TDAH

Mitos e Verdades Sobre o TDAH

Em tempos de discussões acerca do desenvolvimento da criança, muitas pessoas procuram se informar sobre o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). No entanto, é preciso esclarecer algumas informações que acabam por elaborar impressões equivocadas em torno de um quadro que merece total atenção. Com os esclarecimentos que daremos a seguir, o tratamento de uma pessoa vai ser bastante eficaz, além de quebrar preconceitos de quem convive com uma criança diagnosticada com o TDAH.

Vale ressaltar que o TDAH é um transtorno neurobiológico e tem uma grande incidência em meninos. Estes, por sua vez, são caracterizados pela hiperatividade e impulsividade. Quando o TDAH é diagnosticado em meninas, as pacientes apresentam um quadro diferente, pois elas ficam desatentas e não agitadas como os meninos. Veja mais informações aqui.

[+] Baixe o E-book: Mitos e Verdades Sobre o TDAH

– O TDAH impossibilita a criança de ter uma vida normal?

Mito. É preciso destruir a barreira do preconceito. A informação é o melhor caminho. Uma criança que é diagnosticada com o transtorno deve receber tratamento específico e multidisciplinar (com psicopedagogos, psicólogos, fonoaudiólogos, etc.); além disso, cada caso deve ser olhado com atenção, pois cada paciente apresenta uma necessidade e uma demanda diferente para os profissionais.

– Pessoas com TDAH são menos inteligentes que as outras?

Mito. Eis aí algo que precisa ser esclarecido: uma pessoa diagnosticada com TDAH que recebe o devido acompanhamento e tratamento tem a inteligência normal e até acima da média, com desempenhos surpreendentes. Embora os portadores do transtorno apresentem alteração na concentração, eles podem ter o rendimento normal dentro de sala e no ambiente de trabalho.

– As características mais marcantes do TDAH são a hiperatividade, a desatenção e a impulsividade?

Verdade. Por ser um transtorno neurobiológico, os traços característicos do TDAH precisam ser notados também em dois ou mais ambientes de convívio do portador, como o familiar e o escolar. Esses lugares são determinantes para perceber o comportamento da criança para que, a partir disso, ela seja acompanhada e encaminhada ao tratamento que será eficaz.

– O diagnóstico é difícil?

Verdade. Como há muita confusão acerca do TDAH, muitos pais e educadores pensam que o transtorno se trata de outro caso: ansiedade, dislexia, preguiça em raciocinar; problemas educacionais e problemas de criação. A falta de informação adequada faz com que muitos pais procurem auxílio de um especialista tardiamente, o que pode prejudicar a qualidade vida da criança, principalmente quando esta chega à adolescência ou à fase adulta.

– O TDAH pode vir em qualquer fase da vida?

Mito. O transtorno surge na infância e tem raízes hereditárias. No entanto, pode acontecer de um adulto ser diagnosticado com um TDAH que o acompanha desde criança.

– Tratamento em adultos é ineficaz?

Mito. A partir do momento em que é diagnosticado em um adulto, o tratamento pode reverter situações que prejudicam o adulto diagnosticado, como depressão, problemas de socialização, entre outros.

– O TDAH causa comorbidades?

Verdade. O transtorno vem acompanhado de doenças relacionadas, como aquelas que afetam a função neurológica e sistêmica e que podem influenciar no aprendizado. Por isso a importância do tratamento precoce.

– Quanto antes for diagnosticado, melhor para a criança?

Verdade. Quando uma pessoa é diagnosticada com o TDAH na infância, entre 7 e  9 anos, os tratamentos surtem efeitos muito bons, pois além do acompanhamento individualizado e que atenda caso a caso, a readaptação e o estímulo da família tendem a ajudá-la imensamente. Os medicamentos são importantes, mas a presença dos familiares e dos especialistas é fundamental.

Compartilhe este artigo

Comments 31

  1. Boa tarde! Nesse artigo diz q meninas não são agitadas, porém minha filha foi diagnosticada e é muito agitada…por favor me explique.

  2. Boa tarde!
    Quais seriam as comodidades associadas ao TDA-H?
    Teria algum exame neurológico para ajudar no diagnóstico, tipo Eletroencefalograma?
    Obrigada

  3. Pingback: Entenda o que é o Transtorno Opositivo-Desafiador (TOD) - Artigos | NeuroSaber

  4. Tenho um filho de 05 anos que é muito agitado, ao mesmo tempo que come brinca, está vendo TV e ligado no que conversamos, não aceita ser contrariado, uma ansiedade terrível, a professora vive reclamando do comportamento em sala de aula. Ele tem acompanhamento de uma Musicoterapeuta que disse que ele tem características do TDAH, mas que não fecha o diagnóstico, a pediatra diz que não devemos medicar, já não sei o que fazer pois vejo o sofrimento dele e o nosso também, as vezes evito sair de casa, frequentar festas, enfim estou muito confusa. Como mãe penso que ele é hiperativo, mas não sou profissional da área, me ajudem por favor.

  5. Tenho um filho de sete anos, tem dado muito trabalho na escola, já levei ao neuro pediatra e foi diagnosticado com hiperatividade, mas a psicóloga que o acompanha discoda, diz que ele tem dificuldade comportamental e mandou que eu tirasse o medicamento o que fazer me ajudem.

  6. Pingback: TOD precisa de tratamento médico?- Artigos | NeuroSaber

  7. Gostaria de saber se é possível melhorar os sintomas e a qualidade de vida de crianças com TDAH sem o uso de medicamento ou se sempre há a indicação de medicamento.

  8. É uma Situação complicada.. percebo que meu filho se 11 anos tem muita dificuldade de concentração ,ansiedade e dificuldades em raciocínio. Porém a escola disse que não vê ele como um aluno con TDA..mesmo ele com notas baixas , acham que é preguiça dele.. e analisando, desde quando ele tinha 6 anos a professora já relatava que ele se distraia fácil, porém nunca encaminharan para diagnóstico médico, hj que me formei em Pedagogia e lendo muito sobre o assunto ,acredito que ele faça parte desse grupo de Tdh.. fico sem saída por não saber a quem recorrer. . Alguma sugestão?

  9. Olá! Tenho um filho adolescente com tdah … agora estou preocupada com o caçula de 6 anos … se alfabetizou facilmente, mas a professora relata sua falta de atenção e dificuldades em matemática … em sala de aula não é agitado, mas em casa sim … pode ser deficit de atenção ou imaturidade ?

  10. Pingback: TDAH: Quais as descobertas recentes? - NeuroSaber

  11. Pingback: Como tratar a enxaqueca na infância? - NeuroSaber

  12. Debora.
    EU estou cursando pedagogia, e essa é uma das áreas muito bom mesmo que eu tenho bastante interesse pois sempre trabalhei em escola comunitária e enfrento muitos alunos com dificuldade para aprender a ler pois eles são crianças de família de baixa renda e com dificuldades de aprendizagem por causa da falta de alimentação, que acredito ser um dos fatores muito importante pra que eles tenham um bom desempenho. Não é mesmo?
    De

  13. Pingback: O que é Discalculia ? Causa, sintomas e intervenção … | Daniela Janssen

  14. Dra Luciana sou professora na Universidade Estadual de Goiás e minhas alunas orientandas de TCC estão utilizando os seus artigos para produção do trabalho. Então gostaria de pedir a senhora que envie a referência do artigo Mitos e verdades sobre o TDAH para que seja dados os méritos ao seu trabalho.
    Obrigada pelas produções.
    Profa Lidiane

    1. NeuroSaber Responde

      Lidiane,
      Esse artigo é original da Neurosaber, e foi escrito com base em pesquisas e vídeos do canal da Neurosaber do Youtube.
      e lá tem aulas sobre esse tema, e com referências.

  15. Bom dia.Li depoimentos de algumas mães e pude sentir o sofrimento em suas escritas.Sou mae de uma menina de 12 anos diagnosticada com TDAH .
    Sofri muito, não ia a igrejas aniversários ETC. Ela falou com 7 anos e teve dificuldade em aprender.Fiz acompanhamento com uma neuro pediatra que recomendou remédios homeopáticos ou seja remédios naturais.Hoje ela está muito bem aprendeu a ler a tirar da lousa dentre outras coisas.
    MINHA LUTA FOI CONSTANTE NÃO DESCANSEI, FAZIA TERAPIA OCUPACIONAL E A CIMA DE TUDO PEDIA TODOS OS DIAS A DEUS QUE MIM AJUDASSE.

  16. estou fazendo um trabalho e preciso das referências , tipos , informações sobre o livro e também o ano em que foi publicado! desde já, agradeço!

    1. NeuroSaber Responde
  17. Boa noite por falta de conhecimento sobre este problema de saúde sofri muito com minha filha quando pequena e nunca imaginei que era uma doença achava que era pregrissosa ,como me dói descobrir isto hj através de meu filho caçula esta com 9 anos e desde os 7 anos tenho problemas com ele na escola todos os relatos e toda a explanação sobre o problema é como estivesse descrevendo meu filho,estou em pânico fiquei sabendo hj e vim pesquisar sobre o assunto achei a que a psiquiatra estivesse exagerando,ai que dor meu Deus to sem chão

    1. NeuroSaber Responde
    1. NeuroSaber Responde
  18. Sofri muito minha vida toda com Deficit de atenção, sem saber. Sempre fui taxado de burro, sonso, avoado, preguiçoso, incapaz, lerdo, irresponsável… Na escola, apanhei demais de outros alunos, por ser mais “sonso” ou “desligado”. Meu pai me batia muito também, por que sempre esquecia ou perdia algo. Isso me marcou muito, até hoje. Porque nunca fiz nada disso por maldade, quando me dava conta já havia esquecido de algo, ou já não estava prestando atenção no que a pessoa esta falando. Mas sempre o tratamento foi como se eu quisesse fazer aquilo, quando na verdade era o contrario. Sempre me culpei muito por isso, quanto mais eu tentava fazer as coisas corretamente, mais dava errado e mais as pessoas riam de mim.
    Se vocês tem ou conhecem algum filho com esse transtorno, por favor, sejam compreensivos. Por que o que mais me doi é saber que em todos esses anos eu so tive criticas e nenhuma ajuda.

    1. NeuroSaber Responde
  19. Oi, tenho um amigo que desde que conheço é muito hiperativo e desatento
    Ele nunca para sentado, não mantem a atenção nas aulas, tá sempre pulando e tem muita dificuldade com números.
    Ele apresentou uma espécie de “piora” esses tempos. Como automultilação e ansiedade.
    Qual profissional ele deve buscar? Psicólogo, psiquiatra ou médico?

    1. NeuroSaber Responde
  20. Minha filha tem dez anos e foi diagnosticada com defiesti de atenção,esse artigo me ajudou muito,foi esclarecedora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *