Como entender a Disortografia e Disgrafia?

O aprendizado de uma pessoa é um campo imenso de possibilidades, pois muito além dos métodos adotados, a forma a qual o indivíduo vai lidar com o conhecimento que lhe é passado pode ser diferente para cada um. Dentro dessa seara, por exemplo, existem as dificuldades de aprendizagem, que devem ser olhadas com total atenção nos casos que se manifestam. A disgrafia e a disortografia são alguns problemas que afetam funções importantes do desenvolvimento pedagógico.

O que são dificuldades de aprendizagem?

De acordo com a definição do U. S. Office of Education e do National Joint Commitee on Learning Disabilities, as dificuldades de aprendizagem pode ser considerada como uma associação “a obstáculos nos processos psicológicos inerentes à compreensão e uso da linguagem (relacionados com disfunções do sistema nervoso central)”. Isso exclui do seu alcance os problemas resultantes das “deficiências sensoriais, motoras ou mentais; além de perturbações emocionais, fatores culturais e econômicos”.

Existe outra definição no qual se afirma que as dificuldades de aprendizagem específicas estão relacionadas, particularmente, à forma como uma pessoa processa a informação – recebimento, integração, retenção e como a exprime-, considerando as suas capacidades e o conjunto de todas as suas realizações.

Sobre a disgrafia: o que é e como lidar?

A disgrafia pode ser considerada como uma alteração que afeta a funcionalidade da escrita desenvolvida pela criança. Os problemas ficam evidentes principalmente no que se refere à grafia e ao traçado. Além disso, vale lembrar que a pessoa com disgrafia apresenta uma escrita mal elaborada, evidenciando uma deficiência nessa habilidade.

A disgrafia requer intervenções que aproximam a criança de seus educadores e de terapeutas que estimulam a coordenação motora. O primeiro passo é que a professora estabeleça uma relação de cumplicidade com o aluno a fim de que este sinta a confiança necessária para se dedicar à prática da escrita. É importante também que o estudante seja sempre estimulado a cada esforço.

Outra dica é procurar auxílio com psicomotricistas para que esses especialistas trabalhem a psicomotricidade do pequeno. Isso oferece a ele as condições necessárias para a eficácia na habilidade da escrita.

Sobre a disortografia: o que é e como lidar?

A disortografia é diferente da disgrafia, pois ela está relacionada a uma deficiência que afeta as aptidões da escrita. Em outras palavras, a disortografia é uma dificuldade centrada na estruturação, organização e produção de textos escritos. Além disso, as crianças mostram uma construção frasal aquém do esperado, com o vocabulário pobre e curto; nota-se também certa quantidade de erros ortográficos.

Para lidar com a disortografia, especialistas adotam muitas técnicas, embora duas delas sejam muito usadas. A primeira é a intervenção sobre os fatores associados ao fracasso no desempenho ortográfico. Já o segundo é a correção de erros de ortografia específicos. É imprescindível que o educador consiga conciliar as habilidades e as dificuldades apresentadas pela criança para que o tratamento ofereça bons resultados.

Luciana Brites Psicomotricista

Compartilhe este artigo

Comments 7

  1. Conteúdo que norteia muito as habilidades da escrita, favorece o entendimento da funcionalidade. Adoro receber essas orientações para dar continuidade nos acompanhamentos pedagógicos.

  2. Parabéns Lú e Dr. Cley vcs são sensacionais! 👏👏👏👏👏👏♥️

  3. Olá , muito interessante as matérias sobre a escrita. Já sou adulta e a vida inteira sinto vergonha de minha caligrafia, não tenho agilidade para escrever, não consigo escrever bem na linha, minha letra não é legível. O que poderia fazer para mudar isso que tanto me incomoda?

    1. Adriana Matias
  4. Adriana Matias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *