Para que serve a Terapia Ocupacional?

A Terapia Ocupacional sempre está em um lugar de destaque nas áreas responsáveis por promover o desenvolvimento e áreas cruciais para a vida de uma pessoa. Aliada a outros campos, sobretudo no que diz respeito às intervenções, os profissionais que atuam nela são responsáveis por promoverem uma série de exercícios e técnicas que visam ao aperfeiçoamento de algumas ações. Vocês, leitores, provavelmente já devem ter ouvido falar sobre a Terapia Ocupacional; mas por acaso saberiam explicar para que ela serve?

O que diz o Conselho?

De acordo com o Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 9ª Região (Crefito-9), esse campo de atuação é responsável por promover “a prevenção, o tratamento e a reabilitação de indivíduos que convivem com alterações cognitivas, afetivas, perceptivas e psicomotoras decorrentes ou não de distúrbios genéticos, traumáticos e ou de doenças adquiridas por meio da utilização da atividade humana como base de desenvolvimento de projetos terapêuticos específicos.”

O Conselho informa ainda que as intervenções da Terapia Ocupacional são voltadas tanto para a pessoa como para o seu grupo social. Percebe-se, então, como a área abrange a questão do ambiente em que o paciente está inserido. O objetivo é realmente promover uma ampliação no campo de ação, desempenho, autonomia e participação, levando em consideração os recursos e as necessidades segundo o lugar e o momento.

Isso estimula as condições de bem-estar e autonomia. O profissional desempenha um papel determinante nesse processo de intervenção, pois sua atuação vem atrelada ao compromisso da realização afetiva e induz os pacientes a uma dinâmica efetiva de aproveitamento.

O profissional da Terapia Ocupacional

Considerando que o terapeuta ocupacional está apto para atuar em diferentes vertentes, percebe-se que o caminho é bastante vasto, sendo que os graduados na área podem seguir tanto para a Atenção à Saúde e Desenvolvimento Humano como para aquela que dialoga com a Assistência Social. A formação do profissional é bem generalista, possibilitando a abrangência mencionada acima.

O leque que se abre nesse campo de atuação é tão abrangente que a Terapia Ocupacional, uma área da saúde, que tem interfaces tanto na educação como na seara social, permite ao profissional um papel interdisciplinar. Sendo assim, é importante salientar que quando um paciente sofre alguma interferência em suas ocupações “seja por questão física, sensorial, mental e/ou social ou pelas modificações do ambiente, o terapeuta ocupacional poderá intervir com seu conhecimento nas diversas dimensões, pessoal, coletiva e cultural. Sendo assim, o terapeuta ocupacional está apto para atuar em diversos pontos de atenção à saúde, dentre eles a Atenção Básica.” (MIRANDA; AMADO & FERREIRA, 2019)

Terapia Ocupacional para disfunções

O especialista da área atua na reabilitação. Isto é um fato. O detalhe é que os terapeutas ocupacionais também participam da construção de alternativas assistenciais que se estruturam a partir de diferentes noções que perpassam “pelo indivíduo, corpo, intervenção técnica, processo de saúde-doença-deficiência-incapacidade, de tratamento e reabilitação.” (FERREIRA; OLIVER, 2006)

Importante ressaltar que a Terapia Ocupacional tem como um de seus eixos estruturadores a noção de que o corpo humano é uma ‘máquina’, necessitando sempre de adaptação, reconstrução das funções em prol do desenvolvimento de atividades do cotidiano.

Um campo bastante vasto                                                         

As especialidades da Terapia Ocupacional são bem definidas e heterogêneas. Os profissionais podem exercer suas funções em áreas que muitas pessoas não imaginam que contam com a presença dos terapeutas, tais como a acupuntura, saúde funcional, contextos hospitalares, saúde mental, além das já citadas anteriormente. Então, como todos vocês puderam perceber, a cobertura ampla é a marca registrada desse campo de atuação, o que torna o terapeuta ocupacional extremamente importante para a condução para diversas linhas de intervenção.

Referências

CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL DA 9ª REGIÃO. O que é terapia ocupacional?, Cuiabá, 2019. Disponível em: https://crefito9.org.br/terapia-ocupacional/o-que-e-terapia-ocupacional/164. Acesso em: 20 fev. 2020.

FERREIRA, T. G.; OLIVER, F. C. Terapia ocupacional em disfunção física: discutindo a produção bibliográfica brasileira no período de 1999 a 2005. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v. 17, n. 3, p. 108-114, set./dez., 2006.

MIRANDA, E. F. S.; AMADO, C.F.; FERREIRA, T.P.S. Percepção de gestores acerca da atuação e inserção de terapeutas ocupacionais na atenção básica à saúde, Caderno Brasileiro de Terapia Ocupacional, v. 27, n. 3, São Carlos, p. 522-533, 2019.

 

 

 

Compartilhe este artigo

Comments 2

    1. Suporte Neurosaber

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *