Dislexia

Dislexia no pré-escolar ou na educação infantil

A dislexia é um problema que afeta milhares de crianças ao redor do mundo inteiro. Entretanto esse é um problema que muitas vezes não é identificado precocemente e pode trazer sérios prejuízos ao desempenho da criança.

Por esse motivo é que vamos falar aqui sobre a dislexia na pré-escola ou na educação infantil, para que você possa ficar atento aos sinais que a criança oferece.

O que é Dislexia?

A dislexia nada mais é do que um transtorno ou distúrbio da aprendizagem que afeta a área da escrita, da leitura e também da soletração sendo um dos transtornos mais encontrados nas salas de aula do mundo inteiro com uma incidência entre 05% e 17% na população mundial.

O grande problema desse transtorno é que ele é, muitas vezes, atribuído a uma má alfabetização, a falta de atenção por parte do aluno, à falta de motivação e até mesmo a problemas relacionados à condição socioeconômica da criança, o que é um erro.

O que você precisa realmente saber é que a dislexia é um transtorno decorrente de condições hereditárias com alterações genéticas podendo apresentar ainda alterações no padrão neurológico da pessoa afetada.

Isso tudo que falamos até agora é somente para demonstrar a importância que tem o diagnóstico correto da dislexia através de uma equipe multidisciplinar.

Essa avaliação permite averiguar as condições da criança para promover um acompanhamento adequado e eficiente das dificuldades apresentadas, podendo direcionar esse tratamento justamente para as peculiaridades apresentadas por cada um dos indivíduos proporcionando assim resultados mais palpáveis.

Sinais de que a criança pode ter dislexia

É muito comum que crianças com dislexia apresentem algumas características marcantes e que devem ser enxergadas com atenção e não desprezo.

Muitas vezes as crianças com esse distúrbio olham para o quadro e simplesmente não compreendem aquilo que está escrito.

Pelo fato de a pré-escola ou a educação infantil serem o momento de alfabetização o mais comum é que o problema seja identificado ainda nessa fase do aprendizado.

Veja agora alguns sinais que podem servir como um alerta de que a criança tem dislexia:

  • Confusão entre sílabas e letras

Enquanto as crianças que não possuem o transtorno identificam facilmente as diferenças ente “d” e “b” e “h” e “n”, por exemplo, as crianças com dislexia confundem-se com essas letras pois possuem grafias semelhantes. Assim também é com letras que tem o som semelhante como “d” e “t”.

Também acontece de inverterem as sílabas de uma palavra ou mesmo adicionarem uma sílaba extra.

  • Desenvolvimento motor afetado

Esse é um ponto importante que pode ser observado antes mesmo da alfabetização pois é comum que crianças com dislexia apresentem atraso no desenvolvimento motor.

Assim sendo ela pode demorar a engatinhar, a caminhar ou mesmo sentar, sendo que o problema pode ser observado também algum tempo mais tarde em dificuldade com certas brincadeiras como chutar uma bola, ou desenhar.

  • Aversão à escola

É comum que crianças nessa condição desenvolvam baixa autoestima e relutância em ir para a aula visto que, devido às suas dificuldades, não se sentem bem no ambiente escolar.

Não confunda esses fatos com preguiça ou mesmo desinteresse por parte do aluno, o problema pode ser mais sério.

  • Memória e raciocínio

Se engana que acredita que todos os sintomas da dislexia se apresentam na parte escrita. Eles também podem aparecer através da dificuldade de acompanhar um raciocínio ou uma explicação mais longa.

Atenção

Embora os sinais citados acima, isoladamente, não classifiquem que a criança é disléxica é preciso estar atento ao desenvolvimento dos pequenos. Estar em contato com a escola e com os professores também pode ajudar muito no processo de descoberta do problema.

Compartilhe este artigo

Comments 22

  1. Meu marido troca o q pelo g pior é que o nome dele é Joaquim e minha filha troca o f pelo v ela já e adulta e quando vai escrever sempre tem dúvidas

  2. Desconfio que minha filha tenha dislexia. Porém na escola colocaram ela no reforço. Ela tem 8 anos e lê com dificuldade e até os 6 anos trocava silabas para falar ex: Desiree ela falava derrise não conseguia falar palavras grandes e até hoje não memoriza canções nem sabe rimar. Com o reforço ela conseguiu melhorar a leitura, mas tenho medo de apenas mascararem o problema.

    1. Adriane, é importante voce estar levando sua filha para fazer uma avaliação fonologica para identificar as causas das possiveis dificuldades que possa estar ocorrendo.

  3. Pingback: Principais Sintomas e Diagnóstico de Dislexia - Artigos | NeuroSaber

  4. Ola..ja faz um mes q estou com essa desconfianca..estava eu lendo tbm sobre hiperatividade e deficti de atencao..pq ela é bem desligada..e mt agitada..mas hj ja coloquei na cabeça q em questao do agito, é pq é crianca mesmo..mas em questao a prestar atenção estou meio preocupada..apesar de que na escola ela nao tem nenhum tipo de reclamacao..mas isso me preocupa mt.pois as veses parece estar em outro mundo.

  5. O meu filho quando era pequeno ele caiu da escada e bateu a cabeça no chão,imediato ele deu convulsão ,ele ficou tomando remédio controlado até 8 anos.E ele passou na fonodiologo e apresentou que ele tem dislexia no aprendizado dele.

  6. Tenho um aluno de 4 anos que ainda nao tem a predominancia lateral definida, nao consegue desenhar devido a falta de coordenaçao a motora fina e apresenta muita frustração por nao conseguir atingir os mesmos resultados que os mesmos alunos e sofre com ansiedade para tudo. Seria o caso de dilexia visto que tem muitas outras habiçidades.

    1. O diagnóstico é complexo e não podemos realizar por aqui, mas continue investigando e tente trabalhar para diminuir a ansiedade dele, pois isso pode atrapalhar também.

  7. Meu filho foi diagnosticado com dislexia deverá aos 10 anos pela ABD. Porém até o diagnóstico o caminho foi árduo. Pois as escolas não estão preparadas para trabalharem com esse tipo de aluno. Na maioria das vezes ele era deixado de canto pois, para os professores, ele era desinteressado. Depois do diagnóstico as coisas ficaram mais fáceis, contudo ainda era preciso fazer adaptações na forma de estudar e, embora nem todos os professores saibam como conduzir um dislexicos, encontramos alguns que fez a diferença. Hoje ele tem 17 anos e está se preparando para fazer direito. Já terminou o ensino medio. Fez a prova do Enem com auxilio de um leitor e transcrito e ficou com a média acima de 700. Costumamos dizer que ele encontrou o caminhondas pedras. Mas isso só foi possível graças ao diagnóstico é muito comprometimento nosso e dos mestres que o acolheram com carinho.

  8. BOM DIA! MEU FILHO, TEM 5 ANOS, ELE TEM DIFICULDADE NA FALA, NÃO FALA DIREITO! FAZ TRATAMENTO COM FONO DESDE OS 3 ANOS… TEM EVOLUÍDO, MAS POUCO!
    AGORA COM A CHEGADA DA ALFABETIZAÇÃO, VIMOS QUE ELE ESTÁ COM UMA ENORME DIFICULDADE EM GRAVAR AS LETRAS DO ALFABETO, OS NUMEROS E ATÉ MESMO MEMORIZAR AS COISAS!
    PERCEBI QUE SE ENCAIXA PERFEITAMENTE NOS ITENS CITADOS DO TEXTO!
    ESTAMOS UM POUCO PERDIDOS, EM COMO INICIARMOS O PROCESSO PARA AJUDA-LO A AMENIZAR TUDO ISSO!
    QUAL O PONTO DE PARTIDA? DE ONDE COMEÇAMOS? QUAL PRIMEIRO PROFISSIONAL QUE DEVO LEVA-LO?

    1. NeuroSaber Responde
  9. Boa tarde!

    Gosto muito das postagens que leio aqui na página, é um aprendizado que não tem preço.
    Gostaria de orientação sobre minha menina; com 10 anos ainda não é alfabetizada, não foi detectada com a dislexia ( ainda) por parte da equipe de neuro, fono e psicologa, onde faz acompanhamento. Teve, até aos 3 anos, antes de apresentar as crises convulsivas, um desenvolvimento normal. Faz uso de três medicações controladas devido as crises; a fala e as atitudes, em sua grande maioria, são infantilizadas. No último teste aplicado pela neuro, sua idade cognitiva foi classificada em 5 anos e 6 meses. Como proceder? Que tipo de atividades e atitudes, como mãe e responsável pelo seu desenvolvimento academico tambem, posso fazer uso para auxiliá-la?

    1. NeuroSaber Responde
  10. Boa noite me chamo Tatiana, tenho um filho de 5 anos que apresenta atraso na fala,no desenvolvimento motor e na escola apresenta dificuldade na escrita,troca fonemas e tem escrita espelhada. Ele se enquadra na dislexia?

    1. NeuroSaber Responde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *