Atraso no desenvolvimento infantil pode ser deficiência intelectual?

O atraso no desenvolvimento infantil afeta os campos: emocional, físico, social e cognitivo da criança. Ainda que possa ocorrer em crianças com desenvolvimento típico, é preciso avaliar se existem transtornos associados, como a deficiência intelectual.

A deficiência intelectual — DI — é um transtorno neurológico que engloba déficits cognitivos e comportamentais, geralmente com início na infância. São diversas possíveis causas de DI como fatores pré-natais, genéticos, complicações no parto, acidentes traumáticos, entre outros.

Muitas crianças que apresentam atraso no desenvolvimento infantil têm algum transtorno associado, como a deficiência intelectual. Quanto antes for feito o diagnóstico diferencial, maior a possibilidade de intervenções com a criança. Saiba mais neste artigo.

O que é atraso no desenvolvimento infantil?

Atraso no desenvolvimento infantil ocorre quando as crianças não se desenvolvem da maneira esperada, atingindo a aprendendo habilidades que eram esperadas para sua faixa etária. Exemplos dessas habilidades: sentar, andar, falar, etc.

Esses parâmetros são estabelecidos de acordo com a média da idade em que acontecem, mas é claro que existe uma variação, cada criança é única. O atraso no desenvolvimento pode se manifestar não só nas habilidades motoras, mas também nas linguísticas e sociais.

Caso a criança manifeste atrasos na coordenação motora fina, na fala, nas habilidades sociais e no auto cuidado, é preciso avaliar se há atraso no desenvolvimento e qual é a sua causa. Por isso, ao pintar qualquer dúvida frente ao atraso no desenvolvimento da criança procure um médico especialista para te orientar.

O que é Deficiência Intelectual?

No Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais — DSM-V — os sintomas da deficiência intelectual englobam déficits funcionais, intelectuais e adaptativos nos domínios conceitual, social e prático.

Para identificar os déficits intelectuais é preciso uma avaliação clínica com o pediatra, mas os déficits adaptativos são perceptíveis, pois limitam atividades diárias da criança. Geralmente a comunicação e a interação social são os mais comprometidos, o que causa problemas adaptativos em casa, na escola e em outros ambientes.

A deficiência intelectual tem 4 níveis de gravidade: leve, moderada, grave e profunda, dependendo da severidade das limitações dos comportamentos adaptativos.

As limitações intelectuais e comportamentais na DI podem ser percebidas logo nos primeiros anos de vida da criança. No entanto, um diagnóstico preciso só pode ser feito após os 5 anos quando se tratar de uma deficiência leve, constantemente confundida com atraso no desenvolvimento infantil.

Como saber se o atraso no desenvolvimento infantil se trata de DI?

Sabemos que, quanto antes for realizado o diagnóstico de DI, melhor. Isso contribui para o desenvolvimento da criança e sua inserção nos ambientes que frequenta. 

Quando bebês, as crianças com DI, já apresentam sinais de atraso no desenvolvimento. O bebê pode não responder a estímulos visuais e auditivos, apresentar dificuldade na alimentação, não conseguir se sustentar — hipotonia, entre outros sintomas.

Quando a deficiência intelectual for grave, por volta dos 3 anos ela já é identificada. No caso da DI leve, o diagnóstico é feito mais tarde, ainda que a criança demonstre dificuldades na escola, não conseguindo acompanhar os colegas.

Como  a deficiência leve não é facilmente identificada, ela pode ser diagnosticada como transtornos de aprendizagem ou atraso no desenvolvimento. Quando chega na adolescência, pode acontecer dos adolescentes serem tratados como burros ou agressivos, ignorando a existência do diagnóstico de DI, por ser difícil detectar.

Crianças com autismo ou outros transtornos, como Síndrome de Rett, também podem ter DI associada. Por isso, o diagnóstico deve ser feito por um profissional competente para que possa diferenciar a deficiência intelectual de um atraso no desenvolvimento infantil.

Qual é o prognóstico da DI?

Outros transtornos, como a DI, afetam a capacidade cognitiva e o comportamento da criança, como a depressão, transtorno de aprendizado, síndromes epilépticas e déficits auditivos e visuais.

Devido à complexidade que envolve o quadro de deficiência intelectual, seja ela leve ou grave, é necessário um acompanhamento com diversos profissionais. O médico pediatra irá fazer os encaminhamentos a outros profissionais conforme as necessidades de cada criança e a gravidade da DI.

Vários aspectos da vida da criança com DI precisam ser considerados na hora de definir as estratégias de intervenção, como sua saúde, sua vida social e educacional, problemas associados, etc.

Geralmente, os profissionais envolvidos nas intervenções com crianças com DI são psicólogos, psicopedagogos, terapeutas ocupacionais, neuropediatras, psiquiatras, entre outros. Na escola, é muito importante que o planejamento pedagógico seja adequado às necessidades da criança com DI, considerando suas habilidades.

O prognóstico de crianças com DI, ou seja, o desempenho e desenvolvimento dessas crianças, vai depender do grau de severidade e comprometimento intelectual e comportamental, dos transtornos associados e das intervenções realizadas pela família, escola e profissionais envolvidos.

 

Restou alguma dúvida? Deixe nos comentários.

Referências:

DUARTE, Regina Célia Beltrão. Deficiência intelectual na criança. Artigo Original – Publicação oficial da sociedade brasileira de pediatria. Ano 2018 – Volume 8 – Supl.1. Disponível em: http://residenciapediatrica.com.br/detalhes/337/deficiencia%20intelectual%20na%20crianca

Compartilhe este artigo

Comments 2

    1. Suporte Neurosaber

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *