Como a terapia ocupacional ajuda na aprendizagem escolar?

A terapia ocupacional é um campo de atuação que conta com profissionais voltados às intervenções para saúde, vida social do indivíduo e para a educação. É justamente neste último quesito que falaremos um pouco mais em relação a essa área de conhecimento, cuja contribuição tem se mostrado cada vez maior na vida de crianças e adolescentes.

A terapia ocupacional e o desenvolvimento de um aluno

Considerando que o processo de aprendizagem escolar está diretamente ligado às habilidades cognitivas, a presença de profissionais terapeutas ocupacionais é imprescindível nesse cenário. Especialistas nesse campo trabalham a inclusão do aluno a partir de alguma necessidade encontrada em aspectos pontuais ou associadas, tais como: transtornos em coordenação motora, múltipla deficiência, processamento sensorial e disfunção neuromotora.

A terapia ocupacional e o aspecto psicomotor

Já não é surpresa para vocês o fato de a psicomotricidade ser determinante na autonomia da criança, principalmente quando o assunto é a aprendizagem e todos os caminhos tomados pelo pequeno assistido por especialistas.

Como tratado anteriormente em nossos artigos, a psicomotricidade é conceituada como uma ação de finalidade pedagógica e psicológica a utilizar os parâmetros da educação física com a intenção de melhorar o comportamento da criança com seu corpo.

Alunos com autismo e a aprendizagem escolar

A terapia ocupacional também é essencial em casos de alunos que convivem com o Transtorno do Espectro Autista (TEA). Como a maioria de vocês já leu em nossos artigos, uma pessoa que apresenta os sintomas e recebe o diagnóstico de autismo precisa de acompanhamento de especialistas para que seu desenvolvimento seja alcançado.

Dentre os profissionais envolvidos nesse processo, aqueles que desempenham a terapia ocupacional também estão nesse grupo. Afinal, todo o trabalho que os terapeutas ocupacionais realizam é voltado para a autonomia da criança não só na vida em família, mas inclusive na escola – possibilitando a interação social cada vez mais.

De acordo com o CREFITO-9 (Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 9ª Região), “o objetivo global da terapia ocupacional é ajudar a pessoa com autismo a melhorar a qualidade de vida em casa e na escola. O terapeuta ajuda a introduzir, manter e melhorar as habilidades para que as pessoas com autismo possam chegar à independência”.

A terapia ocupacional, segundo o CREFITO-9, é responsável por promover habilidades que trarão a possibilidade de independência ao pequeno, são elas:

  • Habilidades da vida diária, tais como o treinamento do toalete, vestir-se, escovar os dentes, pentear cabelos, calçar sapatos, e outras habilidades de preparação;
  • Habilidades motoras finas necessárias para a realização de caligrafia ou cortar com uma tesoura;
  • Habilidades motoras utilizadas para andar de bicicleta;
  • O sentar adequado, percepção de competências, tais como dizer as diferenças entre cores, formas e tamanhos;
  • Consciência corporal e sua relação com os outros;
  • Habilidades visuais para leitura e escrita;
  • Brincar funcional, resolução de problemas e habilidades sociais; • Integração dos sentidos, realizado através da abordagem de integração sensorial com objetivo de diminuição de estereotipias;

A terapia ocupacional e o trabalho em equipe

Além do papel do terapeuta (junto de outros profissionais), vale ressaltar que a maneira mais eficaz de fazer valer sua participação na vida da criança é propor uma ação conjunta, como uma ‘consulta colaborativa’, no qual ocorre um processo interativo e com bastante dinamismo a fim de identificar as necessidades manifestadas pelos alunos em questão.

O desenvolvimento de atividades associadas a outras habilidades é fundamental para melhorar os resultados. Os trabalhos feitos pela terapia ocupacional juntamente com as intervenções psicopedagógicas, por exemplo, tendem a atingir respostas muito importantes no que diz respeito ao processo de aprendizagem da criança.

 

Luciana Brites Psicomotricista

 

Compartilhe este artigo

Comments 9

  1. Muito interessante, meu filho de 13 anos tem muita dificuldade de ensino aprendizado, ele é muito disperso e desatento, tenho muita dificuldade casa e na escola para que ele faça as atividades propostas pelos professores, já foi acompanhado por psicólogo durante um ano…

  2. Fundamental T.O, juntamente com a psicopedagoga e equipe toda!!!! Enfim o conjunto de especialização para o amparo do ser humano é fantástico!!!!E quando derem valor a massagem relaxante energética tbm, junto a essa equipe, verão resultados incríveis !!!!!!

  3. boa tarde meu nome é vanessa pinheiro e sou aluna de pedagogia estou no 4º semestre e estou fazendo um estágio voluntario em uma escola perto da minha casa, acompanho um menino de 9 anos autista, o qual tem laudo mas nao tem acompanhamento por parte da familia, fico sem saber como trabalhar com ele pois a escola nao tem suporte e a sala de aula é lotada deixando ate mesmo os outros alunos desacomodados, acredito que a terapia ocupacional ajudaria, e muito no desenvolvimento desse aluno pois percebo que ele tem potencial, o que faço levo canetinha, papel pra desenhar, faço linhas pontilhadas desenhos para pintar, palavras para cobrir, poucas coisas ele ja faz, mas não desisto, o concelho tutelar pode obrigar a mae desse menino a buscar recursos de tratamento, como a terapia ocupacional para seu melhor devenvolvomento ?

    1. NeuroSaber Responde
  4. Muito boa matéria. Tenho um filho de 04 anos que tem muita dificuldade em manusear o lápis e isso o deixa irritado em sem vontade de fazer as atividades na escola. Ela faz terapia com Fono e Psicóloga, mas, eu acho que o melhor para ele seria fazer Terapia Ocupacional. O que me diz?

    1. NeuroSaber Responde
  5. Artigos excelentes, gostaria se possível enviar tipos de intervenções para dificuldades de leitura no infantil 2

    1. NeuroSaber Responde
  6. Sou professora de ensino especial, nesta unidade de ensino aqui na – Escola Pintor Villares, em um do bairro Roda de Fogo . na cidade de Recife-PE, e mediante as minhas necessidades de desejar ampliar melhor a capacidade de interagir no meio educacional com alunos de diferentes necessidades especiais visei procurar interagir na busca de um potencial melhor cujo endereço tive a sorte de encontrá-lo e as inf., necessárias as quais vão atender estas perspectivas , estou encontrando nestes saberes – do Neuro Saber., a forma para trabalhar com perspectivas escolares . De ante mão resta agradecer-lhes, com satisfação e apreço estes valores dos quais pode resgatar para poder-me interagir com aprêço a valiosa colaboração na aprendizagem com os meus alunos.
    Professora josinete muniz da silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *