O que é distúrbio de déficit de atenção?

O processo de desenvolvimento infantil é marcado por inúmeros sobressaltos. Essa situação é atribuída à série de descobertas e revelações que cada criança demonstra. Dentre tais detalhes, podemos destacar aqueles que incidem sobre a vida da criança de maneira mais séria. Transtornos e distúrbios podem fazer parte da nossa vida; e o público infantil não está livre. Afinal, os pequenos estão em formação e alguns desses quadros neurológicos, neurobiológicos e biológicos tendem a vir, até mesmo, no nascimento. O déficit de atenção, por exemplo, é um deles.

Antes da consolidação de pesquisas bem fundamentadas e respeitadas mundo afora, essa condição era considerada como desatenção proposital, preguiça de pensar e, pejorativamente, ‘lerdeza’. Os mais velhos que conviveram com esse transtorno eram completamente malcompreendidos.

O que é o distúrbio de déficit de atenção?

Para tornar a explicação mais completa, é necessário falar sobre o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. O TDAH é um transtorno neurocomportamental. Interessante ressaltar que ele é um dos mais comuns em crianças, sendo que a taxa de incidência entre elas varia de 5 a 6% desse grupo em todo mundo.

De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatísticos de Transtornos Mentais-5, o TDAH está dentro do grupo dos Distúrbios de Desenvolvimento. Isso revela uma condição que tem início na fase infanto-juvenil.

Em relação ao déficit de atenção, De Luccia (2014) afirma a função psíquica da atenção costuma estar relacionada aos aspectos da vigilância e da tenacidade. Além disso, o déficit identificado nesses casos mostra uma sensibilidade aos estímulos, tornando “fácil a mudança de foco e difícil a fixação da atenção a uma só tarefa”.

Padrão predominante do TDAH

É interessante salientar que o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade apresenta aquilo cuja comunidade científica convencionou denominar de padrão predominante. Ele está dividido em desatento, hiperativo-desatento ou o tipo combinado, quando os dois padrões sintomáticos são percebidos.

Voltando para o quadro mais geral, deve-se ressaltar que aproximadamente 95% das pessoas diagnosticadas com o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade até os primeiros 12 anos de vida. Por outro lado, as crianças que apresentam os sintomas antes dos 7 anos chega à faixa que varia entre 60 e 70%. O período escolar é extremamente importante para que educadores consigam identificar os sinais. Há que se ressaltar evidências neurobiológicas e hereditárias como aspectos que causam o TDAH.

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade e seus sintomas variados

Vale ressaltar que as crianças e adolescentes que convivem com TDAH costumam mostrar instabilidade emocional. Elas, muitas vezes, agem de maneira impulsiva e demonstram irritabilidade. Essa característica é responsável por causar algumas situações embaraçosas, como dificuldade do pequeno participar de trabalhos em grupos e que exigem uma dinâmica maior. Outras consequências observadas nesses casos são “a falha na produtividade e os prejuízos no funcionamento acadêmico e social. A sensação de inadequação, baixa autoestima e adversidades no grupo social provocam infelicidade e frustração, podendo gerar comportamentos autodestrutivos e autopunitivos.” (NUNES & WERLANG, 2008)

A existência de comorbidades

Muitos transtornos vêm acompanhados das chamadas comorbidades e na ocorrência do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade a situação não é diferente. Estudos revelam que crianças diagnosticadas com déficit de atenção podem apresentar Transtorno Bipolar, Transtorno de Conduta, quadros de retardo mental, Transtorno Opositivo Desafiador, sinais autísticos, entre outros. (DE LUCCIA, 2014)

Detalhe importante para a realização do diagnóstico

Especialistas chamam a atenção para o fato de que para diagnosticar o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade de maneira eficaz é preciso analisar se os sintomas característicos do TDAH se manifestam em mais de um ambiente ou contexto social. Quando a criança apresenta esses sinais somente em um local específico, a possibilidade a ser considerada é que ela possa estar evidenciando “manifestações representativas de uma situação familiar caótica ou de um método de ensino inadequado.” (NUNES & WERLANG, 2008)

Como todos vocês podem perceber, o diagnóstico para identificar o déficit de atenção e a hiperatividade precisa de muita cautela e observação por parte dos profissionais. A família também exerce um papel importante nos relatos aos especialistas.

Referências

DE LUCCIA, Danna Paes de Barros. Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) diagnosticado na infância: a narrativa do adulto e as contribuições da psicanálise. 2014. Dissertação. (Mestrado em Psicologia) – Universidade São Paulo, São Paulo, 2014.

NUNES, Maura Marques de Souza; WERLANG, Bianca Susana Guevara. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade e transtorno de conduta: aspectos familiares e escolares. ConScientiae Saúde, v. 7, n. 2, p. 207-216. Porto Alegre, 2008.

Compartilhe este artigo

Comments 4

  1. Tenho um neto que foi avaliado mas a profissional disse que e muito leve o toda ele não é imperativo as notas são boas mas a professora falou que ele e um pouco desligado gostaria de saber mais sobre o assunto

    1. Suporte Neurosaber
  2. A pessoa pode ter somente Déficit de atenção? Ou seja, não ter hiperatividade?

    1. Suporte Neurosaber

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *