Alfabetização no Transtorno do Espectro Autista (TEA) - NeuroSaber

Alfabetização no Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Hoje começaremos nosso blog com um assunto bem polêmico!! Alfabetização no TEA, como acontece??

Bem em primeiro lugar temos que avaliar o nível cognitivo, psicopedagógico e funcional, pois cada quadro dentro do TEA é singular e deve ser tratado com particularidade.

Torna-se importante ver se dentro daquela pessoa com TEA a alfabetização é o aspecto mais importante!! Muitas vezes as atividades de habilidades sociais e de Atividade de Vida Diária (AVD) tornam-se mais importante do que a aquisição da leitura e escrita, principalmente em quadros mais graves do TEA. Lógico que uma decisão dessa deve sempre levar em conta uma avaliação multidisciplinar em conjunto com família e escola, tendo como objetivo uma melhor qualidade de vida para quem é a pessoa mais importante desta história: a pessoa com TEA!

14 Comentários
  1. Lipciane Corrêa Barcella 6 meses atrás

    Gostaria de receber mais informações sobre TEA.

  2. DÉBORA CRISTINA RIBEIRO 6 meses atrás

    Gostaria de mais estudos sobre o TEA,LEVE,MODERADO E SEVERO.SOBRE MEDICAÇÕES TRATAMENTOS TERAPÊUTICOS E ALIMENTAÇÃO.

  3. Kátia 6 meses atrás

    Gostaria de receber informações sobre dificuldades de aprendizagem

  4. Joana 6 meses atrás

    Gostaria de conhecer mais sobre o assunto! Acompanho alunos NEE- necessidades especiais educativas!

  5. Maria da Glória 6 meses atrás

    faz 5 anos que atendo crianças e adolescentes com TEA. Todos estão se alfabetizando e alguns no ensino médio.
    Procuro sempre associar a parte comportamental com PECs e eles tem palavras escritas. Então dependendo do quadro eles conseguem aprender a se comunicar através das letras e imagens, especialmente os que apresentam dificuldade coma a fala. Desenvolvo consciência fonológica através de uma metodologia fônica, articulatória e sensorial. priorizo nos primeiros anos a parte de comandos, organização na execução de atividades e outras questões comportamentais e faço o elo entre a família, escola e atendimento multidisciplinar. Tem dado muito resultado positivo.
    Percebo que a maioria gosta de escrever no computador.
    Porém está funcionando com o quadro leve e grave. Nunca esteve na Sala de recursos um quadro severo, até agora.

  6. RITA 5 meses atrás

    CONCORDO A FAMÍLIA PRECISA CAMINHAR JUNTO COMO BASE PARA MONTAR A ESTRUTURA MULTIDISCIPLINAR. ORGANIZAÇÃO E O PRINCIPAL FOCO PARA INICIAR A APRENDIZAGEM .

  7. Janilda 5 meses atrás

    Tenho dificuldade em trabalhar com autista. Gostaria de mais informações sobre autismo(como trabalhar leitura e escrita ) com eles.

  8. Rosangela oliveira da Silva 4 meses atrás

    Gostaria de saber como ajudar meu neto com autismo espectro ele está no segundo ano fundamental tem sete anos eu estou vendo muita dificuldade em escrever já que ele não segura o lápis corretamente não sei como. Posso ajudá lo ele fica bastante nervoso na hora dos exercícios preciso de uma orientação pois sou avó que cuido dele é estou muito preocupada.em.nao poder ajudalo

  9. Deise B. de C. Morooka 3 meses atrás

    O serviço público necessita ser orientado quanto aos casos de inclusão dos TEAS, pois vejo nas escolas alguns casos onde necessitam de atendimento especializado o tempo todo. Nesses casos o professor especialista precisa atuar “JUNTO” do professor de ensino regular,como já acontecesse há anos em outros países.

  10. Graça Costa 3 meses atrás

    Sou psicóloga e professora de Sala de Recursos do município de Maceió -Al e posso informar que em nossa capital a inclusão ocorre, lógico que temos dificuldades, mas nós, profissionais da educação especial recebemos formação mensal e buscamos sempre trabalhar em parceria com os professores de sala regular e com os profissionais da saúde. Dificuldades. .. sempre… mas buscamos supera-las com esforço e dedicação.

  11. lindomar 3 meses atrás

    Gostaria de receber mais materiais e vídeos sobre TEA

  12. Karla Noleto 3 meses atrás

    Meu sobrinho que crio foi diagnosticado com TEA aos 6 anos de idade, hoje ele tem 8 anos. O autismo dele é leve, porém, na escola ele não fica na sala de aula,aparece não gostar de estudar; nenhum professor até hoje conseguiu que ele executasse as tarefas de escola, faço tudo isso em casa, com muita dificuldade consigo, mas não dá para acompanhar devido a grande quantidade de tarefas que ficam acumuladas. Hoje ele lê, ruim e, escreve só com letras de imprensa maiúscula. O que fazer para ele gostar de estudar, praticar leitura?

  13. Maria 3 meses atrás

    Escola e família devem andar juntas para obter bons resultados com crianças que apresentam transtorno comportamental ou mesmo dificuldade de aprendizagem. Nunca trabalhei com indivíduo portador do espectro autista, mas sei que é difícil principalmente se este apresenta um grau mais elevado. Todavia tive uma aluna com Síndrome de Down, ´de idade de 7 anos sem nenhuma noção do que é letra ou número, precisando ser alfabetizada o que não foi fácil, pois também os colegas não não o aceitavam. Foi preciso todo um trabalho de intervenção para que a turma o acolhessem. E eu na época sem nenhuma experiência nesse tipo de atendimento, tive que pesquisar, procurar ajuda a fim de que ela também avançasse.
    Achei excelente a iniciativa da realização desse curso voltado para os profissionais da educação, pois é sempre bom receber orientações que irão ajudar o nosso trabalho.

  14. Rosana Trindade de Matos 4 dias atrás

    Sou Rosana aqui de Manaus e trabalho em escola de Educação infantil pelo município e temos 5 crianças com TEA e estes artigos estão sendo muito bons

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

CONTACT US

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Enviando

2015 / 2017 Neuro Saber. Todos os direitos reservados.

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?