Conhecendo a dislexia e a importância da equipe interdisciplinar no processo de diagnóstico

Dentro do grupo das dificuldades de aprendizagem, um dos destaques é a dislexia. Sempre voltamos com este tema em nossos artigos em função da solicitação de pais e mães que apresentam suas dúvidas em relação aos sintomas, aos tratamentos e às consequências dessa condição na vida de seus filhos.

As medidas adotadas para os casos suspeitos de dislexia podem ser otimizadas por meio de uma equipe interdisciplinar, tendo em vista a presença de especialistas que tendem a auxiliar os pacientes na identificação dos sintomas percebidos nesse quadro.

Sendo assim, a abordagem deste artigo será a importância de um grupo interdisciplinar no acompanhamento e na elucidação de fatos que indiquem e confirmem a existência da dislexia. No entanto, é importante relembrar alguns dos principais pontos que a caracterizam.

Conceituando a dislexia

A dislexia é uma dificuldade de aprendizagem caracterizada por déficits na linguagem, seja receptiva ou expressiva. Além disso, as funções oral e escrita também podem ser impactadas. Segundo estudos, essas dificuldades tendem a se manifestar na leitura, na escrita, na ortografia e na soletração. Entretanto, existem mais duas competências que também tendem a demonstrar algo de prejudicial, tais como processamento visual e auditivo; e lidar com situações que envolvam números.

Interessante relembrar que a dislexia é um transtorno neurogenético que afeta crianças e jovens cuja demonstração se pauta em dificuldade para entender, interpretar e memorizar os conteúdos realizados por meio da leitura.

Em uma análise divulgada aqui no site da Neurosaber, mostramos que nesta condição é comum a ocorrência de trocas, inversões e omissão de letras; assim como confusões fonéticas, dificuldades de definir esquerda-direita, realizar abstrações matemáticas, falta de memorização de sequências temporais e visuais, além de vocabulário aquém e esquecimento frequentemente de fragmentos textuais.

A multidisciplinaridade e o diagnóstico da dislexia

É extremamente válido que o processo que visa a diagnosticar a dislexia seja voltado a algumas competências imprescindíveis no desenvolvimento da comunicação e da linguagem de uma pessoa. Portanto, mostraremos a seguir quais são elas.

Consciência fonológica: essa competência metalinguística é responsável por possibilitar o acesso consciente ao nível fonológico da fala; assim como a manipulação cognitiva acerca das representações neste nível.

Processamento visual: importante salientar que o processo da leitura é aquele que envolve uma série de processamento visual dinâmica; e que também exige a incorporação de informações de padrões visuais através de sequências de movimentos oculares sacádicos e também de fixação.

Diante dessas importantes competências, é possível ver como a presença de uma equipe multidisciplinar é essencial no diagnóstico e na intervenção da dislexia. Isso significa que a criança deve ser assistida por especialistas que possam trabalhar a questão da linguagem e comunicação; assim também como aqueles que lidam com o aspecto pedagógico e psicopedagógico.

Tratamento precoce

Quando o paciente passa por intervenções precocemente, as chances de os impactos emocionais e comportamentais serem afetados diminuem consideravelmente. Com isso, o pequeno tende a encontrar um caminho aberto rumo a uma alfabetização eficaz e bastante eficiente. Claro, contando com a supervisão de professores e terapeutas.

O poder dos tratamentos da dislexia está também na redução dos riscos em até 40% dos casos registrados. Vale lembrar que a dislexia não tem cura, mas técnicas multidisciplinares com intervenção psicopedagógica, fonoaudiológica e medicação. Outro detalhe que não pode deixar de ser olhado com atenção é a adaptação no ambiente escolar que deve existir.

Tudo isso é importante, pois as crianças com dislexia não demonstram muito interesse em se expressarem. A alfabetização demora mais e, por isso, o papel dos pedagogos se mostra essencial nesse aspecto de adaptação das atividades e das maneiras de se avaliar.

 

 

Compartilhe este artigo

Comments 2

  1. ola!boa noite, este artigo foi de muita valia pois esclareceu alguns pontos que estava com dúvidas. obrigado gosto muito do trabalho de vocês.

    1. Suporte Neurosaber

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *