Intervenção psicopedagógica em casos de TEA

As intervenções são terapias que especialistas aplicam em pacientes a fim de promover o desenvolvimento de aspectos fundamentais para a sua autonomia. Dentro dos casos envolvendo distúrbios e doenças que interferem na cognição, esses tratamentos são bastante necessários. Sendo assim, o artigo de hoje falará sobre a psicopedagogia no TEA (Transtorno do Espectro Autista) e como essa área do conhecimento pode contribuir para a pessoa que vive com autismo.

O que é a psicopedagogia?

De acordo com definições acadêmicas, a Psicopedagogia é uma área destinada a investigar a relação da criança com a aprendizagem. Isso inclui uma abordagem que transita entre aspectos psicológicos, pedagógicos, cognitivos e afetivos. Esses quatro pilares são comumente observados em uma criança ou jovem com autismo, pois eles são responsáveis também pelo comportamento da pessoa no espaço em que vive.
Deve-se salientar que o campo psicopedagógico é amplamente investigativo, dando ao profissional total condição para que o especialista crie formas de desenvolver o melhor caminho para a aprendizagem.
Pesquisadores da área afirmam que a psicopedagogia tem a prerrogativa de se basear na “observação e análise profunda de uma situação concreta”. Isso possibilita que o psicopedagogo tenha conhecimentos prévios e fundamentados das características do TEA e, assim, proporcionar aos pequenos uma intervenção eficaz; principalmente que trabalhe os aspectos comportamentais e cognitivos.

A psicopedagogia no TEA: impulsionado o conhecimento

O profissional da área tem a missão de estabelecer a maneira mais adequada de socializar os conhecimentos que estão disponíveis, incentivar o desenvolvimento cognitivo da criança e ajudá-la na construção de regras de conduta mais assertivas; enfocando a convivência do indivíduo na sociedade.
Além disso, vale ressaltar que a psicopedagogia no TEA tem a função de contribuir na compreensão, assimilação e orientação comportamentais, possibilitando aos pacientes um novo padrão de se relacionar com o mundo e até mesmo a quebra de paradigmas.

Desafios da psicopedagogia no TEA: estímulo para os especialistas

Diante da abrangência da psicopedagogia nas intervenções propostas para o autismo, pode-se afirmar que a área em si lida com a aprendizagem como processo de construção. Isso é responsável pela formulação de aspectos (inquietações, curiosidades e reformulações) que se apresentam como desafios para os profissionais, sobretudo na busca por uma interação mais aprofundada com o indivíduo.
Existe outro ponto que simboliza o desafio para a psicopedagogia no TEA: o fato desses profissionais atuarem com o enfoque diferente dos demais especialistas, cujas intervenções também são voltadas para esses casos (autismo). Importante salientar que a ação psicopedagógica procura focar não a patologia em si (TEA), mas os aspectos que contribuem na aprendizagem da criança. Isso é possível graças ao papel do psicopedagogo em apresentar o ato de aprender, mas de uma forma que una a aprendizagem com a peculiaridade que a criança tem de construir o seu conhecimento.

Respeitando cada caso

A psicopedagogia no TEA é uma área de extrema relevância para o desenvolvimento de uma pessoa que viva com autismo. No entanto, é imprescindível que os terapeutas saibam abordar cada caso de forma separada a fim que as intervenções promovam os pontos desejados para a criança e adolescente: capacidade de compreensão e assimilação na interação com outras pessoas; desenvolvimento de técnicas comunicativas, entre outro.

Compartilhe este artigo

Comments 12

    1. Suporte Neurosaber
    1. Suporte Neurosaber
  1. Sou psicopedagoga e pela primeira vez vou trabalhar com uma criança com TEA de 2 anos. Gostaria de receber mais informações, artigos sobre o trabalho com esta faixa etária.
    Obrigada

    1. Suporte Neurosaber
  2. Sensaciona!!!
    Parabéns pelo artigo. Minha pergunta seria sobre o autor do artigo, mas vi acima sua resposta ????

  3. Vou escrever um artigo. Gostaria de saber, se a caso vcs poderiam indicar trabalhos, livros e/ou outros artigos sobre a psicopedagogia e o autismo
    ..Grata

    1. Suporte Neurosaber

      Olá Rose , Segue sugestões de leitura:

      Transtornos do Espectro Autista

      José Salomão Schwartzman

      Ed. Memnon

      Autismo : Perspectivas no Dia-a-Dia

      Marcia Valiati

      Sérgio Antoniuk

      Ed. Ithala

      Artigos Científicos em Autismo

      Bosa C. Autismo: breve revisão de diferentes abordagens. Psicol. Reflex. Crit. 13(1), 2000.

      AMERICAN ACADEMY OF PEDIATRICS – Committee on Children With Disabilities

      The Pediatrician’s Role in the Diagnosis and Management of Autistic Spectrum Disorder in Children. 2001; Pediatrics, 107(5):1221-1226

      Matson JL, Goldin R. Comorbidity and autism: Trends, topics and future directions. Res Autism Spect Dis. 2013; 7:1228-33.

      Jeste, SS; Tuchman, R. Autism Spectrum Disorder and Epilepsy: Two Sides of the Same Coin? Journal of Child Neurology. 2015; 1-9

      Maenner MJ e cols. Potential Impact of DSM-5 Criteria on Autism Spectrum Disorder Prevalence Estimates. JAMA Psychiatry. 2014 March ; 71(3): 292–300.

      Gomes PTN e cols. Autism in Brazil: a systematic review of family challenges and coping strategies. J Pediatr (Rio J). 2015; 91(2):111-121.

      American Academy of Child and Adolescent Psychiatry (AACAP). PRACTICE PARAMETER FOR THE ASSESSMENT AND TREATMENT OF CHILDREN AND ADOLESCENTS WITH AUTISM SPECTRUM DISORDER. 2015

      Francisco B Assumpção Jr FB, Pimentel ACM. Autismo infantil. Rev Bras Psiquiatr 2000;22(Supl I):37-9

      Krevelen DAV. Early Infantile Autism and Autistic Psychopathy. Journal of Autistic and Childhood Schizophrenia. 1971; 1(1): 82-86.

      Weidenhem KM. Neuropatología del Autism. Rev Bras Psiquiatr 2000;22(Supl I):37-9

      Czermainski FR. AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA DAS FUNÇÕES EXECUTIVAS NO TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO . Dissertação de Mestrado. UFRGS, 2012.

      Barbeau EB e cols. Comparing Motor Skills in Autism Spectrum Individuals With and Without Speech Delay . Autism Res 2015; 1-12.

      APA (2011) vd. http://www.dsm5.org/proposedrevision/Pages/ SchizophreniaSpectrumandOtherPsychoticDisorders.aspx

      Pereira A, Riesgo RS, Wagner MB. Childhood autism: translation and validation of the Childhood Autism Rating Scale for use in Brazil (Autismo infantil: tradução e validação da Childhood Autism Rating Scale para uso no Brasil) J Pediatr (Rio J). 2008; 84(6):487-494.

      Dewey D, Cantell M, Crawford SG. Motor and gestural performance in children with autism spectrum disorders, developmental coordination disorder, and0or attention deficit hyperactivity disorder . Journal of the International Neuropsychological Society (2007), 13, 246–256.

      Durkin MS e cols. Autism Screening and Diagnosis in Low Resource Settings: Challenges and Opportunities to Enhance Research and Services Worldwide.

      Autism Research 00: 00–00, 2015.

      Silva M, Mallick, JA. Diagnosticando o Transtorno Autista: Aspectos Fundamentais e Considerações Práticas . PSICOLOGIA CIÊNCIA E PROFISSÃO, 2009, 29 (1), 116-131.

  4. Parabéns à equipe do Neurosaber, sou Psicopedagoga, e estou iniciando trabalho com crianças autistas, em paralelo com a arte (desenho e pintura), e o conteúdo que essa equipe nos oferece, é muito valioso para desenvolvermos nosso trabalho e aprender mais sobre esse universo.

  5. Florinda E. Sellis

    Parabéns à equipe do Neurosaber, sou Psicopedagoga, e estou iniciando trabalho com crianças autistas, em paralelo com a arte (desenho e pintura), e o conteúdo que essa equipe nos oferece, é muito valioso para desenvolvermos nosso trabalho e aprender mais sobre esse universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *