Comportamentos agressivos no TEA e comunicação: Qual a relação

Uma das maiores preocupações das famílias que têm um autista em casa é a agressividade que pode surgir em determinadas situações. É importante saber que algumas atitudes devem ser encaradas com total tranquilidade e jamais corrigidas com vozes alteradas. 

No entanto, é preciso buscar um acompanhamento adequado e saber algumas metodologias que ajudarão muito. Antes, porém, é importante saber que nem todo autista é agressivo.

O que causa incômodo em crianças com TEA?

Na maioria das vezes, crianças com autismo costumam ter atitudes agressivas quando contrariadas. Isso ocorre porque o autismo é um transtorno que leva a intensos e excessivos déficits na comunicação e interação sociais. Além disso, as crianças tendem a ter comportamentos repetitivos e restritos, o que causa incômodo quando precisam mudar o comportamento devido ao contexto em que estão inseridas.  Por conta disso, a criança tem dificuldade de flexibilizar seus interesses.

Sendo assim, quando a criança está em um lugar em que os interesses dela não condizem com o padrão de suas preferências, ela pode demonstrar irritabilidade, o que causa a impaciência e a consequente agressividade.

Muitas crianças com autismo, por não entenderem determinados símbolos sociais (comunicação e gestos), não sabem interagir de forma que a situação pede. Isso porque ela não encontra uma maneira cabível de se expressar. Então a reação agressiva é, muitas vezes, uma forma dela se comunicar sobre alguma contrariedade.

Como lidar com a agressividade no TEA?

O paciente com Transtorno do Espectro Autista deve ser conduzido de forma interdisciplinar, com o uso de medicamentos específicos e, claro, com acompanhamento profissional.  A metodologia usada deve acompanhar também a necessidade da criança.

Ambiente adequado

O ambiente é outra coisa que deve ser levada em conta para evitar a agressividade da criança. Para começar, ele deve ser confortável, pois nada melhor que dar à criança condições de ficar sempre tranquila.

Tranquilize a criança

Quando a criança demonstra irritabilidade, uma ótima maneira de amenizar a impulsividade dela é utilizar objetos que diminuam o comportamento da criança: algum jogo, equipamento, brinquedo, por exemplo.

Atenção em casos de crises e auto agressão

A agressividade da criança autista pode ser voltada para alguém, uma parede, um objeto ou até mesmo a auto agressão, como socos e tapas contra ela mesma. A melhor maneira é abraçar o pequeno e apresentar algo que o tranquilize.

O uso do CSA para minimizar a agressividade 

Com a comunicação suplementar alternativa (CSA) , é possível a gravidade e a frequência do comportamento desafiador de algumas crianças com autismo. Com intervenção adequada, pesquisa e prática clínica demonstraram que a CSA pode ser um substituto eficaz para coisas como bater, agarrar, cair no chão ou jogando coisas.

Pessoas que falam também precisam de CSA  

Há adultos com autismo que falam bem, têm diploma universitário, têm bons empregos e estão criando famílias que têm dificuldade significativa em falar quando estão cansadas, doentes ou estressadas. CSA ajuda-os durante estes tempos. Eles então voltam a falar normalmente quando eles se sentem melhor.

Compartilhe este artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *