Como lidar com a dislexia no dia a dia?

Por acaso vocês convivem com uma criança ou adulto com dislexia? A forma de tratar a pessoa pede cautela e muito respeito pelo tempo que ela vai demandar para aprender algo novo. No artigo de hoje, falaremos sobre as maneiras mais indicadas para que pais, educadores, familiares, e quem se sentir interessado, possa lidar com a dislexia.

Em casa

O ambiente doméstico é o mais incentivador de todos, pois ali estão as referências que a criança com dislexia tem para conversar, contar com o apoio, ser amparada. Há muitas coisas para serem feitas e que tendem ser complemento na vida do pequeno.

É importante lembrar que a presença de uma psicopedagoga é imprescindível, pois ela é a profissional mais capacitada para apresentar intervenções necessárias para tratar o transtorno. Veja abaixo o que pode ser feito em casa:

– A família é uma grande incentivadora, então por que não aprender brincando? Pais e irmãos podem criar meios lúdicos para o pequeno. Um exemplo disso é a brincadeira da forca. Como a dislexia é um distúrbio de aprendizagem, sobretudo na área de leitura e escrita, nada melhor que treinar essa habilidade de forma leve.

– Atividades como caça-palavras, pescaria de letras e palavras-cruzadas também são muito aconselháveis, pois elas ativam a memória e contribuem com o aprendizado das sílabas e a formação lexical dos vocábulos.

– Lugar de ler é em casa também. Uma dica é selecionar livros com histórias que interessem a criança a querer treinar mais a leitura. Tudo isso deve ser feito com pausas e muita paciência. Depois de cada leitura, converse com seu filho sobre o que ele entendeu. Peça-o para explicar, ajude-o a lembrar algumas situações encontradas no livro.

– Os relógios de ponteiro são uma verdadeira barreira na vida de uma pessoa com dislexia. Então, a melhor maneira de ensiná-la é através de um relógio digital. A cada vez que precisar olhar as horas, a criança ou adulto (sim, é bastante possível) vai associar a marcação dos ponteiros com o digital.

Na escola

– A presença dos educadores é fundamental na vida de uma criança com dislexia. Além disso, quando a professora está por dentro da situação, ela tende a estabelecer uma parceria com o aluno, contribuindo para o seu desenvolvimento.

– Tarefas que estimulem a formação de palavras são aconselháveis. Assim como em casa, a forca, o caça-palavras e outras atividades também podem ser realizadas em sala de aula.

– Uma pessoa com dislexia também apresenta dificuldades com cálculos. Os professores podem, então, estimular essa parte com jogos e deveres que utilizem bastantes números e operações matemáticas, que estejam ao alcance pedagógico da criança. A utilização de objetos como varetas, bolinhas e formas geométricas são complementos interessantes em exercícios aritméticos.

– Sudoku e xadrez também servem como elementos que ajudam o aluno.

Auxílio profissional

Como falado anteriormente, os profissionais de psicopedagogia são os mais indicados para o atendimento aos pacientes com dislexia. A conversa de especialista com a família é o segredo para a solução tão procurada.

Já pensou aprender profundamente sobre o Autismo para melhorar seus atendimentos clínicos, entender melhor seu filho e saber por que seu aluno apresenta determinado comportamento e como trabalhar o processo de inclusão? Em um curso online completo o Dr. Clay Brites te ensina tudo sobre TEA com fundamentação científica e de forma prática e simplificada.

Compartilhe este artigo

Comments 3

  1. Adorei o artigo, tenho uma filha de 10 anos ela tem dislexia, discalculia e distúrbio do processamento auditivo, mas tenho muita dificuldade em estudar com ela, até porque não sou muito criativa… E não sei muito bem como trabalhar com questões ludicas( ensinar). Estou procurando ajuda.

    1. NeuroSaber Responde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *