TDAH ou Dislexia: como diferenciar?

Você sabe como diferenciar o TDAH e a Dislexia? Se a resposta for não, saiba que você não está sozinho. Muitas pessoas confundem um e outro. Para esclarecer tudo isso, é importante saber os pontos que os diferem.

O que é TDAH?

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) atua na parte do neurodesenvolvimento do indivíduo. Ele afeta as habilidades de atenção e os demais aspectos: hiperatividade e impulsividade. No entanto, vale lembrar que o TDAH tem características próprias.

Diferentemente do que algumas pessoas pensam, o TDAH não foi descoberto recentemente. Ele é estudado há mais de cem anos. Antigamente, costumava-se falar em disfunção cerebral mínima.

O TDAH tem uma organização direcionada em fatores atencionais e executivas, ou seja, tendem a demonstrar, em maior parte, as dificuldades de voltadas para as habilidades.

O que é dislexia?

A dislexia é um distúrbio de aprendizagem de leitura e escrita. Segundo o DSM-V, a dislexia é um transtorno específico de linguagem. Sendo assim, é imprescindível a avaliação de uma fonoaudióloga dentro do processo de tratamento da dislexia, além de outros especialistas que visam a um trabalho que valorize o desenvolvimento de outras práticas.

Alguns pontos determinantes do TDAH e da dislexia:

TDAH

-Função executiva
– impulsividade
– desatenção;

Dislexia

– Habilidades de consciência fonológica,
– habilidades de linguagem,
– habilidades verbais.

Importante lembrar

– 70% das pessoas que são diagnosticadas com TDAH têm problemas na escola e muitos deles costumam apresentar dificuldade de leitura e escrita;

– 30% dos indivíduos com TDAH não apresentam dificuldade de aprendizagem;

– A criança com dislexia pode ter TDAH.

A importância de um diagnóstico na infância
Pode-se notar o seguinte cenário com certa frequência: como os alunos com TDAH não têm a atenção adequada para aprender, eles não conseguem memorizar de forma efetiva. Sem isso, eles não alcançam um aprendizado satisfatório.

Se o diagnóstico dessas crianças com TDAH for feito depois da alfabetização, isso pode se tornar um problema muito sério, pois essa criança pode não ter recebido os estímulos no tempo certo. Além disso, o estudante não teve o processo de atenção adequado e o resultado acaba sendo uma alfabetização prejudicada.

A qualidade na intervenção

É preciso uma equipe multidisciplinar para avaliar esses casos. Por ser algo complexo, a intervenção necessita de um acompanhamento que ofereça a qualidade necessária para o desenvolvimento do pequeno.

Como o TDAH e a dislexia podem ser percebidos?

Desde criança, a dislexia pode ser percebida por meio do atraso de linguagem; quando o pequeno atinge certa idade e continua falando errado; quando há muita dificuldade de memorizar músicas e não demonstra interesses por números e livros de historinhas, entre outros.

O TDAH, por sua vez, pode ser notado por meio de desatenção, distração ou uma forte hiperatividade, diferente da agitação normal de uma criança. Esse lado hiperativo é aquele que atrapalha a interação social do menor e do ambiente em que ele estiver.

Criança com dislexia pode aprender a ler e a escrever?

Sim. Criança com dislexia pode (e deve) ler e escrever. É importante que se faça intervenções adequadas com fonoaudiólogas, psicopedagogos e outros profissionais para que eles trabalhem as habilidades de leitura e escrita; além de estimular as funções de percepção visual e consciência fonológica.

 

Compartilhe este artigo

Comments 5

  1. Maravilhoso o empenho de vocês em colaborar com o ensino e aprendizagem de uma sociedade tão carente de estímulo de amor em si, como é a nossa !! parabéns aos dois super educadores!

    Obrigada

    Boa noite!!Linaura!.

  2. Achei maravilhoso as informações, muito esclarecedor, só preciso enter quais são as propostas para ajudar alunos com dificuldade de aprendizagem em matemática, segundo a mãe de um aluno, a criança iniciou a fala aos três anos de idade, mais gralhava do que falava propriamente dito, pois, era difícil para a mãe a compreensão do que a criança falava, entretanto, com quatro anos falava o nome de lojas nas placas por que via na televisão, não teve dificuldade em escrever aos seis anos.
    Grata.

  3. Ótimo material socializado. O conhecimento trás luz ao nosso caminho, promove a conquista do objetivo em edificar vidas. Parabéns!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *