Como é realizado o diagnóstico de Síndrome de Asperger?

Para falar sobre como é feito o diagnóstico a fim de detectar a Síndrome de Asperger, torna-se necessário saber o que é essa condição. Afinal, ainda existem muitas incertezas e dúvidas acerca dela. Sendo assim, relembrem abaixo alguns dos principais pontos que se referem a esse quadro.

O que é a Síndrome de Asperger?

Podemos definir a Síndrome de Asperger como um transtorno de origem neurobiológica que foi descrito pela primeira vez em 1944 pelo pediatra austríaco Hans Asperger. Uma de suas particularidades é o fato de ser majoritariamente notada em pessoas do sexo masculino. Além disso, outra característica é que os pacientes geralmente demonstram certa dificuldade para se relacionar com pessoas que não façam parte de seu contexto. Eles também costumam se interessar bastante por áreas/ disciplinas bem específicas.

Frequentemente, a linguagem não é afetada. Isso significa que a situação das crianças e dos adolescentes que convivem com a Síndrome de Asperger tende a passar pelo ambiente escolar sem muitos sobressaltos que os impeçam de concluir os estudos e, inclusive, seguir para a vida acadêmica e ter vida profissional regular.

Se a pessoa consegue realizar etapas importantes da vida, então qual o problema?

É importante salientar que uma pessoa com Síndrome de Asperger convive com um transtorno. Este fato em si já suscitaria um acompanhamento terapêutico para providenciar seu bem-estar. No entanto, a necessidade de tratamento está na busca pelo desenvolvimento de competências sociais.

Este aspecto é de total importância para nossa vida em sociedade e, a partir disso, a criança pode estabelecer meios que sejam fundamentais para que ela consiga ter autonomia suficiente diante dos desafios na vida coletiva.

Vale dizer que embora a inteligência e a linguagem não sejam afetadas, a Síndrome de Asperger vem acompanhada de sintomas; não tão graves, mas capazes de causar prejuízos no que diz respeito a habilidades sociais.

Como realizar o diagnóstico?

Não é uma tarefa fácil diagnosticar a Síndrome de Asperger, pois os sinais que indicam sua existência podem variar bastante; ou seja, o que um paciente demonstra pode ser diferente da manifestação apresentada por outro.

Sendo assim, a observação é sempre o passo inicial na busca pela comprovação do transtorno. Desde muito nova a criança tende a mostrar algum traço que levante suspeitas de que seja preciso um acompanhamento.

Especialistas (médicos e psicólogos) são os principais profissionais que possibilitam a aplicação de testes na busca por uma resposta. Uma das maneiras mais recorrentes na realização do diagnóstico é por meio de testes neuropsicológicos. Através deles, os terapeutas costumam propor algumas tarefas capazes de demonstrar a existência de alguns traços característicos da Síndrome de Asperger.

Outra maneira de se chegar ao diagnóstico é com a aplicação de testes que lidam com o reconhecimento de emoções e colocam as crianças em situações onde elas precisam entender o que seu interlocutor está pensando, por exemplo.

Quais são os sintomas?

Os sinais da Síndrome de Asperger costumam variar, mas vale elencar os principais. Pelo menos aqueles que têm fácil percepção. Vejam abaixo:

– Dificuldade de interação social (manter conversas, começar um diálogo);

– Interesse restrito a determinado tema ou objeto;

– Apresentação de determinado padrão repetitivo,

– Incapacidade de demonstrar empatia pelo interesse das pessoas;

– Costumam mostrar movimentos descoordenados;

– Uso de voz monótona e rápida, etc.

Como ocorre o tratamento da Síndrome de Asperger?

As intervenções são terapêuticas. As pessoas que convivem com o transtorno geralmente são acompanhadas por terapias cujo foco é estimular os aspectos relacionados à interação social e suas competências.

O uso de medicamento não é propriamente em função da síndrome em si, mas pela existência de algum quadro relacionado de ansiedade ou depressão. Por isso é necessário que a criança/adolescente seja assistida por especialistas, pois o trabalho em conjunto tende a proporcionar resultados satisfatórios.

 

Dr Clay Brites

Compartilhe este artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *