Transtornos Psiquiátricos X Transtornos de Aprendizagem: qual a relação?

Quando o assunto é a saúde mental de seu filho, as dúvidas insistem em surgir. Não é para menos: afinal, quanto mais esclarecimentos a respeito do assunto, mais próximos vocês podem estar de uma solução que ofereça bem-estar ao pequeno e ao restante da família.

Para profissionais da educação, esta informação também é extremamente importante, tendo em vista os pontos que podem ser trabalhados dentro do universo pedagógico. Sendo assim, é possível haver relação entre os transtornos de psiquiátricos e os transtornos de aprendizagem?

O que a ciência diz?

A comunidade médica diz que sim, existe relação entre estas duas condições. Várias pesquisas já evidenciaram essa coexistência. Isso acontece pelo fato de indivíduos, que manifestam transtornos psiquiátricos, estarem mais suscetíveis a apresentar transtornos de aprendizagem no campo da leitura, da escrita e da matemática.

Em contraponto, pessoas que apresentam distúrbios de aprendizagem tendem a expressar os distúrbios psiquiátricos. Essa ligação pode ser explicada da seguinte maneira: há claras evidências de que muitos dos transtornos psiquiátricos estão diretamente envolvidos em alterações de conexões neurológicas ou conexões entre funções distintas do cérebro.

O que cada um significa?

– Transtorno psiquiátrico: alterações do funcionamento da mente e que causam sofrimento não só à pessoa, mas a todas aquelas que fazem parte de seu convívio. As áreas afetadas diretamente são diversas, uma vez que a origem de tais problemas se dá no cérebro do paciente; afetando a capacidade do sujeito ter uma vida normal.

– Transtorno de aprendizagem: baixa habilidade que uma pessoa apresenta, principalmente, a áreas da vida escolar, como a leitura, a escrita e a matemática. Há, em comum, entre todos os pacientes, o rendimento aquém da média nesses quesitos.

E aquelas pessoas que são diagnosticadas com TDAH?

Os casos de pacientes que convivem com o TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade) são exemplos que estão incluídos nessa relação. Isso ocorre quando o indivíduo apresenta alterações nas vias dopaminérgicas, o que pode causar alterações nas funções executivas, na memória operacional não verbal, atenção seletiva e sustentada. Além disso, na dificuldade de desempenho tempo-espaço. Essa situação significa que quanto mais tempo se passa, a pessoa adquire uma queda considerável de seu nível de atenção, refletindo diretamente no rendimento escolar.

Quais são os demais transtornos que estão incluídos?

A ciência alerta que outros transtornos também são influenciados nessa relação. Exemplos disso são a esquizofrenia, o transtorno bipolar, o TEA (Transtorno do Espectro Autista). É importante salientar que todos eles podem levar a criança a apresentar problemas tanto de concentração quanto de atenção.

A relação com a dislexia

Em casos de crianças com dislexia, um transtorno específico de aprendizagem ligado à leitura, elas podem desenvolver duas condições: quadros depressivos e transtornos de ansiedade. É válido ponderar a correlação entre essas duas condições.

Quando os profissionais avaliam alguém que tenha transtorno psiquiátrico, os especialistas não descartam o risco elevado de o paciente tender a manifestar também algum transtorno de aprendizagem.

Qual a melhor saída?

As intervenções orientadas pelos profissionais responsáveis são as soluções que seus filhos ou alunos precisam para amenizar o efeito dos transtornos em suas vidas. No entanto, é sempre válido lembrar que é preciso analisar profundamente a condição da criança para saber qual o tratamento ideal para o caso apresentado.

Já pensou aprender profundamente as Técnicas Psicomotoras que podem otimizar o Desenvolvimento Infantil de uma maneira Lúdica, Encantadora e Eficaz? Em um curso online completo a Lu Brites te ensina tudo sobre Psicomotricidade com fundamentação científica e de forma prática e simplificada.

Compartilhe este artigo

Comments 3

  1. Amei a oportunidade de participar .
    Meu filho foi diagnosticado com TDAH a um mês, confesso que me assustei. Ele sempre teve ótimas notas e final do ano passado dizia que tudo que aprendia fugia da memória.
    Ele sempre foi agitado ,mas como sempre teve boas notas não me preocupei.
    Me sinto culpada por não ter levado antes ao neuro.

    1. NeuroSaber Responde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *