Psicomotricidade na visão do profissional de Educação Física

A psicomotricidade ganha espaço na educação física do Brasil a partir da década de 70. Um movimento que se baseia na aposta do desenvolvimento integral da criança, que se dá por processos cognitivos, afetivos e psicomotores.

Essa formação integral do aluno rompe com o dualismo corpo-mente e integra o movimento como fator constituinte da personalidade. Uma corrente que surgiu na França no final dos anos 60, devido a uma dificuldade dos educadores físicos em desenvolver uma educação integral do corpo.

A psicomotricidade na educação física vem enfatizar a importância da educação do corpo para o desenvolvimento integral do ser humano. A educação psicomotora trabalha na prevenção de dificuldades de aprendizagem na leitura, escrita, lateralidade, socialização, entre outras.

Neste artigo, vamos falar da importância da psicomotricidade segundo profissionais de Educação Física. Confira!

Psicomotricidade e Educação Física

Psicomotricidade e educação física têm muitas semelhanças e a relação entre elas pode ser abordada de três formas, segundo Ferreira:

  1. Não e possível diminuir o conflito entre elas: aqueles que defendem essa visão, acreditam que cada uma das abordagens é muito específica, com sua própria visão de mundo. Dessa forma, o educador físico deve escolher qual usar.
  2. Tolerância ao trabalhar os dois métodos: aqui, utilizam-se recursos de educação física na abordagem psicomotora ou vice e versa.
  3. Liberdade de utilização de ambas abordagens: aqui, é perfeitamente possível articular as duas abordagens, sem dualismos.

Para nós, a terceira abordagem é a que mais contribui com o desenvolvimento integral da criança. Isso porque a psicomotricidade nas aulas de educação física visa desenvolver as potencialidades da criança de forma prazerosa e lúdica, com respeito e harmonia. 

Ainda que existam resistências em utilizar as duas abordagens, é preciso considerar a aproximação entre elas. A educação física e a psicomotricidades podem ser integradas, pois se auxiliam e se complementam.

A relação entre elas é muito rica, pois ambas trabalham com a expressão humana pelo corpo, pelo movimento. Ambas podem ser trabalhadas juntas nas aulas de educação física nas escolas, sem distinção entre uma e outra.

A psicomotricidade fala da inteligência do movimento, que se origina na ação. O educador físico tem como objetivo despertar o interesse das crianças pela atividade física. Ao dar aulas lúdicas e prazerosas, onde as crianças correm, pulam, dançam, jogam, ele estará trabalhando a psicomotricidade. Ao realizar essas atividades, as crianças estão pensando, agindo e sentindo.

Veja os aspectos da psicomotricidade que podem ser trabalhados nas aulas de educação física:

  1. coordenação motora fina;
  2. coordenação motora global;
  3. estruturação espacial;
  4. organização temporal;
  5. estruturação corporal;
  6. imagem corporal;
  7. conhecimento corporal;
  8. esquema corporal;
  9. lateralidade.

Psicomotricidade na educação física: casamento perfeito

Ainda que a ênfase da educação física seja desenvolver a aptidão física para exercícios físicos, muitos professores mais humanistas focam seu trabalho no prazer pela atividade física.

Para esses profissionais, os alunos devem sentir prazer na prática física e, ao mesmo tempo, aprender habilidades relativas à interação social, a comunicação, ao respeito e à diversidade.

Aprender a conviver, significa aprender a lidar com as diferenças. Além disso, a comunicação corporal deve ser explorada, pois é através do corpo que nos apropriamos do mundo. Mais do que um aprendizado intelectual, a cultura é introduzida pelo corpo e suas expressões. 

Para que as crianças possam desenvolver autonomia, nas aulas de educação física deve-se incentivar que o aluno construa seu conhecimento. Um ensino de qualidade é aquele onde o estudante aprende a aprender, para que assim possa ir em busca constante de conhecimento.

Uma formação integral, que considera os aspectos cognitivos, emocionais e psicomotores dos alunos, ajuda as crianças a se tornarem autônomas e com prazer em aprender. A possibilidade de se tornarem pessoas felizes e que se desenvolvem em harmonia é grande à medida que damos as condições para se que possam se expressar, se comunicar, criar e pensar.

Educação Física na Psicomotricidade

Portanto, acreditamos que assim como e possível usar a psicomotricidade na educação física, o inverso é verdadeiro. Nas sessões de psicomotricidade, podemos recorrer às práticas de educação física.

A psicomotricidade e a educação física são compatíveis e podem ser integradas, o que só enriquece ambas as práticas. Uma auxilia a outra, uma completa a outra. Uma abordagem deve reconhecer o potencial da outra, pois ambas são parte da educação corporal, que abarca a educação física e psicomotora.

E você, o que pensa sobre isso? Deixe nos comentários.

 

Referências:

https://www.efdeportes.com/efd124/educacao-fisica-e-psicomotricidade-em-busca-de-uma-educacao-mais-humanista.htm

https://www.efdeportes.com/efd101/psicom.htm

Compartilhe este artigo

Comments 2

    1. Suporte Neurosaber

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *