Como desenvolver atividades lúdicas para o desenvolvimento infantil?

As atividades lúdicas são ideais para promover o desenvolvimento infantil. Elas podem ser utilizadas em várias ocasiões devido à sua interdisciplinaridade. As brincadeiras e os jogos são direcionados de acordo com a idade e capacidade de cada criança. É fundamental ter isso em mente para que a criança consiga acompanhar o seu próprio processo.

Importante ressaltar que essas atividades são importantes também para que a criança desenvolva o raciocínio lógico. Isso ajuda em aspectos que proporcionam o desempenho mental e intelectual. Além disso, o lúdico, junto de um acompanhamento pedagógico, favorece o amadurecimento social do pequeno. Portanto, é fundamental que tais atividades sejam dadas não só no ambiente escolar, mas familiar também.

Atividades lúdicas como incentivo ao conhecimento próprio

Deve-se ter em mente que a troca e a transmissão de conhecimentos se fazem através de brincadeiras e jogos, favorecendo um grande processo educativo. O resultado disso é a soma de esforços e de força das diferentes capacidades da criança, proporcionando a busca de um ser cada vez mais equilibrado e com autoconhecimento.

Desenvolvendo a cognição do pequeno

É válido ressaltar que desen­volvimento cognitivo da criança está intimamente ligado a uma boa desenvoltura de funções, tais como a linguagem, o suporte afeti­vo-emocional e a coor­denação motora.

Uma das formas de garantir que o pequeno apresente uma  evolução funcional proveitosa e satisfatória, a melhor maneira é estimulá-lo desde cedo, na mais tenra infância, por meio de brincadeiras, leituras e jogos.

Atividades lúdicas para crianças em diferentes etapas

Não devemos nos esquecer de que cada criança se desenvolve de maneira individual. No entanto, existem faixas etárias específicas em que os baixinhos geralmente demonstram desempenhos afins. O importante é estar sempre atento a algum possível de dificuldade (sobretudo que revele a existência de algo que precise ser observado por um profissional, como um distúrbio ou transtorno, por exemplo). Veja a seguir quais são essas etapas.

Até os 2 anos de idade:

Vale dizer que nesse período a brincadeira precisa estimular os sentidos da criança. As atividades recomendadas são as mais variadas e marca a fase inicial dos pequenos com objetos diversos, além de ações que induzem a psicomotricidade. As brincadeiras são: mover carrinhos, correr, brincar com massinhas, jogar com bolinhas de pelúcia, entre outros.

De 3 a 4 anos de idade:

Aqui se iniciam as famosas brincadeiras de faz-de-conta, as historinhas contadas por pais e professores para estimular a imaginação dos pequenos. Outro detalhe é que as crianças começam a obter certa noção acerca do que assistem ou presenciam em seu contexto. Por isso é normal que muitas brinquem de casinha; simulam que estão dirigindo, brincam de dar aula, além de outras atividades que fazem parte do cotidiano.

De 5 a 6 anos de idade:

Aqui nessa fase as atividades lúdicas de movimento e aquelas que trabalham com representação tendem a se aprimorar. As brincadeiras dão espaço a tarefas mais coletivas, como os jogos coletivos, de campo ou de mesa. Os jogos de tabuleiro também ganham o gosto dos pequenos, assim como as brincadeiras de roda e o futebol.

Dos 7 anos de idade para cima:

Nesse período, a criança já está apta a participar de várias atividades que proporcionem desafios para si e para outros. Além disso, elas costumam se divertir mais com todos os estilos de jogos aprendidos, considerando os diferentes graus de dificuldade de cada brincadeira ou atividade.


Fontes:

http://www.ufjf.br/pedagogia/files/2017/12/A-Import%C3%A2ncia-das-Atividades-L%C3%BAdicas-para-o-Desenvolvimento-Infantil.pdf

https://www.dm.com.br/cotidiano/2018/10/brincadeiras-estimulam-o-desenvolvimento-dos-pequenos.html

 

Luciana Brites Psicomotricista

Compartilhe este artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *