O que é e o que envolve a Dispraxia?

Conhecida pejorativamente como “síndrome do desastrado”, a Dispraxia caracteriza-se como uma disfunção neurológica que atua nas ações do cérebro, no que diz respeito à coordenação comandada pelo cérebro. As partes afetadas são aquelas que se referem aos aspectos motores, verbal e espacial. É inegável que isso causa impacto na vida da criança e de seus familiares.

Existem sintomas? Quais são eles?

Sim, os sintomas que demonstram a existência da Dispraxia são variados. Importante notar que a maior parte deles costuma aparecer ainda na infância, quando a criança começa a querer a andar e a falar. Abaixo, vocês podem analisar alguns deles:

– Problema em executar movimentos voluntários;
– Coordenação motora que mostra desalinhamento (onde surge a forma pejorativa “síndrome do desastrado);
– Dificuldade em ações como escrever, desenhar, traçar uma reta;
– Problemas com a orientação espacial;
– Dificuldades para organizar seu pensamento;
– Dificuldades na fala, embora nem todos os pacientes diagnosticados com a Dispraxia tenham a função verbal afetada. A maioria dos casos pode vir com algum distúrbio associado ao transtorno;
– Coordenações motoras e finas prejudicadas quando necessárias para alguma tarefa;
– Lentidão em algumas atividades que exigem coordenação motora;
– Determinados sinais: dificuldades para vestir uma roupa, ficar sentado, pular, etc.

Dispraxia na educação escolar

A disfunção afeta a criança quando ela está na escola, sobretudo no que diz respeito aos movimentos que ela precisa adquirir para segurar um lápis. Além disso, outros objetos que exigem determinado traquejo, como a tesoura ou a régua, também podem significar um empecilho para o pequeno.

Vale lembrar, no entanto, que o fato de a criança ser diagnosticada com a Dispraxia não significa, necessariamente, déficit cognitivo. O paciente não é menos inteligente que os demais colegas de sala, mas enfrentará obstáculos para a prática de algumas atividades pedagógicas.

Dispraxia na vida social

Como a criança apresenta coordenação motora, espacial e postural (entre outras); é comum que ela fique mais isolada, à parte das brincadeiras com outras pessoas de sua faixa etária. Correr, pular, chutar bola pode ser uma grande barrreira para ela.

Qual a causa da Dispraxia?

As causas também podem ser bem variadas, a saber:

– Traumas ou lesões sofridas no cérebro;
– Atraso no desenvolvimento neurológico;
– Acidente vascular cerebral;
– Hereditariedade;

Estudos realizados na área médica afirmam que outros fatores também podem motivar a Dispraxia, tais como o uso excessivo de álcool e drogas (anfetamina, cocaína e outros) pela mãe da criança; nascimento prematuro.

Como é o tratamento?

O médico pediatra vai estudar o caso e os depoimentos dos pais, que representa muita importância para o diagnóstico. É sempre importante ressaltar o papel das intervenções no pequeno. Além disso, a presença de uma equipe composta por profissionais de terapia ocupacional, fonoaudiologia, psicologia e pedagogia é imprescindível.

Cada um deles pode avaliar e propor tratamentos que sejam direcionados a cada um dos pacientes, de forma que eles encontrarão todos os caminhos para amenizar a Dispraxia no dia a dia e melhorar a qualidade de vida.

Veja mais neste vídeo também:

Compartilhe este artigo

Comments 14

  1. Minha filha te 4 anos leveia no neurologista o qual não à diagnosticou com nada mais ela faz acompanhamento com a pisicopedagoga que já mim pediu para procurar outras ajuda minha Mariana tem todos os sintomas dispraxia não traça não pula corretamente Não quer ficar sentada o que eu posso fazer por ela qual profisional vai diagnosticala?

    1. NeuroSaber Responde
  2. Parabéns !
    Estou concluindo minha Pós em AEE, e foi de grande proveito os Artigos publicados.

  3. Parabéns!
    Parabéns estou concluindo minha Pós em AEE , e todos os Artigos Publicados foram muito proveitoso para o ,eu conhecimento.

  4. vocês estão de parabéns, os artigos são excelentes, me ajudaram muito pois estou concluindo uma especialização em neuropedagogia.

  5. oi tudo bom gotei desse atigo muito esclarecedor ,tenho um filho de 8 anos com transtono de asper e tdah quero saber se esses transtorno tambem tem essas caracteristicas pois meu filho tem esses comportamentos nao abotua roupa nem amarra o cadaço tem dificuldade de dar pulos e muito estabanado nao consegue pegar agua na geladeira sem que derrame e molhe tudo .

  6. Descobrindo, através dos vídeos, que me interesso porque tenho uma filha com dislexia e leve autismo, que muitas coisas que me atrapalhavam na infância e na adolescência e ainda hoje na vida adulta, tem uma explicação. Muito feliz!

  7. Sou fã deste site e admiro muito os profissionais que o fazem. Lido com crianças e adolescentes e ele já me orientou bastante a observar e lidar melhor com esse público.
    obrigada

  8. Gosto muito de tudo que a Neurosaber posta, está sempre nos atualizando. Parabéns pela competência e responsabilidade.

  9. Se informar é. Oa melhor maneira de fazer algo por alguém e esse vídeo falando do diagnóstico e explicando o gue é dispraxia foi de grande valia para mim parabéns doutor

  10. Tenho 50 anos e somente a 5 anos atras descobri que tenho dispraxia.
    Após reconhecer no meu filho de 7 anos na época a dificuldade com alguns movimentos de coordenação fina, como escrita, amarrar tênis ou ate mesmo um simples roupão de banho.
    Eu sempre fui taxada de desastrada, fiz vários cadernos de caligrafia para melhorar a letr , nunca consegui jogar voley porque meu saque não passava a rede..rs
    Andar de salto então… nem pensar
    Graças aos estudos atuais meu filho foi diagnosticado já na alfabetização e tem consciência de sua dificuldade e assim pode criar seus métodos para melhorar o seu dia dia nas tarefas simples.
    Entender as nossas limitações é um grande passo para enfrenta-las.

  11. Meu filho tem 9 anos. Tem dificuldades de amarrar os sapatos. Derruba os materiais da escola no chão? Não consegue colocar água ,suco ou Cadê no copo sem derramar. Ele não consegue ficar sentado por muito tempo. E as mãos não fica parada. Pode ser a dispraxia?

    1. Adriana Matias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *