O que é e o que envolve a Dispraxia?

Conhecida pejorativamente como “síndrome do desastrado”, a Dispraxia caracteriza-se como uma disfunção neurológica que atua nas ações do cérebro, no que diz respeito à coordenação comandada pelo cérebro. As partes afetadas são aquelas que se referem aos aspectos motores, verbal e espacial. É inegável que isso causa impacto na vida da criança e de seus familiares.

Existem sintomas? Quais são eles?

Sim, os sintomas que demonstram a existência da Dispraxia são variados. Importante notar que a maior parte deles costuma aparecer ainda na infância, quando a criança começa a querer a andar e a falar. Abaixo, vocês podem analisar alguns deles:

– Problema em executar movimentos voluntários;
– Coordenação motora que mostra desalinhamento (onde surge a forma pejorativa “síndrome do desastrado);
– Dificuldade em ações como escrever, desenhar, traçar uma reta;
– Problemas com a orientação espacial;
– Dificuldades para organizar seu pensamento;
– Dificuldades na fala, embora nem todos os pacientes diagnosticados com a Dispraxia tenham a função verbal afetada. A maioria dos casos pode vir com algum distúrbio associado ao transtorno;
– Coordenações motoras e finas prejudicadas quando necessárias para alguma tarefa;
– Lentidão em algumas atividades que exigem coordenação motora;
– Determinados sinais: dificuldades para vestir uma roupa, ficar sentado, pular, etc.

Dispraxia na educação escolar

A disfunção afeta a criança quando ela está na escola, sobretudo no que diz respeito aos movimentos que ela precisa adquirir para segurar um lápis. Além disso, outros objetos que exigem determinado traquejo, como a tesoura ou a régua, também podem significar um empecilho para o pequeno.

Vale lembrar, no entanto, que o fato de a criança ser diagnosticada com a Dispraxia não significa, necessariamente, déficit cognitivo. O paciente não é menos inteligente que os demais colegas de sala, mas enfrentará obstáculos para a prática de algumas atividades pedagógicas.

Dispraxia na vida social

Como a criança apresenta coordenação motora, espacial e postural (entre outras); é comum que ela fique mais isolada, à parte das brincadeiras com outras pessoas de sua faixa etária. Correr, pular, chutar bola pode ser uma grande barrreira para ela.

Qual a causa da Dispraxia?

As causas também podem ser bem variadas, a saber:

– Traumas ou lesões sofridas no cérebro;
– Atraso no desenvolvimento neurológico;
– Acidente vascular cerebral;
– Hereditariedade;

Estudos realizados na área médica afirmam que outros fatores também podem motivar a Dispraxia, tais como o uso excessivo de álcool e drogas (anfetamina, cocaína e outros) pela mãe da criança; nascimento prematuro.

Como é o tratamento?

O médico pediatra vai estudar o caso e os depoimentos dos pais, que representa muita importância para o diagnóstico. É sempre importante ressaltar o papel das intervenções no pequeno. Além disso, a presença de uma equipe composta por profissionais de terapia ocupacional, fonoaudiologia, psicologia e pedagogia é imprescindível.

Cada um deles pode avaliar e propor tratamentos que sejam direcionados a cada um dos pacientes, de forma que eles encontrarão todos os caminhos para amenizar a Dispraxia no dia a dia e melhorar a qualidade de vida.

Veja mais neste vídeo também:

Compartilhe este artigo

Comments 5

  1. Minha filha te 4 anos leveia no neurologista o qual não à diagnosticou com nada mais ela faz acompanhamento com a pisicopedagoga que já mim pediu para procurar outras ajuda minha Mariana tem todos os sintomas dispraxia não traça não pula corretamente Não quer ficar sentada o que eu posso fazer por ela qual profisional vai diagnosticala?

    1. NeuroSaber Responde
  2. Parabéns!
    Parabéns estou concluindo minha Pós em AEE , e todos os Artigos Publicados foram muito proveitoso para o ,eu conhecimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *