Desobediência ou transtorno opositivo desafiador?

Duas situações podem ser presenciadas em uma criança ou um adolescente: a desobediência ou o transtorno opositivo desafiador (TOD). Ambos significam a mesma coisa? Basta uma conversa mais séria ou um castigo (deixar de ir a um lugar que seu filho gosta, cortar os joguinhos por um tempo, colocá-lo sentado no mesmo canto da casa por uma hora? Deve-se procurar auxílio profissional?

Há uma série de questionamentos em torno disso tudo; no entanto, o mais importante é a informação, sobretudo por desobediência e TOD serem diferentes e exigirem técnicas distintas para sua devida solução. Vamos ver os pontos que distinguem um do outro.

Desobediência

Uma criança ou adolescente desobediente pode estar em qualquer lugar. Quem de nós, por exemplo, nunca esteve em uma situação a qual o pequeno insiste em não obedecer a uma solicitação, uma ordem imposta por nós? “Não brinque na rua!”, “não abra o portão!”, “desligue o chuveiro!”, “coloque o cinto de segurança!”, “desligue já esse computador!”, “faça o dever agora, depois você brinca!”; enfim, todas as advertências que damos diariamente aos nossos filhos devem ser seguidas para o próprio bem deles.

O problema é quando nossos filhos não respeitam e insistem em continuar fazendo aquilo que pedimos para não fazer por simples teimosia ou pirraça. Isso é a desobediência e é algo comum em crianças e adolescentes. Nada como uma conversa ou uma advertência mais séria (nada de agressões físicas ou verbais) para que os pequenos passem a refletir sobre suas atitudes. Todos podem ter, ao longo da infância, uma fase de desobediência e isso passa.

Transtorno opositivo desafiador (TOD)

O TOD, por sua vez, é algo mais sério a ser lidado. Não se trata de algo que possa ser solucionado com uma conversa. O TOD é caracterizado como uma condição em que a criança adota uma postura de teimosia frequente, hostilidade e lado desafiador (como o nome já mostra). Não existe, na literatura médica, algo que mostre sua causa, mas sabe-se que o ambiente a qual o pequeno está inserido pode ser crucial para influenciá-lo.

A diferença entre a desobediência e o TOD está na intensidade, uma vez que a primeira situação ocorre em determinados momentos e a segunda, em praticamente todos.

Como fazer então para identificar o TOD?

Há alguns comportamentos que são possíveis de serem percebidos quando se trata de TOD, veja abaixo alguns deles:

– Discussões diárias com pais, colegas de sala e professores;
– Hostilidade com tudo e todos;
– Pessimismo;
– Comportamento vingativo;
– Ataques de fúria;
– Predominância de agressividade;
– Outros.

Diagnóstico

Para diagnosticar o TOD, é preciso que a criança seja consultada por psicólogos, pois só eles podem aplicar métodos que captem a existência do TOD.

Tratamento

Como esses casos podem ser tratados? Para isso, é necessário que os pais procurem auxílio com psicólogos e psiquiatras para que possam estabelecer um tratamento baseado em técnicas que visam modificar o comportamento da criança ou adolescente diagnosticado com TOD. Importante ressaltar que quando existe uma parceria entre psicólogos, a escola e os pais da criança, a possibilidade de oferecer ao paciente uma melhora significativa é enorme.

Veja também como lidar com o TOD:

Agora, imagine entender profundamente como avaliaridentificar e auxiliar no tratamento multidisciplinar do TOD em casa e na Escola. Em um E-book + 4 video aulas o Dr. Clay Brites e Malu Rossi te ensinam tudo sobre TOD com fundamentação científica e de forma prática e simplificada.

Resultado de imagem para clique aqui e saiba mais

Compartilhe este artigo

Comments 18

    1. NeuroSaber Responde
  1. Nossa meu filho apresenta vários desses sintomas ele já está sendo medicado a3 anos com rispiridona devo entrar com outro medicamento também ?

    1. NeuroSaber Responde
  2. Olá!
    Meu enteado(Davi) tem 8 anos de idade , e eu noto a dificuldade em aceitar regras falta de interesse na escola, extremamente teimoso e questionador! e se dispersa com muita facilidade.
    Fez tratamento psicológico durante +- 1 ano….mas infelizmente não tivemos o resultado esperado.
    Hoje ele está indo para 4° Ano, mas noto muita dificuldade em memorizar o aprendizado.
    Gostaria de saber necessito procurar qual especialidade médica? Pois somos da cidade de Suzano /SP.
    Peço que por gentileza nos oriente, para que possamos não ter problemas futuros.
    Desde já agradeço e fico no aguardo de resposta

    Jussara

    1. NeuroSaber Responde
    1. NeuroSaber Responde
  3. Bom dia!
    Minha filha sempre discute, debate regras, questiona com muita inteligência e aspereza e é hostil com o irmão, adora ver ele perdendo. Mas ela não é agressiva, como vejo mães comentarem que quebram tudo em casa e ameaçam até os pais de matar.
    Precisa desse extremo pra ser o transtorno? A minha é diagnosticada com tod, mas qdo vejo outras maes queixarem assim fico com esse questionamento. Obrigada. Lilian

    1. NeuroSaber Responde
  4. Olá boa noite
    Meu filho tem 8anos e m casa e penso que na escola tb sempre que e contrariado ou se não e do jeito dele fica agressivo manda tudo o que tiver a mão bate a mim ao pai enfim e ainda chama nomes… Com os amigos ele não e assim na catequese tb não.. Ele está médica do com aripiprazol(penso que seja assim que escreve) tem Pedopsiquatra, e psicóloga na escola… Não sei mais o que fazer… Ando desgastada ainda está sexta ele tentou bater a professora mas ela tb já lhe bateu e puxou orelhas.. Vai começar numa nova turma a esxpriencia para ver o que da.. Desde já obrigada.. Adorei os seus vídeos.

  5. Olá, tenho um filho do 5 anos e ele ultimamente tem tido um comportamento parecido com os do TOD, que especialista devo procurar para diagnosticar se realmente é TOD? Ele muda de humor e fica agressivo do nada. Desobediente, sempre faz o contrário do que se pede. Não estou sabendo lidar com isso.

    1. NeuroSaber Responde
  6. Olá, meu filho tem 5 anos e se enquadra em boa parte desses sintomas: não pode ser contrariado, é rebelde, agride a mim e a minha mãe, não aceita um não, dita regras e não me obedece, não aceita advertências, etc. Não tem medo de broncas, grita e dá socos, mas é assim: do nada! Explico: há momentos ou dias em que tudo está calmo e de repente, ele surta. E acontece com boa parte dos sintomas relatados nesta matéria e nesse meu comentário, já fala palavrão e urra. Depois desses minutos angustiantes, ele se acalma, pede desculpas ou chora e aí, passou como se nada tivesse acontecido. Desde que tinha 1 aninho , quando dava muitas cabeçadas quando era contrariado. Já levei ao psicólogo, ele disse que não é nada, que era birra e que quando começasse a frequentar a escolinha, iria mudar seu comportamento, pois estaria na companhia de outras crianças e relaxar com as atividades. Passou pelo neurologista, que disse a mesma coisa mas que receitou um Rivotril para acalmar a fúria de bebê. Levei a uma outra neuro especialista em crianças, que disse que ele é muito novinho para diagnosticar algum transtorno, que se estivesse frequentando escolinha melhoraria seu comportamento e para manter calmo, receitou Risperidona (mandou cortar o Rivotril) por 3 meses; após este tempo recomendou Neuleptil. Tomou por 2 anos.
    Numa consulta de rotina com o pediatra, ele “explodiu” no consultório, com vontade de atirar tudo no chão e gritos. O médico além de pediatra, era também psiquiatra. Pediu que fossemos consultar no outro consultório dele numa clinica terapêutica e particular (fora do meu convênio) e receitou Depakene. essa medicação cortei imediatamente na primeira semana, porque apareceram manchas embaixo do queixo e ele não parava de coçar pelo corpo. Na ultima consulta com o neuropediatra (conforme relatei acima, tínhamos acompanhamento a cada 2 meses) e devido à boa evolução na escolinha, o neuro cortou Neuleptil e recomendou Ritmoneuran ou Calman, mas ainda assim, continua com toda essa agressividade. Agora estamos prestes a consultar com um psiquiatra nos próximos dias. Qual a sua opinião diante deste meu relato, e porquê entre tantas idas e vindas, o transtorno parece nos fazer sofrer cada vez mais e sem solução?

    1. NeuroSaber Responde
  7. Bom dia sou professora na educação infantil tenho um aluno de 4 anos e ele tem um comportamento assim é agressivo com os colegas e até mesmo comigo morde bate e outros não aceita o não, reconhece todas as letras do alfabeto, vogais, numerais mas não sabe traçar, grita o tempo todo , regras nem pensar é uma difícil ficamos fechamos na sala Pq se não ele sai e apronta lá fora com outras crianças .

    1. NeuroSaber Responde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *