Conheça as principais doenças neurológicas infantis

Muitas surpresas acontecem durante a infância. É verdade que algumas nem sempre são boas, mas é necessário estar pronto para lidar com essas questões, mesmo quando tudo parece dar errado. Não são poucos os pais que se desesperam com um diagnóstico que indique a necessidade de uma atenção maior, de um tratamento ou outro acompanhamento mais sério. As doenças neurológicas infantis são algumas das quais causam apreensão nos responsáveis pelas crianças. Vejam quais são as principais.

O que são doenças neurológicas?

Elas podem ser definidas como doenças que atingem não somente o cérebro, mas também a medula espinhal e o sistema nervoso. Por conta dessa abrangência, falar precisamente sobre os sintomas não é uma tarefa fácil. Afinal, eles podem apresentar variações, pois o sistema em si é responsável por controlar diferentes funções orgânicas.

Por acaso vocês sabiam que dentre os vários sintomas de uma doença neurológica destacam-se dores que muitas vezes podem ser minimizadas, como uma dor de cabeça ou nas costas? Além disso, vale citar também algumas alterações e/ou disfunções, seja no aspecto sensorial ou nos músculos.

No caso das doenças neurológicas infantis, as crianças geralmente já nascem com elas, mas, obviamente, pode haver situações em que elas adquirem alguma. Focaremos naquelas que mais lidamos em consultórios.

Esclerose múltipla

Nos últimos anos a Esclerose Múltipla (junto com a Esclerose Lateral Amiotrófica) tem ganhado maior visibilidade devido às diversas campanhas na internet conscientizando sobre a doença e como a patologia merece maior atenção. Vale lembrar que a Esclerose Múltipla é mais comum em adultos, mas é importante salientar que crianças também podem ser diagnosticadas.

A identificação da doença no público infantil é, por sua vez, dotada de uma dificuldade maior devido a uma possível existência de sintomas pertencentes a outros distúrbios (mas que geralmente são parecidas com aquelas observadas na Esclerose Múltipla).

Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Dentro do grupo das doenças neurológicas infantis podemos destacar o autismo como um dos mais frequentes. Importante ressaltar que o TEA tem uma abrangência considerável devido à conscientização das pessoas e ao respaldo da mídia nos últimos anos. De qualquer forma, é necessário que o autismo seja mais divulgado e que os pais saibam o momento certo de procurar ajuda profissional.

Devemos ressaltar que o autismo é um transtorno cujas funções são afetadas. Além disso, um ponto que precisa ser sempre lembrado é que o TEA compromete algumas competências (como a linguagem) que implicam em dificuldades de interação social e até desenvolvimento cognitivo.

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH)

O TDAH também já tem um conhecimento razoável por parte do público. No entanto, assim como com o autismo, o transtorno precisa ter algumas informações divulgadas para que ainda haja maior esclarecimento. Alguns sintomas do TDAH são confundidos com birra, desobediência, falta de educação e até preguiça. Isso jamais pode ser levado adiante. TDAH coisa séria e precisa ser tratado.

No rol das doenças neurológicas infantis, o TDAH também traz a possibilidade de ser acompanhado na escola. Muitas vezes o desempenho pedagógico pode sofrer algum efeito com a hiperatividade ou a desatenção. Existem maneiras de lidar com essas situações a fim de tornar mais atrativa a exposição dos conteúdos em sala de aula.

Meningite

Infelizmente, os casos de meningite têm ganhado destaque pelo crescimento em algumas partes do país e do mundo. Esta doença provoca a inflamação das meninges, uma membrana que reveste o encéfalo. Diferente do TEA, TDAH e outras doenças neurológicas infantis, a meningite deve ser tratada tão logo ela seja diagnosticada. A agilidade é crucial.

Em todos os casos, o acompanhamento médico deve ser sempre considerado, pois só especialistas estão aptos a oferecer tratamentos médicos que podem trazer a solução para os problemas apresentados.

 

Dr Clay Brites

Compartilhe este artigo

Comments 2

  1. O meu filho teve convulsão aos 11 meses e a partir daí , foi tratado como bronquite. Mas as crises melhoraram após mudarmos pra São Paulo. Ele tem o laudo de TDAH não grava o que aprende levei 3 anos pra alfabetizar. Fez a quinta série este ano. Sinto que tem leve autismo , ele é sistemático ama trator, tem criatividade pra montar e desmontar brinquedos. Dificuldade e fazer amizade com crianças. Tem um problema na coluna que quando contrariado ou se cai precisamos levar em massagista ou nós mesmos fazer a massagem. Isto desde um ano e oito meses. Fiz exames em CURITIBA com um ótimo neuro e acompanhamento no Hospital Pequeno Principe e não deu nada. Hoje lendo a matéria vejo que parece ser psicológico. As crises eram tratadas como bronquite e nem sempre era o próprio massagista falava , faltava ar vômitava . Fez 4 anos de fono e 3 anos com psicólogo. GOSTARIA DE FALAR PESSOALMENTE COM O DR. OBRIGADA

    1. Suporte Neurosaber

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *