Deficiência Intelectual

Como avaliar as aprendizagens dos alunos com deficiência?

Quando se fala em aprendizagem, processo pedagógico, conteúdos, percepção e outras palavras que estejam relacionadas à fruição do conteúdo por crianças; é preciso muita cautela.

Há pessoas que não sabem, mas dentro de uma sala de aula pode haver diferentes formas de absorver uma matéria ou uma explicação dada pelo educador. E no caso de alunos com deficiência? Há possibilidade de existir diferenças entre eles?

A resposta é sim. Obviamente, assim como há diversidade entre alunos regulares (que não apresentam deficiência cognitiva), há também diferenças entre estudantes com alguma deficiência. A pergunta que fica no ar é como avaliar as aprendizagens dessas crianças e adolescentes?

A primeira dica é jamais adotar a mesma forma de avaliação para todos os alunos. É preciso respeitar os limites que cada um apresenta. Portanto, deve-se ter um olhar minucioso quanto às habilidades e à percepção que os estudantes apresentam, sobretudo aqueles que manifestam alguma deficiência.

Hoje em dia, muitas escolas, que trabalham com a inclusão e que decidem por manter os alunos na mesma sala, adotam técnicas que são eficazes.

O que pode ser feito para os alunos?

– Avaliar cada atividade de forma particular, respeitando a cognição do aluno;

– Estabelecer alguns mecanismos que visem a facilitar o aprendizado do estudante com deficiência: adaptação para as necessidades da criança/adolescente;

– Abolir a adoção de um ritmo único de aprendizado pelos alunos;

– Flexibilizar as formas de avaliação dos estudantes (provas, exames, ditados, etc.) e evitar comparações com as respostas dadas por eles;

– Estabelecer recursos que promovam a acessibilidade dos estudantes com deficiência e facilitem a aprendizagem dos mesmos, assim como a expressão de todos eles através da fala.

O que deve ser feito para a promoção da inclusão dos alunos com deficiência é executar uma avaliação escolar que desenvolva o conhecimento, de forma que os educadores consigam identificar os resultados. Além disso, melhorar os pontos que precisam de mais atenção. Mas, claro, tudo de maneira que atenda às necessidades de cada pessoa.

Flexibilização dos conteúdos e dos suportes

Nada melhor que flexibilizar a forma de aplicar os conteúdos e até mesmo os suportes que podem usados em sala de aula. No caso dos conteúdos, os educadores podem procurar mecanismos que facilitem a absorção da matéria pelos alunos. Já os suportes podem ser variados, indo da velha lousa aos jogos pedagógicos, sobretudo aqueles que apostam nas cores e nos formatos para facilitar o aprendizado dos pequenos.

Um caminho longo a ser percorrido

Infelizmente, é preciso reconhecer que muita coisa deve ser feita para que as escolas, de fato, adotem a inclusão em suas dependências.

A aplicação de metodologias que abracem a todos os estudantes é apenas o primeiro passo para que alunos com deficiência encontrem seus espaços no ambiente escolar; tudo isso sem distinção, mas com adaptações que favoreçam o processo pedagógico das crianças e dos adolescentes.

Os pais têm muita importância nesse processo. Eles devem estar sempre presentes na vida escolar dos filhos e procurar estabelecer comunicação entre a casa e a escola.

Compartilhe este artigo

Comments 23

  1. Meu filho tem 6 anos tem dificuldade para aprender e tem um pouco de dislexia,o que fazer a Neuro passou medicamentos Nootron e Risperidon.Estou com medo de dar a medicação.

    1. NeuroSaber Responde
  2. Boa noite,
    Sou professora de AEE e uma das dúvidas das professoras das salas regulares de ensino é justamente como avaliar o aluno com algum tipo de deficiência. Essa dúvida é justamente pela cobrança que elas recebem das famílias. Suas orientações são de extrema importância para mostrar à elas que estamos no caminho certo, pois passo as orientações para elas que as provas devem ser de acordo com a individualidade do aluno, respeitando sua forma de entendimento, escrita, desenhos, oralmente, respeitando o tempo também para a realização de cada atividade. Também marcamos sempre reuniões com os pais para explicar que avaliar é um todo, e não somente um papel naquele momento. E que as avaliações dos filhos serão adaptadas conforme a necessidade de cada um.
    Não sei se estamos no caminho certo, mas suas orientações são de suma importância para o meu trabalho.
    Bjs, Isabel.

    1. NeuroSaber Responde
  3. Minha filha foi diagnosticada com Mutismo Seletivo! !!!! Ah vários anos eu suspeitava disso e falei com psicóloga, professores e tds me diziam que era timidez, agora com 9 anos e no 3ano começou ficar impossível. Pois até hoje nao conversou com nenhum professor e está ficando pra trás da turma! Estou desesperada, pois hoje parece que a culpa é minha! Não sei o que fazer, qual medico procurar. Preciso urgente de ajuda

    1. NeuroSaber Responde
  4. Meu filho tem 6 anos.A menos de1 ano descobri que ele tem a SSíndrome de willians.Esta sendo muito difícil para nós, entender td isso.Gostaria de ajuda, a respeito de comportamento, sobre a síndrome, no que podemos ajuda lo…por favor..obrigada

    1. NeuroSaber Responde
    1. NeuroSaber Responde
    1. NeuroSaber Responde
    2. NeuroSaber Responde

      Etiane,
      Sem avaliação, não podemos dar uma orientação precisa sobre o caso. É importante buscar um especialista para lhe dar melhores informações e orientações para uma intervenção… Acesse nosso blog e canal do YouTube para saber mais: neurosaber.com.br/artigos/ e goo.gl/8C9wiz

  5. como avaliar um aluno que possivelmente tenha dislexia, sendo que o mesmo não tem dignostico.

    1. NeuroSaber Responde
    2. NeuroSaber Responde

      Sem avaliação, não podemos dar uma orientação precisa sobre o caso. É importante buscar um especialista para lhe dar melhores informações e orientações para uma intervenção… Acesse nosso blog e canal do YouTube para saber mais: neurosaber.com.br/artigos/ e goo.gl/8C9wiz

  6. Olá bom dia equipe, sou Francisca Nunes do estado do Acre, professora do AEE… Gostaria que falasse mais um pouco sobre a própria avaliação como nota que é dada a cada aluno através de provas; Porque ainda enfrentamos dificuldades quando o aluno especial não consegue alcançar a nota minima …. Qual é a lei que ampara? sei que podemos avaliar através de relatórios, porem existe resistência de alguns colegas em avaliar pelo fato de alguns não ter o laudo. Por favor me ajudem que preciso de mais embasamento legal. Obrigada a todos por tornarem o nosso ensino especial mais fácil com a contribuição de vocês.

    Grata,

    Francisca Nunes
    68 99949-9991

    1. NeuroSaber Responde
  7. Um dos caminhos que contribue para que este processo aconteça é o trabalho em conjunto da psicopedagoga, escola e familiares. Muito bem colocado que a família tem um papel importatíssimo neste processo.
    Aprendo muito com a NeuroSaber!

    1. NeuroSaber Responde
  8. NeuroSaber Responde
  9. olá bom dia tenho um filho de 5 anos , ele tem muita dificuldade para aprender os numéros, cores e as letras não sei se pela idade mas a gente explica ensina varias vezes e ele fala errado as vezes acabamos de falar esse e o 5 filho se pergunta ele fala que e o 3.
    e as vezes sem pergunta ele fala certo e na sequencia consegue mas tirou não acerta
    já levei ele em uma consulta com psicopedagoga e disse que aparentmente esta td normal com ele
    pois tirando essas dificuldades e muito esperto devo me preocupar antes estudava de manha estava cm muita dificuldades não conhecia nem o nome dele resolvi trocar de periodo e de professora e ele teve uma melhora muito grande em todos os sentidos , e só essa questao dos numeros e cores que tem me deixado preocupada.

    1. NeuroSaber Responde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *