Como trabalhar com o TDAH em sala de aula

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é algo que precisa, antes de tudo, de um acompanhamento que possa oferecer as soluções necessárias para as pessoas diagnosticadas.

Métodos além do ambiente doméstico

Em se tratando de crianças, é preciso salientar que os pais estabeleçam alguns métodos visando ao seu desenvolvimento pedagógico e social. No ambiente escolar, essa preocupação deve existir também.

Afinal, o aluno com TDAH deve contar com a compreensão do professor e de todo o grupo pedagógico da instituição a fim de oferecer as melhores técnicas de aprendizagem para o pequeno.

O que fazer para otimizar o ensino?

O artigo de hoje é voltado para aqueles profissionais que lidam com a educação. Nada mais desafiador que a função exercida por professores na busca por uma aprendizagem sólida e democrática. Vejam abaixo algumas dicas infalíveis e que podem ser muito úteis para todos vocês.

Conhecendo a condição do aluno

– É importante que o professor saiba o que é TDAH, pois não adianta receber o relatório médico com o diagnóstico e não saber como conduzir a criança no cotidiano. O educador deve ter em mente que o TDAH não é só hiperatividade.

O transtorno é responsável por causar problemas de memória operacional não verbal, atenção seletiva, atenção sustentada e função executiva. O índice de motivação para essa criança cumprir uma tarefa sem recompensa é muito menor em comparação com aqueles que não convivem com TDAH. Vale lembrar que por muitas vezes o relatório contém orientações que podem ser implementadas.

Localização na sala de aula

– A criança com TDAH deve sentar na primeira fileira, pois quando ela se encontra próxima do professor ela tem menos fatores que poderão induzi-la à distração.

Exposição de matéria com dinamismo

– A aula deve ser motivadora e dinâmica, com uma linguagem simples e objetiva, em que o aluno realmente entenda o conteúdo por sua praticidade.

Durante a aula, você deve observar se a criança está com a expressão de domínio do conteúdo. Se o aluno entendeu o que você quis falar. Por isso é importante mudar o tom de voz e repetir o conteúdo, dar ênfase a determinados pontos de sai aula que você acha válido frisar.

Instigue a criança

– Faça perguntas durante a aula, sobretudo no início da aula, dando ao aluno certo desafio; desde que isso tenha alguma recompensa que motivará o pequeno durante a exposição da matéria.

Impulsionando o interesse

– Estimule a criança a pesquisar itens da matéria como complemento. Isso é importante porque induz o aluno a fixar o conteúdo aprendido em sala de aula e a exercer a busca ativa de coisas novas da matéria dada por você.

O detalhe que não pode ser esquecido

É muito importante que desde o início do ano sejam estabelecidas regras que devem ser cumpridas em todo ano letivo. Crianças com TDAH têm dificuldade de ter noção de limite, do que pode e o que não pode. Elas demoram a entender o que deve ser feito e saber dividir as prioridades.

Existe alguma estratégia para ser usada em casa

Em casa, o aluno pode escrever um roteiro com as matérias ensinadas em sala de aula. Nesse caso, as dúvidas são elencadas. Outra possibilidade é a listagem dos passos a serem dados. Já trouxemos isso em um artigo anterior, vejam quais são:

  1. Fazer as tarefas de hoje;
  2. Selecionar dúvidas para levar ao professor;
  3. Verificar maiores dificuldades;
  4. Estudar para as provas mais próximas;
  5. Organizar o material para o dia seguinte; etc.

Neste quesito, a família tem papel fundamental ao ajudar a concretizar este processo e sentar com a criança para fazer suas tarefas, tirando suas dúvidas e motivando a terminá-las. A escola estimulará, assim, o engajamento dos seus educadores no cuidado em preservar o gosto de seu filho pelos estudos.

 

Dr Clay Brites

Compartilhe este artigo

Comments 7

  1. Tenho filho c TDAH e sou professora! Esse tema é muito importante para nós educadores e país!

  2. Sou professora e mãe. Acho interessante saber mais sobre o assunto que, infelizmente, ainda é tratado de forma muito preconceituosa.

  3. olá tenho um filho com 22 anos ,esta com sintomas de depressão e o seu psiquiatra esta desconfiado que ele tem tdah, pelo seu histórico na infância e a dificuldade que esta enfrentando na universidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *