Linguagem na pessoa com Transtorno de Asperger: quais as características?

Hoje vamos falar sobre a linguagem no transtorno do espectro autista, sobretudo no Asperger. A pessoa que se enquadra dentro das características existentes no Asperger tende a manifestar aspectos mais brandos e mais funcionais. A criança, por exemplo, tem maior facilidade para cumprir os processos sociais (e acadêmicos) aos quais ela está inserida.

A linguagem, dentro do Transtorno de Asperger, apresenta algumas peculiaridades que são importantes para que possamos ver como o pequeno se comporta, como ele se comunica, como ele recebe ou transmite informações. Sendo assim, é imprescindível que haja um acompanhamento com profissionais para impulsionar uma melhor qualidade de vida.

O que é linguagem?

A linguagem é a forma, o meio, o mecanismo o qual nos comunicamos. Ela requer diversas maneiras que as pessoas usam para estabelecer a comunicação. A nossa linguagem é estruturada em cinco grandes eixos, a saber:

– Linguagem lexical: formação da palavra;
– Linguagem morfossintática: relação entre as palavras;
– Linguagem fonológica: os sons das letras que formam as palavras;
– Linguagem pragmática: sentido contextual das palavras;
– Linguagem semântica: significado que a palavra tem e como ela se assume no contexto.

Por que isso é importante?

A relevância disso está no fato de a linguagem, nas suas mais diversas formas de avaliar em suas variáveis, pode ajudar profissionais no diagnóstico de uma pessoa que apresentam algum transtorno.

Muitas síndromes genéticas mostram, especificamente, alterações que se divergem nesses cinco tipos de estruturação da linguagem. Isso é muito importante no momento da investigação multidisciplinar. Pode-se notar o papel fundamental dos profissionais de fonoaudiologia.

E no Transtorno de Asperger? O que está alterado nesses eixos de linguagem?

Saber essas informações é bastante relevante, pois o especialista pode proporcionar uma intervenção que atenda as necessidades do paciente.

Ajudar uma criança, que esteja incluída dentro do Asperger, a se comunicar requer ver quais os pontos fracos e pontos fortes na linguagem do indivíduo. Vale ressaltar que adolescentes e adultos também podem mostrar dificuldades causadas pelo transtorno em questão.

Particularidades

Veja a seguir as características das pessoas com Asperger em cada tipo de linguagem.

Linguagem morfossintática: conhece muito bem as regras gramaticais. Além disso, a pessoa com Asperger sabe como organizar a sequência; ela adota utilização repetitiva e fora do contexto (uso de palavras muito rebuscadas para a idade). Há que se notar, porém, que essas pessoas nem sempre sabem adequar as palavras que sejam condizentes com o momento.

Linguagem fonológica: eles conseguem imitar sons de letra, identificar sons isolados. A dificuldade está na utilização dos sons e letras para dar a devida entonação nas palavras e a prosódia para a fala. O Asperger fala de forma mecânica.

Linguagem semântica: uso de palavras sofisticadas, renomadas e requintadas. A dificuldade está no uso de vocábulos de maneira informal, ou seja, termos e apelidos. A repetição também é uma característica desse aspecto. Palavras que denotam tempo, abstração e espaço são os maiores obstáculos para o domínio de fala pela pessoa com o transtorno.

Linguagem pragmática: pessoas com Asperger têm dificuldade muito séria em usar palavras de duplo sentido, significado implícito, figurativas, etc. Muitas delas, quando chegam a um ambiente, tendem a se retrair.

Importante saber

– A criança, adolescente ou adulto com Asperger, geralmente, costuma falar demais em determinados ambientes e não respeitam o tempo do outro para se comunicar;

– Pessoas que apresentam o transtorno podem ter dificuldades na linguagem aplicada à leitura, sobretudo quando ela precisa dominar todos esses aspectos citados acima;

– O Asperger é altamente genético;

– Evite metáforas (ou explique antes o sentido da expressão utilizada);

– Crianças com Asperger são, na prática, autistas.

Compartilhe este artigo

Comments 63

  1. Boa tarde querida esses artigos estão me ajudando muito porque meu filho foi diagnosticado com Asperger é adora ler mais tem dificuldade em escrever mais temos que fazer o dever em casa comigo isso ficar cansativo pra mim é ele gostaria que vc me falasse alguma estratégia que poderia usar com ele ,porque tem dia que faz na escola.obrigada

    1. NeuroSaber Responde
    1. NeuroSaber Responde
  2. Olá Dra. Lú.

    Tenho um filho de 13 anos, que eu como mãe tenho certeza que é Asperger… Porém não consegui que os profissionais da minha cidade me dessem um laudo. Estamos apenas no achismo. Sempre que leio ou assisto ao material que a Neurosaber disponibiliza tenho mais certeza que a minha impressão maternal esta certa…rsrsrsr.. Mas tenho me preocupado mais, pois estou vendo nele algumas características de TOD … Porém , a agressividade dele é apenas comigo, com as irmãs… Com o pai, não. Mas com relação a matéria, de fato, a forma de falar,as palavras utilizadas é muito diferente das demais crianças da idade dele. Gostaria de saber se há possibilidade de termos os dois aspectos ( Asperger e TOD) em uma criança …

    1. NeuroSaber Responde
  3. Muito interessante. Simples e de fácil compreensão. Farei uma cópia e entregarei aos professores do meu filho,ele tem muita dificuldade no momento das provas em entender as questões mais subjetivas,mas nem todos levam isso em consideração .Talvez por desconhecimento.

  4. Gostei do texto. Simples, fácil de compreensão e condizente com os aspectos de fala da pessoa portadora de autismo.

  5. Muito interessante a matéria sobre Asperger, pois nós profissionais da educação temos muito ainda que aprender e buscar informações sobre os transtornos.

  6. Muito boa a explicação. Tenho um filho Asperger e ele tem dificuldades nas linguagens como descrita nesse artigo. É um adolescente de 15 anos, muito comunicativo , mas ainda tem muita dificuldade de dar espaço para o outro falar, ou seja , fala muito . Porém, com a idade e amadurecimento tem apresentado melhoras significativas. Muito bom ver essa evolução.

    1. Muito boa a explicação. Tenho um filho Asperger e ele tem dificuldades nas linguagens como descrita nesse artigo. É um adolescente de 15 anos, muito comunicativo , mas ainda tem muita dificuldade de dar espaço para o outro falar, ou seja , fala muito . Porém, com a idade e amadurecimento tem apresentado melhoras significativas. Muito bom ver essa evolução.

  7. Boa noite …
    Gostei muito do artigo..dicas bem legais para fazer observações
    Tenho dois alunos que apresentam características de Asperg
    Um se socializa pouco, demonstra sensibilidade ao barulho..o outro parece q não esta presente na sala,você pergunta algo, ele responde com a fala desconexa..sem sentido.
    O que mais posso acrescentar nas observações para poder fazer observações aos pais?

  8. Legal o artigo. E as observações são verdadeiras,tive na sala regular um aluno com Asperger.
    Hoje na sala AEE tenho um aluno com Asperger com este nível e outra criança que não fala nada,mas executa com organização os comandos.

  9. MUITO INTERESSANTE! ESSES ARTIGOS ESTÃO ME AJUDANDO A TER UMA MELHOR COMPREENSÃO E COMO LIDAR COM OS ALUNOS EM SALA.

  10. Boa Noite!
    Também gostei do artigo, achei suas colocações importantes, pois aonde eu trabalho tem uma criança com as características bem parecida com a que você coloca no presente artigo. Infelizmente os pais ainda não aceitam a situação do filho. Eles falam que o filho é diferente, mas não procuram nenhum tipo de ajuda tanto para os mesmos quanto para a criança.

  11. Boa noite!!!
    Iniciei a leitura dos artigos… informações preciosas. Estou feliz, pois, sei que irá me ajudar.
    Faço pós, educação especial e inclusão .

  12. Oi, amei a matéria. Tenho um amigo (adulto – 45 anos) que eu já noto a bastante tempo que ele tem algo diferente. Sempre li muito e me interesso por esses assuntos, não sou professora mas lido com crianças (escolinha na igreja onde congrego) e sou secretária de vários psicólogos e psicopedagoga. Mas, voltando ao meu amigo, lendo essa matéria percebo que ele se encaixa em muitas das características citadas. Como posso ajudá-lo? Já tentei entrar em um assunto para consultar um psicólogo mas não me deu resposta. É um assunto bastante delicado quando se trata de adulto, principalmente nesse caso que nunca se cogitou isso.

  13. Muito boa as dicas……estou aprendendo a lidar com o autismo. Tenho um filho que vai fazer seis anos e está na fase da repetição…….repete todos os anúncios que ouve…..

  14. boa noite adorei tudo que foi dito ,meu filho de 7anos e bem assim ,ele foi dia ginosticado com autismo tdah e deficiência intectual ,e muito difícil,muito!!!,parabéns vocês me ajudam muito,obrigado!!!!!

  15. Boa Noite! Sou Professora
    Gostei muito, pois pretendo fazer a minha pós em psicopedagogia.
    Já tive um caso na sala de uma aluna e que vi que a mesma apresentava
    indicio de asperg. Comuniquei a Diretora e a pedagoga e levamos o caso a mãe. Mas
    infelizmente não foi bem aceito. Encaminhamos para uma psicopedagoga.
    Era o primeiro contato dela com a escola. Confesso que foi muito complicado.
    Obrigada pela explicação, achei muito bom.

  16. Boa noite, querida Luciana e equipe neuro saber.
    Gostei muito do artigo , como sempre nos trazendo informações valiosas que nos auxiliam e nos ensinam como melhorar a maneira de lidar com as crianças com o transtorno de asperger é muito importante conhecer as peculiaridades desse transtorno para saber como ajudá-las de forma segura e mais eficaz . Parabéns pelo artigo muito obrigada e que Deus os abençoe sempre!

  17. Boa noite!
    Tudo bem!
    Artigo excelente!
    Sou professora pedagoga e pós graduada em psicopedagogia.
    Tenho um netinho de 6 anos, observa-se que ele não consegue concentrar-se em certos interesses, por muito tempo, porém concentra-se em apenas um por muitas e muitas horas… Sendo assim; me preocupa bastante, pois a sua fala parece ser muito formal para sua idade e, parece não entender as limitações sociais e evita a interação com seus coleguinhas. Demonstra certas dificuldades em realizar certas habilidades motoras, não chora em hipótese alguma e não apresenta expressão de felicidade..
    E na maioria das vezes encontra se andando nas pontas dos pés e, evita o contato visual por completo. Desde os primeiros anos de escolaridade vem apresentando dificuldades de interação social, e sempre preferiu brincar sozinho, vive no seu mundinho, as professoras pra ele parece ser desconhecida e ou atá mesmo se isola de todos.
    Gostaria de receber sugestões que nós educadores e familiares pudéssemos trabalhar com ele…
    Obrigada!!!

    1. NeuroSaber Responde

      Sem avaliação, não podemos dar uma orientação precisa sobre o caso. É importante buscar um especialista para lhe dar melhores informações e orientações para uma intervenção, caso necessário.

  18. Olá gostei do artigo, mas fiquei com uma dúvida, tenho um sobrinho de 2 anos, não fala, balbucia, sopra com a boca, faz movimentos nos braços​ como se fosse uma ave, tem momentos tão distantes que chamamos seu nome e demora a responder. Tem habilidades de encaixe, gosta de movimento e colorido mas não aceita qualquer pessoa. A mãe vai esperar a ida pra escola e sempre conta vantagens de feitos pelo filho. E aí?

    1. NeuroSaber Responde

      Sem avaliação, não podemos dar uma orientação precisa sobre o caso. É importante buscar um especialista para lhe dar melhores informações e orientações para uma intervenção, caso necessário.

  19. OLÁ! BOM DIA! AMEI O ASSUNTO ABORDADO NO ARTIGO, MIM PROPORCIONOU INFORMAÇÕES SUPER ESCLARECEDORAS O TRANSTORNO DE ASPERGER. MAIS UMA VEZ SOU GRATA A TODA A EQUIPE NEURO SABER SEMPRE NOS AJUDANDO A ESCLARECER DÚVIDAS.

  20. Olá, bom dia!
    Muito bom este artigo, me trouxe esclarecimentos sobre o transtorno de Asperger, atualmente trabalho com apoio pedagógico de crianças autista, então é sempre bom saber as características deste transtorno para desenvolver um trabalho adequado a eles

  21. Oi, bom dia !!!
    Considero de grande importância, cada vez mais nos inteirarmos sobre todos os assuntos abordados pela NeuroSaber. A sociedade vivi nos tempos atuais, grandes avanços tecnológicos, mas no que concerne ao entendimento do ser humano, existe um caminho longo. Parabéns pelo trabalho maravilhoso que a NeuroSaber desempenha. Que Deus abençoe cada vez mais esse Casal que se disponibilizou a trazer grandiosas riquezas de conhecimento.

  22. Boa noite, gostei do artigo,essas informações nos ajudam a lidar melhor sobre o assunto.

  23. Boa noite, estou cada vez mais interessada e encantada com a forma de apresentação do tema: claro, sucinto e importantíssimo! Agradeço a toda Equipe e os parabenizo pelo trabalho! Abraços!

  24. Oi, eu tenho um filho com 10 anos que é autista do grau moderado, ele muito comportado e educado , está no quinto ano da escola , e agora está cada vez mais difícil porque os conteúdos não entram na cabecinha dele , ele simplesmente não se interessa e as dificuldades pra aprender só aumenta e também tenho percebido o quanto os professores estão despreparo dos pra ensinar essas crianças.

    1. NeuroSaber Responde
  25. Boa noite a toda equipe neuro saber.
    Gostaria de agradecer as informações que tenho oportunidade de encontrar aqui e dizer que elas fazem toda a diferença para mim e o meu marido na educação de nosso filho aspie .
    Inclusive na hora de conversarmos com professores e terapeutas sobre as particularidades da síndrome.
    Infelizmente há muita desinformação nas escolas e entre profissionais de saúde .
    No nosso caso isso dificultou diagnosticar e, principalmente, encontrar alternativas de tratamento adequadas para o nosso filho, hoje com 18 anos.

    Que bom que vocês existem!

  26. Foi realmente muito esclarecedor, é de estrema importância estas informações. Parabéns a equipe da Neurosaber !

  27. OlÁ! boa noite amei o assunto sobre o transtorno de asperger. Mais uma vez sou gratas a equipe da neuro saber sempre nos ajudando a esclarecer dúvidas.

  28. Artigo interessante, até mesmo porque sei que todas essas descobertas foram frutos de pesquisas com pacientes e seus familiares, o que trás naturalidade e veracidade as informações. Além de manter o assunto tão pouco explorado afinado com as novidades sintomáticas e contribuindo para o conhecimento ou surgimento de novidades em relação a esse espectro tão pouco conhecido e cai
    usador de muitos mitos e confusões. Muito obrigada Dr. Clay por você esta sempre nos atualizando, sua contribuição é muito importante.

    Por Cristine Pereira de Sales
    Estudante de Pedagogia
    Futura Psicopedagoga

  29. Muito obrigada pelos artigos excelentes são muito práticos e esclarecedores parabéns para toda equipe

  30. texto com um ótimo conteúdo, explicando cada ponto de forma clara proporcionando conhecimentos para nossa pratica educacional.

  31. Boa noite!!Amei o artigo sobre o Asperger.Descobri que a minha filha de 13 anos é Asperger ,quero montar um artigo sobre o diagnóstico da sindrome de Asperger: percepções familiares. Podem me mandar algumas ideias e informações,por favor?

    1. NeuroSaber Responde
  32. Gostei demais desse artigo , com certeza vai ajudar muito o meu trabalho .
    Obrigada pelo esclarecimento.

    1. NeuroSaber Responde
  33. Pingback: O que é a Hiperlexia? - NeuroSaber

    1. NeuroSaber Responde
  34. Gostei muito das informações recebidas neste artigo, pois já sabia um pouco ,mas a respeito destes cinco itens dos tipos de linguagens ainda não tinha conhecimento. Me esclareceu muitas dúvidas que tinha com relação a esta transtorno.

    1. NeuroSaber Responde
  35. Moro na cidade de São Paulo. Qual profissional devo procurar para um disgnóstico preciso? Já levei em duas neuropediatras . A primeira foi ríspida e fez apenas um exame na parte motora dizendo que estava tudo bem e que a letra não é tão ruim assim…. a outra comparou com um sobrinho que gosta muito de dinossauros mas não soube dizer mais nada.
    Meu filho tem 14 anos, muito inteligente, já passou pelas fases dos dinossauros, carrinhos, e está agora no futebol e jogos de dança. Tem gestos repetitivos com frequência e não gosta de sair de casa. Lê, escreve e fala muito bem, mas a letra continua horrível. O que posso fazer?

    1. NeuroSaber Responde
  36. Eu li o texto eu tenho praticamente todos esses sintomas, fui psiquiatra comecei a tratar ver todos os comentários isso ajuda eu achava só era eu agora vi todos temos espero que eu e todos possam viver melhor após ajuda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *