtorno deve receber tratamento específico e multidisciplinar (com psicopedagogos, psicólogos, fonoaudiólogos, etc.); além disso, cada caso deve ser olhado com atenção, pois cada paciente apresenta uma necessidade e uma demanda diferente para os profissionais.

– Pessoas com TDAH são menos inteligentes que as outras?

Mito. Eis aí algo que precisa ser esclarecido: uma pessoa diagnosticada com TDAH que recebe o devido acompanhamento e tratamento tem a inteligência normal e até acima da média, com desempenhos surpreendentes. Embora os portadores do transtorno apresentem alteração na concentração, eles podem ter o rendimento normal dentro de sala e no ambiente de trabalho.

– As características mais marcantes do TDAH são a hiperatividade, a desatenção e a impulsividade?

Verdade. Por ser um transtorno neurobiológico, os traços característicos do TDAH precisam ser notados também em dois ou mais ambientes de convívio do portador, como o familiar e o escolar. Esses lugares são determinantes para perceber o comportamento da criança para que, a partir disso, ela seja acompanhada e encaminhada ao tratamento que será eficaz.

– O diagnóstico é difícil?

Verdade. Como há muita confusão acerca do TDAH, muitos pais e educadores pensam que o transtorno se trata de outro caso: ansiedade, dislexia, preguiça em raciocinar; problemas educacionais e problemas de criação. A falta de informação adequada faz com que muitos pais procurem auxílio de um especialista tardiamente, o que pode prejudicar a qualidade vida da criança, principalmente quando esta chega à adolescência ou à fase adulta.

– O TDAH pode vir em qualquer fase da vida?

Mito. O transtorno surge na infância e tem raízes hereditárias. No entanto, pode acontecer de um adulto ser diagnosticado com um TDAH que o acompanha desde criança.

– Tratamento em adultos é ineficaz?

Mito. A partir do momento em que é diagnosticado em um adulto, o tratamento pode reverter situações que prejudicam o adulto diagnosticado, como depressão, problemas de socialização, entre outros.

– O TDAH causa comorbidades?

Verdade. O transtorno vem acompanhado de doenças relacionadas, como aquelas que afetam a função neurológica e sistêmica e que podem influenciar no aprendizado. Por isso a importância do tratamento precoce.

– Quanto antes for diagnosticado, melhor para a criança?

Verdade. Quando uma pessoa é diagnosticada com o TDAH na infância, entre 7 e  9 anos, os tratamentos surtem efeitos muito bons, pois além do acompanhamento individualizado e que atenda caso a caso, a readaptação e o estímulo da família tendem a ajudá-la imensamente. Os medicamentos são importantes, mas a presença dos familiares e dos especialistas é fundamental.

13 Comentários
  1. Sandra martins 4 meses atrás

    Boa tarde! Nesse artigo diz q meninas não são agitadas, porém minha filha foi diagnosticada e é muito agitada…por favor me explique.

    • Luciana Brites 4 meses atrás

      Sandra, geralmente as meninas são mais quietas e desatentas, mas não é regra, existem meninas hiperativas, abraços!

  2. Milene 4 meses atrás

    Boa tarde!
    Quais seriam as comodidades associadas ao TDA-H?
    Teria algum exame neurológico para ajudar no diagnóstico, tipo Eletroencefalograma?
    Obrigada

    • Luciana Brites 4 meses atrás

      São Várias, temos uma aula no Youtube Canal neurosaber sobre TDAH, dá uma olhada, abraços!

  3. Ana Paula Belarmino 4 meses atrás

    Tenho um filho de 05 anos que é muito agitado, ao mesmo tempo que come brinca, está vendo TV e ligado no que conversamos, não aceita ser contrariado, uma ansiedade terrível, a professora vive reclamando do comportamento em sala de aula. Ele tem acompanhamento de uma Musicoterapeuta que disse que ele tem características do TDAH, mas que não fecha o diagnóstico, a pediatra diz que não devemos medicar, já não sei o que fazer pois vejo o sofrimento dele e o nosso também, as vezes evito sair de casa, frequentar festas, enfim estou muito confusa. Como mãe penso que ele é hiperativo, mas não sou profissional da área, me ajudem por favor.

    • Luciana Brites 4 meses atrás

      Ana Paula, peço que assita nossa aula sobre TDAH no nosso canal do Youtube NeuroSaber. Abraços

  4. Deyde Daiana 4 meses atrás

    Tenho um filho de sete anos, tem dado muito trabalho na escola, já levei ao neuro pediatra e foi diagnosticado com hiperatividade, mas a psicóloga que o acompanha discoda, diz que ele tem dificuldade comportamental e mandou que eu tirasse o medicamento o que fazer me ajudem.

  5. Kely 3 meses atrás

    Gostaria de saber se é possível melhorar os sintomas e a qualidade de vida de crianças com TDAH sem o uso de medicamento ou se sempre há a indicação de medicamento.

  6. Tatiane 3 meses atrás

    É uma Situação complicada.. percebo que meu filho se 11 anos tem muita dificuldade de concentração ,ansiedade e dificuldades em raciocínio. Porém a escola disse que não vê ele como um aluno con TDA..mesmo ele com notas baixas , acham que é preguiça dele.. e analisando, desde quando ele tinha 6 anos a professora já relatava que ele se distraia fácil, porém nunca encaminharan para diagnóstico médico, hj que me formei em Pedagogia e lendo muito sobre o assunto ,acredito que ele faça parte desse grupo de Tdh.. fico sem saída por não saber a quem recorrer. . Alguma sugestão?

  7. Cyntia 2 meses atrás

    Olá! Tenho um filho adolescente com tdah … agora estou preocupada com o caçula de 6 anos … se alfabetizou facilmente, mas a professora relata sua falta de atenção e dificuldades em matemática … em sala de aula não é agitado, mas em casa sim … pode ser deficit de atenção ou imaturidade ?

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

©2016 NeuroSaber todos os direitos reservados.

Desenvolvido por:  Agência Primage

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?