Qual a importância das cartilhas e livros didáticos na alfabetização?

A alfabetização é um processo pelo qual professores e alunos estabelecem uma relação que se pauta na estratégia para o compartilhamento de conhecimento dos profissionais para os estudantes. Os mestres trazem consigo todo o conteúdo adquirido nos anos de preparação, além da contextualização que eles utilizam para facilitar a atenção e o entendimento das crianças, adolescentes e adultos em uma sala de aula.

Junto deles, destacam-se as cartilhas e os livros didáticos. Estes atuam como complemento de extrema importância para a exposição de ideias, exercícios de fixação, utilização de imagens, letras de música, trechos de obras literárias e outros atrativos que procuram auxiliar na divulgação dos conteúdos que se referem à faixa etária indicada.

Algo que pode marcar a vida de uma pessoa

Vocês provavelmente se lembram de algum livro didático ou cartilha que tivesse marcado sua vida. Não precisa ser necessariamente o material como um todo, mas alguma parte que tenha chamado a atenção, seja pelo texto ou recursos visuais. Tudo isso influencia também no processo de alfabetização.

Embora hoje pareça um pouco distante falar desses materiais impressos, principalmente porque estamos em plena era tecnológica, a boa notícia é que o formato de material ao qual estamos acostumados não vai acabar. Os objetos eletrônicos são bem-vindos, mas fazem parte de uma minoria. Sendo assim, vamos reforçar a importância que as cartilhas e os livros didáticos representam na alfabetização.

O que é preciso para a escolha de um bom livro didático?          

É válido ressaltar que os professores devem ficar atentos a alguns critérios determinantes na escolha de exemplares que contemplem aspectos imprescindíveis na alfabetização da turma que será atendida. Itens como qualidade, coerência e todo um conjunto de normas que esteja associado ao objetivo educacional da escola devem ser considerados.

A missão de escolher um livro didático que contemple as necessidades dos alunos não é algo simples. Isso guarda uma complexidade imensa quando o assunto é material para potencializar a alfabetização. É preciso que seja feita uma análise criteriosa acerca do conteúdo abordado no objeto.

Peguemos como exemplo um livro de Língua Portuguesa. De acordo com os Parâmetros Nacionais Curriculares (PCNS), um dos critérios a ser observado é o da qualidade. Isto se refere tanto ao ponto de vista linguístico quanto o gráfico. Além disso, o documento também recomenda que um dos recursos principais a ser utilizado deve ser os ‘textos autênticos’, preferencialmente “aqueles trazidos para a sala de aula nos seus portadores de origem”.

 E as cartilhas?

Esse tipo de material também é fundamental no processo da alfabetização. Afinal, é possível observar muitos elementos que impulsionam o conhecimento dos alunos. Para se ter uma ideia, as cartilhas podem ser divididas em três grupos. De acordo com estudo da Câmara dos Deputados (Alfabetização Infantil: Os novos caminhos):

– Cartilhas do tipo tradicional, que seguem uma estrutura próxima ao método alfabético e/ou de silabação. Os textos usados nessas cartilhas geralmente apresentam a palavra ou sílaba de cada aula;

– Cartilhas que apresentam textos e atividades voltadas, sobretudo, para a compreensão, com alguns poucos exercícios relacionados à formação ou leitura de palavras;

– Cartilhas cuja estrutura e textos demonstram afinidade com o princípio fônico.

A importância dos recursos imagéticos e gráficos

Sobre os recursos gráficos, é válido ressaltar que quanto mais interativo o livro didático e as cartilhas, maiores serão as chances de o material exercer grande influência sobre o processo de alfabetização dos estudantes. No entanto, o professor é quem deve obter o domínio da situação, orientando os alunos pelos conteúdos disponibilizados nos objetos.

Como todos vocês puderam perceber, o trabalho de alfabetizar é uma junção de estratégica que parte não só da didática dos professores, mas da escolha dos livros e das cartilhas que farão parte dessa importante dinâmica.

REFERÊNCIA

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS. Grupo de trabalho alfabetização infantil: os novos caminhos relatório final. Brasília: Câmara dos Deputados, 2007.

Compartilhe este artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *