Consciência Fonológica: por que ela é essencial para a alfabetização?

Consciência fonológica é um tema muito importante por vários motivos. Você sabe o que isso significa? Sabia que se a criança não tiver um bom desempenho nesse aspecto, ela terá dificuldades para se alfabetizar? Por isso é muito válido que todos fiquem por dentro.

Afinal de contas, o que é consciência fonológica?

Consciência fonológica é a habilidade que nós temos em manipular os sons de nossa língua. É a capacidade de percebermos que uma palavra pode começar ou terminar com o mesmo som. Além disso, é quando sabemos que existem também termos grandes e pequenos; e que há frases (e uma segmentação nessas orações).

A consciência fonológica e a alfabetização: qual a relação?

Importante dizer que a consciência fonológica antevê qualquer método de alfabetização. Esse aspecto é relevante, pois muita gente pensa que para a criança aprender a ler e a escrever, basta apenas ensinar as letras soltas (A, B, C…).

Entretanto, o som da letra não é garantia de aprendizado. As crianças podem apresentar dificuldades. Elas tendem a mostrar problemas na hora de juntar as letras. Há casos cujos pais ou professores pensam que dando as letras, as crianças já aprendem a ler e escrever sozinhas. Mas não é assim. A letra é somente um dos aspectos que a criança aprende.

O aprendizado das sílabas contribui para a consciência fonológica?

Nós temos várias habilidades, entre elas a de segmentação de frases em palavras ou de palavras em sílabas. A sílaba representa uma dessas primeiras habilidades. Na sala de aula, esse aspecto pode ser útil. Vejam no exemplo abaixo:

– O educador pega uma categoria de palavras e trabalha com as crianças. Suponhamos que esse grupo seja referente a animais. O professor pergunta a elas que bicho é esse. Os pequenos então responderão falando de maneira silábica.

Lembre-se: da esquerda para a direita a fim de trabalhar a direcionalidade de escrita. A partir desse exercício, a criança vai lendo e falando os pedacinhos das sílabas até fixar as palavras que acabara de pronunciar.

Com que idade essa consciência pode vir?

A partir dos 3 ou 4 anos a criança já pode ter essa consciência. O mais legal é que o ambiente escolar permite que se trabalhe com categorias de brinquedos, cores, corpo humano, entre outros. Não trabalhem batendo palma, mas com algo concreto.

Estudantes com TEA e outros transtornos também podem ser beneficiados?

Sim. Alunos com autismo leve (Transtorno do Espectro Autista – TEA), dislexia, deficiência intelectual leve, e que apresentam facilidade para alfabetizar, conseguem aprender com essa técnica. Comece somente com sílabas.

E o uso de rimas?

A habilidade de rima é importante porque ela trabalha com o uso do som. O que está em jogo aqui é a sonoridade. Na falta de vocabulário da criança, faça jogo de memória de rima, usando o pareamento de palavras que rimam, além de fazer várias categorias e juntá-las. Em adolescentes e adultos alfabetizados, as rimas ajudam a melhorar a fluidez da leitura e a percepção do som.

Já pensou aprender profundamente as Técnicas Psicomotoras que podem otimizar o Desenvolvimento Infantil de uma maneira Lúdica, Encantadora e Eficaz? Em um curso online completo a Lu Brites te ensina tudo sobre Psicomotricidade com fundamentação científica e de forma prática e simplificada.

Compartilhe este artigo

Comments 8

  1. Excelente esse conteúdo, muito bem explicado, na verdade trabalhar a consciência cronológica faz toda a diferença.

  2. Amei essa publicação. Quando trabalhava com o método fônico. As crianças passavam por tudo isso e aprendiam a ler rapidinho.

  3. Ótima explanação.
    Fico feliz em ver que existem mais acesso a informação sobre educação especializada, direcionada e focada no desenvolvimento da criança. Há 10 anos atrás tudo isso era uma grande incógnita e desbravar esse campo era missão de poucos. Obrigado pelo apoio de sempre, Lu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *