Transtorno da Comunicação Social x autismo: saiba a diferença

Em 2013, o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais chegou à sua 5ª edição. O DSM-V publicou aquilo que viria a ser um novo diagnóstico investigado na área médica: o Transtorno da Comunicação Social. Pelo pouco tempo da última edição do DSM, muitas pessoas ainda não conseguem caracterizar essa disfunção e acabam até mesmo confundindo-a com o autismo. Sendo assim, o artigo de hoje vai abordar as diferenças cruciais entre ambos.

O que é Transtorno da Comunicação Social?

Esta condição é caracterizada pela dificuldade que a criança encontra em estabelecer as formas convencionais de comunicação. Diferente das crianças com autismo, os indivíduos com tal transtorno não ficam prejudicadas quanto à compreensão da estrutura lexical ou gramatical; ou em outras habilidades cognitivas.

Interessante salientar que as crianças que apresentam o Transtorno da Comunicação Social enfrentam dificuldades no uso adequado da linguagem em situações sociais, tais como os cumprimentos, compartilhamento de informações, mudança de pronúncia para diferentes contextos, conversação fluida, entre outras.

Por que as pessoas confundem o Transtorno da Comunicação Social com o TEA?

É sabido que as crianças com autismo podem apresentar dificuldades para falar ou estabelecer uma comunicação adequada com seus interlocutores. Por outro lado, os pequenos diagnosticados com o Transtorno da Comunicação Social também apresentam certo desafio para esse aspecto. Isso é um dos grandes motivos que levam as pessoas a pensarem que o TSC é uma comorbidade ou algum subgênero do TEA (Transtorno do Espectro Autista), mas esse pensamento tende a ser um grande equívoco.

Qual a diferença entre eles?

De acordo com o DSM-V, a diferença crucial entre o TSC e o TEA está na presença de comportamentos que só são notados com autismo, como comportamentos repetitivos ou restritos; ou comportamentos que não seguem determinados padrões vistos sob a ótica das convenções sociais. Além disso, o pequeno que convive com o TEA demonstra interesses restritos.

Isso significa que crianças com autismo têm suas dificuldades para exercitar a comunicação social, justo com outros sintomas que caracterizam o TEA, como mencionado acima. Mas aqueles que apresentam o TSC apresentam somente dificuldade para lidar com os desafios da fala; e não manifestam nenhum outro sinal que o impeça de executar suas funções normais.

Uma criança com Transtorno de Comunicação Social pode desenvolver autismo?

Não. Isso só seria possível caso o pequeno já viesse de um histórico com os sintomas próprios do TEA. Em outras palavras, essa situação só poderia acontecer se o baixinho manifestasse movimentos repetitivos, maneirismos, hipersensibilidade, entre outros sinais presentes no autismo.

Quais os fatores de risco para o Transtorno da Comunicação Social?

Curiosamente, embora o DSM-V aponte que o TSC não seja consequência do TEA, um dos fatores de risco para a ocorrência do TSC é o fato de haver algum familiar ou histórico na família envolvendo o autismo ou até mesmo algum déficit que prejudique a cognição de uma pessoa.

Nota-se uma necessidade de aprofundamento em pesquisas que possibilitem um maior esclarecimento acerca da relação existente entre o Transtorno de Comunicação Social e o Transtorno do Espectro Autista, tendo em vista que a hereditariedade de um pode implicar no surgimento do outro, de acordo com alguns estudos realizados na área.

O que fazer para lidar com essa situação?

A saída para muitos pais e mães é solicitar ajuda de especialistas da área que estão aptos a analisar cada caso e a propor intervenções eficazes. O auxílio profissional é a alternativa mais indicada.

Links consultados:

https://www.verywellhealth.com/what-is-social-communication-disorder-260230

https://childmind.org/guide/social-communication-disorder/diagnosis/

Dr Clay Brites

Compartilhe este artigo

Comments 6

    1. Adriana Matias
  1. Muito bom esse artigo. O filho de uma amiga minha é excelente na escola. Tira notas boas na maioria das disciplinas. Mas fora do convívio dos pais ele não interage com ninguém, nem com os colegas de sala. Na hora do intervalo todas as crianças vão para o pátio brincar e ele fica sentado afastado de todos. Será que ele tem esse Transtorno de Comunicação Social?

    1. Adriana Matias
  2. Bom dia! Excelente tema abordado, parabéns! Como é bom ler um artigo e encontrar nele as respostas para tantas dúvidas que temos, e que dificilmente encontraríamos com tanta riqueza de conhecimento, objetividade, transparência e fundamento científico. Muito obrigada por fazer a diferença no que faz e na vida de quem acredita que é possível mudar! Parabéns!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *