Principais alterações que devem ser observadas no desenvolvimento da criança

O desenvolvimento neuropsicomotor e comportamental da criança, desde os primeiros meses, deve sempre ser rigorosamente observado pelos pais, profissionais de saúde e educação e pelos professores. Obviamente, esta tarefa deve ser empreendida ainda mais por médicos pediatras e neurologistas infantis mas, a medida que a informação e os meios de formação e especialização vão se difundindo para as mais diversas carreiras, é salutar que todos que se envolvem com ambientes infantis passam a dividir esta responsabilidade. Mas, por que observar o desenvolvimento da criança? Quais as implicações? Por que seria importante?

As pesquisas científicas e as evidências vem mostrando nestes últimos 50 anos que a evolução do desenvolvimento de uma criança tem implicações diretas com o seu futuro na escola, na vida social e na carreira acadêmica. Distúrbios de desenvolvimento ou atrasos nas aquisições podem sinalizar desde muito cedo que uma criança poderá ter problemas significativos na sua capacidade de aprender e de se adaptar aos sucessivos desafios que se impõem no convívio social.

O desenvolvimento infantil pode ser dividido em 5 eixos de observação: o motor, a da linguagem, o adaptativo, o social e o emocional. Conhecer as etapas normais de cada eixo de desenvolvimento infantil de acordo com a idade da criança e em relação aos seus pares é fundamental para treinar nosso olho a perceber padrões que são anormais. Este conhecimento deve ser dominado por todos.

O cérebro infantil é um canteiro em constante construção e recheado de minirreformas e intervenções plásticas que podem ser inatas – dentro da programação genética – ou induzidas por terapias de remediação em caso de identificação de algum “trajeto” que não se encontra bem feito. Portanto, identificar precocemente atrasos ou distúrbios ou desvios de desenvolvimento podem fazer toda a diferença para o futuro desta criança. Além disto, permite direcionar intervenções para déficits específicos e melhorar, assim, outras habilidades correlacionadas.

Neste contexto, é muito importante observar determinadas alterações do desenvolvimento da criança que podem ser percebidas mais facilmente e que tem diretamente ligação com transtornos futuros. O exemplo mais explícito é o atraso de fala e da linguagem. Ele está diretamente relacionado a vários transtornos de desenvolvimento e pode ser o primeiro sinal de um Transtorno do Espectro Autista (TEA) , Dislexia, TDAH ou Distúrbio Específico de Linguagem (DEL).

Problemas adaptativos e anomalias de desenvolvimento social podem ser indicativos de uma Deficiência Intelectual ou TEA. Dificuldades de auto-regulação emocional e temperamento explosivo e irracional desde muito cedo podem indicar Transtornos de Humor, TDAH ou TEA.

Assim, é necessário que todos os profissionais que lidam com crianças percebam a importância de dominar estes conceitos. Conhecê-los e aplicá-los não são tarefas de domínio exclusivo de um ou outro especialista mas sim de todas as equipes interdisciplinares da Educação e da Saúde.

Compartilhe este artigo

Comments 18

  1. Bom dia tenho 2filhos uma menina 12anos e 1menino 7anos minha filha faz acompanhamento com médico genética tem uma suspeita de uma síndrome
    Ainda não fechado o diagnóstico ela tem atraso intelectual raciocinio coodernação psicomotora
    Tenho passado por muito problemas na escola com ela e estou preocupada meu outro filho também tem um atraso na fala algumas palavras ele não consegue pronunciar mas ele é muito inteligente tem um raciocínio bom. Infelizmente não consegui apoio pedagógico pra minha filha o diretor disse que no caso dela ela frequenta a escola só pra se socializa.
    Minha indignação é saber que com o apoio em sala de aula minha filha teria uma chance de aprender alguma coisa. Eles disse que por minha filha andar comer sozinha se socializar e não oferecer nem um risco pra outras crianças ela não tem direito ao apoio pedagógico dentro da sala de aula.
    É revoltante estou muito chateada gostaria de uma opinião de um profissional. Grato aguardo retorno bom dia

  2. Todas as informações tem sido de muita valia para o acompanhamento de meus alunos, é fundamental a socialização desse conhecimento no dia a dia da escola.
    Obrigada pela oportunidade.

  3. Estou adorando a oportunidade de poder fazer esse curso, pois em minha função de coordenadora pedagógica vai ajudar bastante, para que passemos a compreender melhor as atitudes comportamentais de nossos alunos. Podendo assim, se necessário fazer os encaminhamentos aos profissionais competentes…

  4. Olá. Como Professora, sempre observei meus/minhas alunos/alunas e, sempre que percebia algo diferente em seu comportamento ou desenvolvimento, buscava os pais para conversar. As vezes pedia para buscarem algum especialista.
    Acontece, no entanto, que alguns especialistas menosprezam os conhecimentos dos Professores. Ignoram e as vezes desprezam nossa formação, Pedagogos.
    Tive alguns problemas com alguns desses.
    Disse-lhes, na ocasião, que apesar de não ter o conhecimento específico de psicologia, psiquiatria, neurológico, e tralala, tinha os conhecimentos da pedagogia e uma vasta experiencia com crianças.
    Então, o que quero dizer é que os pedagogos precisam ser respeitado. Pedagogos professores.

    Abraços e obrigado pelas postagens.
    São maravilhosasa.

  5. Interessante nós profissionais da educação compreendermos para orientar os pais, pois até mesmo profissionais da saúde não são bem informados como deveriam para dar direcionamento aos pais dos pequeninos.

  6. Pingback: 8 Materiais sobre o Autismo para estudar e compreender | Clínica Flora Mater

  7. como o psicologo pode avaliar o disturbio especifico da linguagem? sei que a avaliação é multiprofissional, mas dentro da habilidade do psicólogo, o que poderia ser feito? Gostaria de receber sugestões de algumas atividades

  8. Muito esclarecedor este artigo obrigada, por trazer informações tão importantes para todos os envolvidos no processo do desenvolvimento infantil.

  9. Olá, meu nome é Renata, eu tenho uma filha de 2 anos e 3 meses, e um menino de 1 ano e 4 meses.
    Meu filho, tem me deixado muito preocupada.
    Bom, primeiro queria dizer que eu moro nos EUA eu falo em português com eles, e meu marido fala em inglês.
    ( mas, meu marido não é de interagir muito).
    Bom, meu filho ainda não fala muitas coisas, eu penso que ao todo fala de 4 Daddy, mommy, bye bye e Barbie que é o nome da irmã. Ah é essa semana ele também falou o nome dele ( Guy)
    Bem, ele tem me preocupado muito pq sempre quer minha atenção.
    E se eu não posso dar atenção pra ele naquele momento ele está batendo a cabeça no chão.
    Eu já tentei varias coisas.
    Primeiro conversei, expliquei que isso ia fazer um machucado ( doi doi) mas não adiantou.
    Já bati e pus de castigo no berço.
    Também não adiantou.
    Então eu estou muito preocupada e aflita de como agir com ele.
    Quero também deixar vcs saberem para poder avaliar melhor, que meu marido tem um filho de 11 que foi diagnosticado com autismo.
    Eu não sou médica, nem psicóloga.
    Sou formada em pedagogia ( mas nunca exerci minha função) .
    MAs, ao meu ver, o garoto não tem
    Ele tem qualquer problema que ainda não foi descoberto , mas, autismo tá longe de ter.
    Ele tá mais pra esquizofrênico.
    MAs, esse já é um outro assunto que em um outro momento eu conto pra vocês.
    Eu agradeço desde já toda ajuda e atenção de vocês!

    1. NeuroSaber Responde

      Ola Renata, o primeiro passo é buscar ajuda médica, para avaliar, e assim poder confirmar ou descartar qualquer possibilidade, para que você saiba o que fazer, então não espere muito pra isso. Abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *