Desenvolvimento neuropsicomotor no primeiro ano de vida

O primeiro ano de vida de uma criança é cercado de novidades, afinal é o momento que o pequeno começa sua trajetória. No entanto, é preciso ressaltar que nem todos os aspectos estão definidos nesse período, o que demonstra a falta de habilidades ou um possível desconhecimento a determinadas competências. O processo é baseado no passo a passo; e cada etapa conta muito para o resultado satisfatório. O desenvolvimento neuropsicomotor deve respeitar os pontos dos períodos indicados.

As funções que fazem parte desse processo

É importante chamar a atenção para o fato de o desenvolvimento neuropsicomotor contar com um conjunto imprescindível para a vida do pequeno, inclusive sua autonomia. As funções incluídas nesse grupo são as seguintes: motora, cognitiva, sensorial (contemplando a visão e a audição), linguagem, social e psíquica. O detalhe é que todas essas funções estão interligadas pelo comando cerebral.

Os especialistas utilizam os chamados itens de avaliação do desenvolvimento. De acordo com o teste de Gesell ou a triagem de Denver e outros; a classificação dessas áreas é dividida em motora fina ou adaptativa, grossa, pessoal ou de linguagem.

Habilidades que são levadas em conta no primeiro ano de vida

Devemos lembrar que o desenvolvimento neuropsicomotor é um conjunto, no qual essas habilidades tendem a funcionar juntamente aos pré-requisitos motores. Sendo assim, vejam quais são as habilidades que devem ser consideradas para o funcionamento normal da criança.

– Esquema corporal

Podemos defini-lo como a habilidade que as crianças adquirem sobre seu próprio corpo, além das partes que o compõem, dos movimentos e das atitudes. Há que se ressaltar o detalhe que diz respeito à imagem corporal e a maneira à qual a pessoa, no período da infância, passa a enxergar seu corpo. Com isso, a criança passa a se desenvolver a partir das experiências corporais com os objetos de seu ambiente e com as ligações afetivas adquiridas no contato com as pessoas que estão ao seu redor.

– Simetria corporal

É normal que ao nascer, o bebê fique com a cabeça pendida para o lado. A partir do terceiro mês de vida, a criança consegue alinhá-la com o tronco. Além disso, os bracinhos e as pernas tendem a se movimentar de uma maneira mais simétrica. Um cuidado deve ser tomado antes do terceiro mês: a assimetria do corpo é comum, mas quando ela se mostra muito acentuada, os pais devem consultar um médico. Há risco iminente de problemas no desenvolvimento.

– Flexão do período neonatal

Quando o bebê nasce, reparem que ele fica com os braços e as pernas semi-flexionados. Isso acontece porque a criança, após o nascimento, ainda demonstra domínio do chamado tônus flexor. Com o passar do tempo, o pequeno apresenta uma diminuição dessa habilidade, em função do desenvolvimento da extensão ativa do próprio corpo.

Transferência do peso corporal

Dentro do desenvolvimento neuropsicomotor, ocorrido no primeiro ano de vida, ocorre também o que chamamos de transferência do peso corporal. Isso acontece quando a criança passa a firmar o corpinho, apoiado em algum lugar, para ficar sentada. Além disso, quando ela é colocada de pé, a postura ortostática é estimulada.

A cada três meses, a partir do nascimento, o bebê vai demonstrando a aquisição de habilidades que significam um verdadeiro progresso. Sendo assim, no 3º, 6º, 9º e 12º mês a criança apresenta alguns ganhos relevantes. Vejam os principais de cada fase:

– 3 meses: vocalização e gritos, cabeça mais firme e simetria corporal;

– 6 meses: alcança e segura objetos alternando as mãos; olha em direção à fonte sonora;

– 9 meses: engatinha e começa a ficar em pé;

– 12 meses: anda e solta as primeiras palavrinhas.

Compartilhe este artigo

Comments 4

    1. Suporte Neurosaber
    1. Suporte Neurosaber

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *