Alfabetização no Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Hoje começaremos nosso blog com um assunto bem polêmico!! Alfabetização no TEA, como acontece??

Bem em primeiro lugar temos que avaliar o nível cognitivo, psicopedagógico e funcional, pois cada quadro dentro do TEA é singular e deve ser tratado com particularidade.

Torna-se importante ver se dentro daquela pessoa com TEA a alfabetização é o aspecto mais importante!! Muitas vezes as atividades de habilidades sociais e de Atividade de Vida Diária (AVD) tornam-se mais importante do que a aquisição da leitura e escrita, principalmente em quadros mais graves do TEA. Lógico que uma decisão dessa deve sempre levar em conta uma avaliação multidisciplinar em conjunto com família e escola, tendo como objetivo uma melhor qualidade de vida para quem é a pessoa mais importante desta história: a pessoa com TEA!

Compartilhe este artigo

Comments 27

      1. NeuroSaber Responde
  1. Gostaria de mais estudos sobre o TEA,LEVE,MODERADO E SEVERO.SOBRE MEDICAÇÕES TRATAMENTOS TERAPÊUTICOS E ALIMENTAÇÃO.

  2. faz 5 anos que atendo crianças e adolescentes com TEA. Todos estão se alfabetizando e alguns no ensino médio.
    Procuro sempre associar a parte comportamental com PECs e eles tem palavras escritas. Então dependendo do quadro eles conseguem aprender a se comunicar através das letras e imagens, especialmente os que apresentam dificuldade coma a fala. Desenvolvo consciência fonológica através de uma metodologia fônica, articulatória e sensorial. priorizo nos primeiros anos a parte de comandos, organização na execução de atividades e outras questões comportamentais e faço o elo entre a família, escola e atendimento multidisciplinar. Tem dado muito resultado positivo.
    Percebo que a maioria gosta de escrever no computador.
    Porém está funcionando com o quadro leve e grave. Nunca esteve na Sala de recursos um quadro severo, até agora.

  3. CONCORDO A FAMÍLIA PRECISA CAMINHAR JUNTO COMO BASE PARA MONTAR A ESTRUTURA MULTIDISCIPLINAR. ORGANIZAÇÃO E O PRINCIPAL FOCO PARA INICIAR A APRENDIZAGEM .

  4. Tenho dificuldade em trabalhar com autista. Gostaria de mais informações sobre autismo(como trabalhar leitura e escrita ) com eles.

  5. Gostaria de saber como ajudar meu neto com autismo espectro ele está no segundo ano fundamental tem sete anos eu estou vendo muita dificuldade em escrever já que ele não segura o lápis corretamente não sei como. Posso ajudá lo ele fica bastante nervoso na hora dos exercícios preciso de uma orientação pois sou avó que cuido dele é estou muito preocupada.em.nao poder ajudalo

  6. O serviço público necessita ser orientado quanto aos casos de inclusão dos TEAS, pois vejo nas escolas alguns casos onde necessitam de atendimento especializado o tempo todo. Nesses casos o professor especialista precisa atuar “JUNTO” do professor de ensino regular,como já acontecesse há anos em outros países.

  7. Sou psicóloga e professora de Sala de Recursos do município de Maceió -Al e posso informar que em nossa capital a inclusão ocorre, lógico que temos dificuldades, mas nós, profissionais da educação especial recebemos formação mensal e buscamos sempre trabalhar em parceria com os professores de sala regular e com os profissionais da saúde. Dificuldades. .. sempre… mas buscamos supera-las com esforço e dedicação.

  8. Meu sobrinho que crio foi diagnosticado com TEA aos 6 anos de idade, hoje ele tem 8 anos. O autismo dele é leve, porém, na escola ele não fica na sala de aula,aparece não gostar de estudar; nenhum professor até hoje conseguiu que ele executasse as tarefas de escola, faço tudo isso em casa, com muita dificuldade consigo, mas não dá para acompanhar devido a grande quantidade de tarefas que ficam acumuladas. Hoje ele lê, ruim e, escreve só com letras de imprensa maiúscula. O que fazer para ele gostar de estudar, praticar leitura?

  9. Escola e família devem andar juntas para obter bons resultados com crianças que apresentam transtorno comportamental ou mesmo dificuldade de aprendizagem. Nunca trabalhei com indivíduo portador do espectro autista, mas sei que é difícil principalmente se este apresenta um grau mais elevado. Todavia tive uma aluna com Síndrome de Down, ´de idade de 7 anos sem nenhuma noção do que é letra ou número, precisando ser alfabetizada o que não foi fácil, pois também os colegas não não o aceitavam. Foi preciso todo um trabalho de intervenção para que a turma o acolhessem. E eu na época sem nenhuma experiência nesse tipo de atendimento, tive que pesquisar, procurar ajuda a fim de que ela também avançasse.
    Achei excelente a iniciativa da realização desse curso voltado para os profissionais da educação, pois é sempre bom receber orientações que irão ajudar o nosso trabalho.

  10. Sou Rosana aqui de Manaus e trabalho em escola de Educação infantil pelo município e temos 5 crianças com TEA e estes artigos estão sendo muito bons

  11. Acredito que todas as informações trazidas nos textos são muito válidas para nós educadores. Sabemos que a escola ideal esta um pouco distante da nossa escola real, pois percebemos a falta de informações e recursos para os professores que trabalham com inclusão e muitas vezes estão com base no “achismo”.
    O site oferece a oportunidade de aprendermos ainda mais…e claro, entrelaçarmos a teoria e pratica cientificamente.
    Parabéns a toda equipe!!!

    1. NeuroSaber Responde
  12. Boa tarde. Tenho uma aluna com autismo severo e eu não consigo desenvolver nenhuma atividade com ela. Como deve proceder?

    1. NeuroSaber Responde
  13. Boa noite ou melhor bom dia. Gostaria muito de saber tudo sobre TEA Leve e moderado.
    Preciso muito de aprender sobre estes dois tea . Sei que vcs: irão me atender

    1. NeuroSaber Responde
  14. Bom tarde!
    Tenho um aluno autista com agressivo ele tem o interesse em caderno e rasga tanto o dele como os do colegas, não sei o que fazer…….Ou seja não sei por onde começar. Ele não se o interessa por nada. É só o que ele quer e se não ser joga tudo no chão nas pessoas
    Socorro

    1. NeuroSaber Responde
  15. Oi!Eu me chamo Maria do Socorro moro em Fortaleza venho acompanhando de perto o trabalho de vocês. Gostaria que vocês preparassem um video voltado para a educação infantil com atividades que poderiamos desenvolver com crianças apartir de 2anos que tem autismo.Estou sempre criando jogos e brincadeiras mas fico com dúvidas do que devo priorizar nesta idade.Precisando de ajuda urgente.

    1. NeuroSaber Responde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *