Deficiência Intelectual

Alunos com deficiência intelectual devem ter horários e planos de ensino diferenciado?

Pais e responsáveis de pessoas com deficiência intelectual vivem com alguns dilemas, sobretudo na hora de matricular as crianças ou adultos em uma escola. Uma dessas indecisões está na seguinte situação: a instituição disponibiliza horários e planos de ensino diferenciado?

Como existem escolas com metodologias diferentes, não é aconselhável falar por todas. No entanto, o que se sabe é que os centros educacionais têm a obrigação de adequar o ensino para os alunos que apresentam deficiência intelectual.

A adaptação está prevista em leis recentes que asseguram o direito dessas pessoas. Veja a seguir algumas resoluções conquistadas ao longo dos anos, principalmente após a promulgação da Constituição de 1988.

O que está garantido?

– A Resolução CNE/CBB n°2 (2001) institui as diretrizes nacionais voltadas para a educação especial na educação básica. O documento garante a matrícula de todos os alunos em sistemas de ensino, cabendo às instituições a organização para atender estudantes com necessidades especiais, assegurando as condições necessárias para uma educação de qualidade universal, sem qualquer distinção entre os alunos;

– O Parecer CNE/CP n° 9 (2001) estabelece a educação básica como inclusiva a fim de suprir a demanda de estudantes com deficiência intelectual e outras necessidades. Este ponto, especificamente, refere-se às pessoas especiais que estudam em turmas comuns;

– A Resolução MEC CNE/CEB n°4 (2009) constitui as diretrizes operacionais voltadas para o atendimento educacional especializado (AEE) na educação básica, modalidade ensino especial. O documento estabelece que o AEE deve ser oferecido no turno inverso da escolarização, principalmente em salas de recursos multifuncionais da própria instituição ou em outra escola de ensino regular.

Importante ressaltar que, de acordo com a resolução, o AEE “tem como função complementar ou suplementar a formação do aluno por meio da disponibilização de serviços, recursos de acessibilidade e estratégias que eliminem as barreiras para a sua plena participação na sociedade e desenvolvimento de sua aprendizagem”. (Resolução CNE/CEB 4/2009.)

Desafio à vista: a luta de pais e responsáveis pelo direito de seus filhos

Embora a Constituição garanta os direitos dos estudantes especiais à educação inclusiva, ainda é muito comum presenciar a saga que muitos adultos enfrentam ao tentar matricular os filhos/parentes em uma escola que ofereça adaptações para suas necessidades.

O que muitos devem saber é que a cobrança extra por essas adequações é proibida e deve ser denunciada tão logo for descoberta. A educação deve ser acessível a todos eles.

Horário e plano de ensino diferenciado

Como mencionado no início do artigo, toda escola adota uma metodologia de ensino. Sendo assim, existem instituições que tentam adaptar ao máximo a rotina e o ritmo para as necessidades apresentadas pelos estudantes.

O que não pode ser feito, no entanto, é negligenciar o aprendizado de uma pessoa com deficiência intelectual. Toda adequação que vise a resultados pedagógicos satisfatórios por parte desse público deve ser bem elaborada para ser realmente eficaz.

A melhor maneira de esclarecer todos esses pontos é conversar com a equipe de educadores do local, assim como pais e responsáveis de outros alunos que estão incluídos nesse grupo; para que tanto crianças como adultos especiais tenham acesso a uma educação de qualidade, um direito de todos.

Compartilhe este artigo

Comments 14

  1. Oi me chamo dirleia sou mae de um menino pc, que esta com 10 anos e esta no 4° ano e nao e Alfabetizado no ano passado que tive o diaguinostico dele apraxia da fala, ele estuda em escola do municipio des do 1° ano ele interage muito bem com tecnologia ( celular, computador) ja falei com a equipe para trabalhar com o computador que ele entende e se enteressa mais mas eles disseram que nao podia diferenciar ele das outras crianças ??? entao o metodo da escola ele esta ficando copista, ja nao quero mais brigar com a escola pois a mesma diz que quero oque eles nao pode fazer existe normas a se seguir, entao queria saber se vcs podem me dar uma luz.
    Meu filho precisa ser alfabetizado ano que vem ele vai pro 5° ano sem saber ler muito menos escrever ai queria fazer a educaçao dele em casa pois teria a condiçao de ter uma professora encinando da maneira que ele precisa pois a a apraxia exije muita repeticao para ele poder entender me disseram que nao posso fazer isto que serei denunciada.
    Como posso fazer e o que posso fazer pro meu filho ser alfabetizado da maneira que ele entende e aprende? Por favor me ajudem pois o cognitivo dele e perfeito ja nao tem enteresse de ir para a escola e fica triste com vergonha quando ele nao entende ou nao sabe responder. Se quiserem meu numero e 067 991343213 ou wts 067 999862673 obrigada desde ja.

    1. NeuroSaber Responde
  2. É qdo a escola é particular e não faz nada para achar caminhos para que essa criança aprenda melhor ?

    1. NeuroSaber Responde
  3. Ola Dr. bom dia.
    Gostaria de saber se existe a categoria de perito psicopedagogo em TDH – e qual.é sua classificação junto ao MEC.AValiação notas é igual a aluno retilíneo.

    1. NeuroSaber Responde
  4. Meu filho tem 13 anos no 8° ano c diagnosticado com transtorno n específico do comportamento ele teve um enorme rendimento c a professora de apoio, só q p isso acontecer pagamos à parte o salário dela. O q eu posso fazer?

    1. NeuroSaber Responde
  5. Parabéns pelos artigos e vídeos todos ótimos e esclarecedores. Gostei da dinâmica na resposta, onde nos é indicado locais de ampliação do conhecimento por meio da leitura.

  6. Olá boa noite! Dirleia eu também sou mãe de um jovem com DI e sou professora especialistas em atendimento educacional especializado, eu penso que você como mãe é natural querer o melhor para seu filho, talvez não há necessidade de tirar o seu filho da escola, mas também não acho que as pessoas deva denúnciar você porque você pode contratar um profissional para ajudar seu filho em casa. Isso é particular, não deixe os outros decidir o que você pode fazer para ajudar seu filho, isso é opinião de uma mãe que luta para dar o melhor pior filho também. Eu curto de mais esses dois profissionais. Leio todos os artigos deles é sou aluna de um curso deles. E tive oportunidade de conhece-los pessoalmente no Tocantins .Dr. Clay e Luciana vocês são maravilhosos.

  7. Bom dia , sou mãe de um aluno com dI , o tempo deles é diferente do nosso , o processo de aprendizado é bem lento , o meu filho só se alfabetizou com 13 anos , quando uma professora da rede pública do Gama -DF , precisamente na escola classe 17 do Gama , começou a colocá-lo ao lado da mesa dela , e deu uma atenção individualizada para ele , hoje ele tem 29 anos , conseguiu lê e escrever , faz Espanhol e Inglês ,no Centro Interescolar de linguas do Gama . Ainda tem algumas dificuldades , mas caminhamos juntos para vencer todas as barreiras, o conselho que dou para você amiga é o mesmo da outra mãe, ou seja, vocẽ pode e deve contratar uma pessoa para dá um atendimento individualizado para seu filho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *