O que é Função Executiva na aprendizagem escolar?

O aprendizado adquirido na escola é um processo resultante de habilidades que contribuem para o conhecimento do aluno. Deve-se atribuir a esse caminho alguns fatores indispensáveis, entre eles a função executiva, um elemento de peso no que se refere ao sucesso na aprendizagem da criança.

O que é função executiva?

Podemos defini-la como um conjunto de práticas voltadas para o aspecto cognitivo, cujo objetivo é o de colaborar com diversas tarefas que necessitam de itens importantes, a saber: planejamento e monitoramento de comportamentos cuja intenção é relacionada a um determinado objetivo ou então, a demandas de caráter ambiental.

A importância da função executiva está no fato de tais habilidades possibilitarem a interação com o espaço em que a pessoa vive de maneira completamente adaptativa. Isso é responsável por proporcionar o direcionamento de várias práticas relacionadas aos aspectos sociais, emocionais e intelectuais; dando à pessoa a autonomia necessária para realizar suas tarefas diárias.

A função executiva na aprendizagem escolar

Essas habilidades são responsáveis por agrupar componentes imprescindíveis no desempenho e na independência da criança diante das tarefas e dos desafios na escola. Podemos destacar aqui o controle inibitório, autorregulação, memória de trabalho, flexibilidade cognitiva e autocontrole.

Você deve estar se perguntando: o que isso tem a ver com a aprendizagem escolar?  Esses tópicos fazem parte da categoria simples da função executiva. No entanto, esses aspectos se unem ao grupo complexo cuja característica é marcada por abrigar habilidades intrínsecas ao desenvolvimento dos pequenos, são elas: raciocínio, planejamento e resolução de problemas.

Os levantamentos realizados acerca da relação entre função executiva e aprendizagem escolar diagnosticaram o controle atencional como um fator determinante no desempenho das crianças. Os estudos enfocam o poder desse item no aprendizado de linguagens e matemática, considerando a idade pré-escolar dos alunos.

A importância prática da função executiva na escola

É imprescindível que um estudante tenha suas funções executivas bem trabalhadas para uma vida acadêmica satisfatória. Um conjunto diversificado de competências executivas deve ser aprimorado. Esse grupo pelas atividades:

  • Estabelecer objetivos;
  • Planificar, gerir, predizer e antecipar tarefas, textos e trabalhos;
  • Priorizar e ordenar tarefas no espaço e no tempo para concluir projetos e realizar testes;
  • Organizar e hierarquizar dados, gráficos, mapas e fontes variadas de informação e de estudo;
  • Separar ideias e conceitos gerais de ideias acessórias ou de detalhes e pormenores;
  • Pensar, reter, manipular, memorizar e resumir dados ao mesmo tempo em que leem, etc. (FONSECA, 2014).

Outros benefícios da função executiva na vida de uma pessoa

  • Atenção (sustentação, foco, fixação, seleção de dados relevantes dos irrelevantes, evitamento de distratores, etc);
  • Percepção (intraneurossensorial, interneurossensorial, meta-integrativa, analítica e sintética, etc);
  • Memória de trabalho (localização, recuperação, rechamada, manipulação, julgamento e utilização da informação relevante, etc);
  • Controle (iniciação, persistência, esforço, inibição, regulação e auto-avaliação de tarefas, etc);
  • Ideação (improvisação, raciocínio indutivo e dedutivo, precisão e conclusão de tarefas, etc);
  • Planificação e a antecipação (priorização, ordenação, hierarquização e predição de tarefas visando a atingir fins, objetivos e resultados, etc);
  • Flexibilização (autocrítica, alteração de condutas, mudança de estratégias, detecção de erros e obstáculos, busca intencional de soluções, etc);
  • Metacognição (auto-organização, sistematização, automonitorização, revisão e supervisão, etc);
  • Decisão (aplicação de diferentes resoluções de problemas, gestão do tempo evitando atrasos e custos desnecessários, etc);
  • Execução (finalização e concomitante verificação, retroação e referenciação, etc) (FONSECA, 2014).

 

Luciana Brites Psicomotricista

 

 

 

Compartilhe este artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *